quinta-feira, 23 outubro, 2014. 07:57 UTC

Notícias / África

2012: Somália enfrenta desafios de segurança depois de um ano histórico

Com nova constituição, novo parlamento, novo presidente e governo os somalis procuram fazer de tudo para estabilizar o país em relação as ameaças de segurança

Novo presidente somali, Hassan Sheikh Mohamud (à direita) discursando durante a sua primeira visita ao estrangeiro - Etiópia em Novembro
Novo presidente somali, Hassan Sheikh Mohamud (à direita) discursando durante a sua primeira visita ao estrangeiro - Etiópia em Novembro

Multimédia

Áudio
Gabe Joselow
Nos últimos 12 meses a Somália aprovou uma nova constituição, elegeu um novo parlamento, presidente e primeiro-ministro, abrindo caminho para o seu primeiro governo estável em cerca de 20 anos.

Em Agosto os membros do novo parlamento somali entraram em funções através de uma cerimónia de juramento realizada num parque de estacionamento no exterior do aeroporto de Mogadíscio.

A selecção dos 275 deputados foi um dos mais substanciais objectivos no final de oito anos de transição política e começo de uma nova era para um governo representativo.
Esse progresso político alimentou a confiança da comunidade internacional.

O Irão reabriu a sua embaixada na Somália este ano, o Reino Unido nomeou um embaixador e as Nações Unidas anunciaram que iam avançar com o reforçou do seu pessoal em Mogadíscio. As linhas aéreas turcas começaram os voos regulares para a capital somali em Maio enquanto Ankara lidera os encargos para reforçar os investimentos no país.

Abdirahman Aadle, membro do partido de Unidade em Mogasdício diz que este é um ano histórico.

“O governo cumpriu as missões mais difíceis durante esse período” diz ele. “Isso tem mudado muito a história da nossa nação.”

Como uma das primeiras acções, o novo parlamento elegeu o presidente Hassan Cheik Mohamud, um académico e líder cívico com poucos laços ao cessante e corrupto governo de transição.

Ele apontou desde logo um novo primeiro-ministro que por sua vez constituiu um governo que integra uma mulher como ministra dos negócios estrangeiros, a primeira na história do país.

Contudo, o governo não tem bem recebido no universo político em Mogadíscio. O analista político Ibrahim Adow disse que os novos actores na liderança do governo não estão preparados para o trabalho que lhes aguarda.

"Podemos dizer que 80 por cento deles não sabe o que é democracia – diz Adow, porque não é uma prática que as pessoas se têm habituado no país e a constituição em si foi criada com base democrática.

O analista político Ibrahim Adow adianta ainda que significa que pode ser problemático levar a cabo acções que requerem experiência política.

A segurança continua a ser o maior desafio para o novo governo. Poucos dias após a tomada de posse no novo presidente em Setembro, três bombas foram lançadas contra o hotel em Mogadíscio onde ele recebia em audiências uma delegação do Quénia.

A situação melhorou com a força da União Africana – AMISOM – apoiada pelo Quénia e Etiópia, a arrastar os militantes das al-Shabab para fora dos seus esconderijos em Mogadíscio e na região centro-sul da Somália.

Mas o analista somali, A bdiwahab Sheikh Abdisamed diz que as próprias forças armadas somalis continuam sendo uma instituição fraca e dividia por rivalidades internas e de clãs.

“Se hoje, Deus que me perdoe, a AMISOM vai-se embora abruptamente, a Somália poderá voltar ao clãnismo, com competições entre clãs, aos senhores de guerra. Portanto o actual pessoal militar, veio maioritariamente do clã Hawiye, das áreas em torno de Mogadíscio, e são eles leais ao governo? E esta é a questão que todo o mundo levanta.”

Um outro desafio para o novo governo é como administrar o território a ser recuperado da al-Shabab. O porto de Kismayo ao sul do país é uma das mais importantes vitórias do último ano.

Os clãs na zona estão a competir-se para o controlo da cidade e tentam estabelecer um novo estado na área a semelhança das regiões autónomas de Putland e Somaliland no norte. Trata-se de um desafio ao governo central que procura estabelecer uma forte presença fora da capital.

As dificuldades políticas para o controlo das regiões de Kismayo e de Jubaland alimentam as tensões entre Mogadíscio e outras regiões da Somália. Uma questão que poderá minar o progresso político obtido durante esse último ano.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Mãe Trabalhadora - trailler do filmei
X
22.10.2014 18:29
O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola e os órfãos da Serra Leoa

Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola: Um Poema para os Vivos

O filme da Chocolate Moose é uma animação desmistificando o Ébola, explicando a doença através do caso de um menino infectado. A VOA fez a dobragem do vídeo original na voz de Mayra de Lassalette. Saiba mais no link http://tinyurl.com/l7vgtjv
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Nascimentos na Libéria em tempos de Ébola

O hospital JFK na Libéria tinha encerrado a maternidade, devido ao Ébola, mas urge agora reabrir o serviço que já fez 93 partos desde que voltou a abrir
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Mais Vídeos