quarta-feira, 22 outubro, 2014. 12:13 UTC

Notícias / África

Depois das denúncias, tardam as explicações do governo sobre o branqueamento de capitais em São Tomé e Príncipe

Banco Central e a Unidade de Informação Financeira não confirmam as denúncias do primeiro-ministro Gabriel Costa, por receios de falta de provas

BAnco Central de São Tomé and Príncipe, na cidade de São Tomé
BAnco Central de São Tomé and Príncipe, na cidade de São Tomé

Multimédia

Áudio
Redacção VOA
As recentes denúncias do primeiro-ministro Gabriel Costa sobre o branqueamento de capitais levantou suspeitas sobre o sistema financeiro, e os operadores económicos estão agora a espera de mais explicações do governo.

Em duas ocasiões, o primeiro-ministro santomense Gabriel Costa, assumiu que o seu governo tinha provas de branqueamento de capitais em São Tomé e Príncipe.

“Temos elementos da entrada de dinheiro cuja origem não sabemos, para o nosso sistema monetário.”

A primeira vez que Gabriel Costa falou deste assunto foi ainda em Dezembro quando na Assembleia Nacional procurava aprovar o programa do seu governo. A segunda oportunidade surgiu há duas semanas quando discursava perante os deputados que sustentam o seu executivo, numa sessão parlamentar destinada a debater o estado da Nação.

“Entendemos que o nosso Estado não pode correr o risco de ser um narco-estado. Pelo menos comigo não.”

As circunstâncias e a virulência das acusações de Gabriel Costa não tardaram em levantar suspeitas. O anterior governo até ao presente limpou as suas mãos mantendo-se em silêncio comprometedor.

Da parte das instituições públicas santomenses vocacionadas a lidar com questões de natureza, como o Banco Central e a Unidade de Informação Financeira, também não se ouviu uma única palavra. Foi-nos dito no Banco Central de São Tomé e Príncipe que a instituição abstinha-se a comentar as alegações do chefe do governo.

A denúncia do primeiro-ministro Gabriel Costa parece ter convencido os seus aliados políticos, mas no campo técnico mais explicações estão a ser exigidas.
Agostinho Rita é um reputado bancário santomense e foi no passado, accionista maioritário de um dos bancos comerciais do país.

“O que ele disse é que há branqueamento. Agora ele não disse se o antigo governo estava ligado ou não. Portanto para fazer uma afirmação desta natureza é preciso investigação. E essa investigação é que São Tomé e Príncipe não tem capacidades. Tem que pedir apoio aos países ocidentais para ver quem são esses quem de direito que estejam a colaborar com esses grupos ou indivíduos.”

Para Alcídio Montoya um outro bancário santomense com experiencias nos mercados financeiros português e angolano, a denúncia do governo deve ser correspondida pelo Banco Central de São Tomé e Príncipe enquanto organismo regulador do sistema.

“Penso que deve haver uma reacção do Banco Central enquanto entidade supervisora e que espero que tenha alguma independência para esclarecer se esses movimentos existem e se passam pelo sistema financeiro. Porque pode acontecer também que este tipo de branqueamento de capital pode existir mas que ainda não tenha entrado no sistema financeiro. Mas aí tecnicamente não se pode dizer que haja lavagem, que haja branqueamento.”

O branqueamento de capitais é uma actividade descrita como ilegal por permitir a entrada no sistema financeiro normal de fundos provenientes de actividades criminosas e ilícitas susceptíveis de criar desequilíbrios político-sociais de dimensões incontornáveis.

Mas também é verdade que em muitos dos países do mundo e com especial incidência nos chamados paraísos fiscais, esses fundos acabam por serem aceites mediante negociações pré-estabelecidas e até ao nível internacional. Para Alcídio Montoya a questão de branqueamento de capital pode ter dois pesos e duas medidas.

“Estamos a falar de off-shores, de paraísos fiscais em que são cooperantes, ou seja, quando as entidades supervisoras dos sistemas bancários pedem informação, essa região, esses países lhes fornece toda a informação e há outros que não são cooperantes que não fornecem essa informação. Mas digamos que nenhum país do mundo diz que pratica de forma clara e aberta o branqueamento de capitais.”

O caso de São Tomé como zona de branqueamento de capitais foi anunciado há cerca de 3 anos quando o Grupo de Acção Financeira Internacional descreveu o país como um dos 7 países africanos susceptíveis de branqueamento por causa de uma legislação antiga e um sistema opaco da actividade bancária.

Agostinho Rita diz que a situação até hoje não mudou.

“Há várias razões no caso de São Tomé. As instituições do país não funcionam correctamente. Os altos funcionários públicos são muito mal pagos, e podem facilmente ser comprados, podem entrar na cooperação. E as autoridades nacionais não têm o controlo de todo o seu território nacional.”

Isso mesmo reconheceu o Grupo de Acção Financeira internacional numa publicação no seu site, que diz que São Tome e Príncipe tem dado sinais de melhoria com adopção de lei leis e que apesar dos esforços políticos ao mais alto nível no que toca a cooperação, não houve progresso na implementação do seu plano de acção.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: jose sousa de: Lisboa
26.02.2013 17:48
Ola Comparitotas!
Gostaria saber se se trata-se de ma interpretacao do Gabriel Costa em relacao a aquilo que chamou de branqueamento de capital ou nao acostar-se nas questoes relativamente a desponibilidade ou injeccaao de capital financeiro no mercado ou apenas traumatismo ocular de uma percepcao a luz da virtualidade de uma concepcao defusa e ofusca do seu modo precipitado de querer ser o soba que da sempre com a ligua nos dente. O que ele pretende insinuar em relacao ao tesouro do estado? Sera que foi eleito apenas para fazer denuncias? Que beneficio tera em faze-las? So espero que nao venha a pensar que esta para satisfazer os interesses da aqueles paises ladroes e arrumados em pregadores de democracia "qual carrapuca" que nao existe ou serve para suas proprias faces; que ja andam a tramar e enganar e iludir o Mundo inteiro para se protegerem da sua campanha hegemonica, sobre pretexto de quando em vez de campanha humanitaria de fuba e peixe seco a populacao que eles proprios desbandaram, fruto de dessiminacao de virus ideal-demagogico, virando determinados povos contra os seus lideres para depois dizerem que o homem esta a matar o seu propio povo que nada sabe das suas artemanhas a malandrice; como foi o caso de aquilo que aconteceu com Kadaffi da Libia que se encontra agora entregue a bicharrada dos rebeldes a trocos de petroleo de borla desde que recebem em troca uma merenda que lhes safacam a suas necessidades em detrimento da esmagadora da populacao que apenas aprendeu a dizer viva, emponhando de qualquer geito a banderola.
Defenda as boas regras e practicas suas, mas e preciso nao atrapalhar-se ao ponto de sujar a imagem do seu proprio pais, que este seu gesto nao dignifica ninguem ao nao ser a aqueles que auto-denominam-se de number ones que pretendem ver os outros povos descalcos, pedintes e limitados a um tipo de desenvolvimento de imposicao a maneira do empurrao da charua.
Obrigado pela sua atencao.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ébola e os órfãos da Serra Leoai
X
22.10.2014 11:07
Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Vídeo

Vídeo Ébola e os órfãos da Serra Leoa

Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola: Um Poema para os Vivos

O filme da Chocolate Moose é uma animação desmistificando o Ébola, explicando a doença através do caso de um menino infectado. A VOA fez a dobragem do vídeo original na voz de Mayra de Lassalette. Saiba mais no link http://tinyurl.com/l7vgtjv
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Nascimentos na Libéria em tempos de Ébola

O hospital JFK na Libéria tinha encerrado a maternidade, devido ao Ébola, mas urge agora reabrir o serviço que já fez 93 partos desde que voltou a abrir
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Libéria: Os bravos que recolhem os corpos das vítimas de Ébola

Na Monróvia, capital da Libéria, uma jovem não aceitou ir para o hospital quando os técnicos de saúde assim o solicitaram. E a comunidade em que vivia também não. A jovem morreu e muitos da comunidade estão infectados com Ébola e isto já começa a ser uma história comum na Libéria
Vídeo

Vídeo Qual é o significado estratégico de Kobani?

Kobani continua a ser palco de intensos combates entre militantes do grupo Estado Islâmico (ISIS ou ISIL) e forças curdas. Os EUA levaram a cabo mais ataques aéreos. A ONU adverte para o possível massacre de centenas de civis se a cidade cair totalmente nas mãos dos extremistas islâmicos.
Mais Vídeos