sábado, 20 setembro, 2014. 15:59 UTC

Notícias / Angola

Huíla: Professores ameaçam não publicar resultados de exames

O secretário provincial do SINPROF na Huíla João Francisco, fala de descontentamento entre os professores.

Vista da cidade do Lubango
Vista da cidade do Lubango
Teodoro Albano
Professores na Huíla em pleno fim do ano lectivo de 2012 ameaçam condicionar a publicação das pautas face ao incumprimento por parte do governo de algumas obrigações com subsídios e ausências de promoções de categorias no sector.

Muitos dos subsídios por pagar já vêm desde 2002 e as pressões até aqui exercidas pelo sindicato dos professores terão resultado em fracasso, agora condicionar a entrega do expediente e impedir a publicação das pautas é a decisão tomada pelos docentes.


O secretário provincial do SINPROF na Huíla João Francisco, fala do descontentamento reinante entre os professores.

“Há outras situações doutras dívidas que o ministério da educação ainda tem a direcção provincial ainda tem com os professores refiro-me a alguns subsídios por exemplo o subsídio de exame de 2010 que não foi pago até hoje, há outras questões de alguns trabalhadores que foram inactivados eu não sei se é por inexperiência ou é má-fé de algumas pessoas”.

Preocupado com a situação que afecta os professores na Huíla está o núcleo local da assembleia nacional que ouviu num encontro ocorrido recentemente inquietações manifestadas pelos docentes.

O porta-voz dos deputados pelo círculo da Huíla, Virgílio Tyova, prometeu interceder junto do governo local e levar para Luanda as questões dos professores cuja solução depende do poder central.

“Nós vamos começar a diligenciar medidas que visem não só o esclarecimento da parte das instituições do estado, mas também a resolução daqueles que são de facto de âmbito local, as questões de âmbito central o que nós podemos fazer é de facto propor, remeter as comissões especializadas das assembleia nacional estes problemas que foram nos colocados aqui pelo SINPROF”.

Sobre o condicionamento da divulgação dos resultados os deputados apelam ao bom senso dos professores para não comprometer o ano lectivo.

“Se não houve ainda digamos recusa da parte das instituições do estado para resolver o assunto não me parece que deve ser essa a posição, mas vocês com certeza devem ter as vossas razões, se calhar já passou muito tempo e a reposta não foi dada enfim”.

Deputados na Huíla auscultam problemas que afectam professores e apelam para que estes desistam da ideia de condicionar a divulgação das pautas ao cumprimento do governo de algumas obrigações.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Tony de: Huíla
04.12.2012 04:50
O QUE DEVE SER FEITO O CASO RECONVERSÃO DE CARREIRA... PORQUE PROFESSORES QUE TRABALHAM HÁ DEZ ANOS... ESTÁO NO ENSINO SUPERIOR. Mas com uma categoria do ensino primario... isto mau. uma vez que o ensino superior estar caro...

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 19 Setembro 2014i
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
19.09.2014 17:49
As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 19 Setembro 2014

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Aniversário Westgate - Ataque terrorista ainda abala as vítimas

Um ano depois do ataque terrorista ao Centro Comercial Westgate em Nairobi, os sobreviventes continuam abalados com a tragédia. A VOA conta a história das vítimas que ainda questionam: “Como é que isto aconteceu?
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 18 Setembro 2014

Noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Setembro 2014

As imagens de Africa que fazem noticia
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 16 Setembro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Prostituição infantil em Nairobi

Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Mais Vídeos