sexta-feira, 01 agosto, 2014. 09:49 UTC

Notícias / Estados Unidos

Nova legislação americana para estimular transparência em países ricos em recursos minerais

Promover a transparência nas nações ricas em recursos

Camponês baleado por segurança de minas de diamantes na Lunda Sul
Camponês baleado por segurança de minas de diamantes na Lunda Sul
Joana Mantey
— Uma legislação norte americana para estimular a transparência das receitas e a responsabilidade nos países ricos em recursos naturais, como no caso do Gana, vai entrar em vigor em 2014.

A legislação exige que as empresas petrolíferas, de gás natural e de mineração que se encontrem cotadas na Bolsa de Valores dos Estados Unidos tem de divulgar os pagamentos feitos aos governos dos países onde operam.

A legislação vai permitir aos Ganenses, em especial às comunidades que sofrem custos ambientais em resultado da actividade daquelas indústrias, possam lutar pelos seus direitos.

A legislação abrange mais de um milhar de companhias internacionais e abrange a Anadarko, a Hess, a Kosmos e a Tullow Oil – que operam no Gana.

Os grupos de fiscalização sustentam que a transparência é essencial no Gana.

Boakye Dankwa Boadi é director de uma organização sem fins comerciais envolvida no meio ambiente, direitos humanos e práticas de mineração.

Boadi refere que algumas plantações de cacau foram destruídas numa região do Gana para dar lugar a actividades mineiras, afectando indivíduos que ainda não foram totalmente compensados.

“Quando pagaram as compensações, pagaram menos de dez dólares por cada cacaueiro. Aos preços correntes cada árvore pode valer cinco dólares anuais. Pagaram dez dólares por uma árvore que tem uma vida superior a 40 anos”.

Os apoiantes da transparência sustentam que a legislação vai permitir que as comunidades beneficiem mais da extracção de petróleo e de minerais já que os pagamentos feitos pelas empresas estrangeiras ao governo vão ser do domínio publico.

Ian Gary é responsável pela Oxfam aqui nos Estados Unidos.

“Quando as empresas assinam os contratos para as explorações pagam adiantamentos denominados bónus. Outro género de pagamento são os impostos da corporação, os direitos que pagam pelo projecto, impostos alfandegários, e até mesmo de despesas de infra-estrutura”.

O Gana possui um bom índice de transparência no que diz respeito a receitas de mineração e de petróleo. O Gana adoptou o ano passado legislação para assegurar a divulgação das receitas governamentais dos sectores de petróleo e de gás.

Mas Gary sustenta que a nova legislação americana vai possibilitar aos cidadãos, aos deputados e aos jornalistas assegurar que aquilo que as empresas dizem pagar é aquilo que o governo realmente recebe.

“Trata-se de uma medida para assegurar que os números que são divulgados são verdadeiros. No Gana ao nível local existe pouca informação sobre as verbas recebidas e sobre a utilização dessas verbas”.

Gary acrescenta existir necessidade de que os países europeus consumidores de petróleo aprovem legislação similar para promover a transparência nas nações ricas em recursos.

Presentemente a Inglaterra, a França e a Alemanha manifestaram algum apoio à regulamentação por parte da Comissão Europeia no sentido de acompanhar o princípio da nova legislação dos Estados Unidos.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos