sábado, 25 abril, 2015. 06:33 UTC

Notícias / África

Uganda: Parlamentares do Norte falam de separação

Milhões de dólares destinados ao desenvolvimento do norte do Uganda foram alegadamente roubados

Mercado informal no Uganda
Mercado informal no Uganda
Um grupo de membros do parlamento da região norte do Uganda, furiosos com o mau uso da ajuda ao desenvolvimento, acusou o governo de negligenciar a sua região.

Alguns ameaçam com a separação das áreas que representam.

O ano passado o Uganda foi abalado por um escândalo de um desfalque em que milhões de dólares destinados ao desenvolvimento do norte do Uganda foram alegadamente roubados pelo gabinete do Primeiro-Ministro.

Os doadores estrangeiros suspenderam o envio de ajuda, tendo parte sido já reembolsado.

No entanto, na passada semana, o Grupo Parlamentar Acholi, constituído por parlamentares do norte do Uganda, foram um passo mais adiante. Anunciaram a intensão de separar-se do Uganda, e formar um novo estado denominado de República do Nilo.

Gilbert Olanya, um elemento do grupo, referiu que uma tal separação será a melhor decisão para a população do Norte.

“Consideramos que o país deve ser dividido. Queremos que a população do Norte tenha o seu próprio país”, referiu.

Os habitantes do norte estão igualmente furiosos pelo facto de até este momento ninguém ter sido acusado judicialmente pelo escândalo, sublinha Olanya.


O governo do Uganda tem desmentido repetidamente que tenha marginalizado o norte. Todavia a reacção do norte tem aumentado durante anos, causado em parte pelos abusos cometidos pelas tropas do governo durante as duas décadas de guerra contra o Exercito de Resistência do Senhor de Joseph Kony.

Olanya acrescenta que muitos nortenhos acreditam mesmo que o governo não efectuou o suficiente para conter Kony, e que agora que a guerra terminou, os habitantes do norte são marginalizados de outras formas.

“Isto não é o principal. A sensação de marginalização iniciou-se há vários anos atrás. Se olharmos para a educação, e para o sector dos postos de trabalho, a nossa população é marginalizada. E qualquer dinheiro que seja enviado para o desenvolvimento do Norte, é roubado”, sublinha ainda Olanya.

Apenas 15 deputados estão envolvidos no processo de separação, mas Olanya afirma esperar que outros do norte se lhes juntem.

O grupo Parlamentar Acholi tenciona utilizar as próximas semanas recolhendo assinaturas de nortenhos que desejem igualmente a separação, e apresenta-las ao parlamento.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos