terça-feira, 28 julho, 2015. 21:45 UTC

Notícias / África e Mundo

Jornalista detido por entrevistar vitima de violação

A violência sexual e a violência sexual por forças governamentais constitui uma preocupação em Mogadíscio

Redacção VOA
A Human Rights Watch exigiu a libertação de um jornalista detido na Somália após ter entrevistado uma mulher que teria sido violada por elementos das forças de segurança.

O grupo de direitos humanos coloca em dúvida o tratamento das vítimas de violência sexual na Somália.

A Human Rights Watch sustenta que a polícia Somali detém o jornalista independente Abdinur Ibrahim, detido na passada quinta-feira, e duas outras pessoas relacionadas com a vítima da alegada violação.

A mulher, que sustenta ter sido violada por forças governamentais há vários meses atrás, foi igualmente detida pelo Departamento Central de Investigação, mas o seu marido encontra-se agora na cadeia em seu lugar. Uma familiar da vítima que a colocou em contacto com o jornalista encontra-se igualmente detida.

A Human Rights Watch tem criticado a polícia Somali por ter detido o jornalista e por ter ameaçado a mulher que sustenta ter sido violada, em vez dos suspeitos da violação.

Um especialista da Human Rights Watch , que falou na condição de anonimato, referiu que a policia tem impedido o jornalista de receber assistência jurídica.

Segundo a fonte o acesso do jornalista aos advogados tem sido, por vezes, negado, colocando em causa o facto da alegada vitima ter sido interrogada, após ter sido detida, embora, presentemente, seja o marido que se encontra detido.


O Secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Somalis, visitou o jornalista, tendo referido que a polícia complicou a situação por que alguns dos colegas são objecto de atenção no crime.

De acordo com a mesma fonte a saúde do jornalista está a deteriorar-se e a polícia sustenta que ninguém o pode ver até que esteja concluída a investigação.

A fonte da Human Rights Watch refere igualmente que a organização está preocupada com o impacto do caso tenha na divulgação de abusos cometidos pelas forças governamentais.

Segundo a organização a questão da violência sexual e concretamente a violência sexual por forças governamentais constitui uma preocupação em Mogadíscio.

Para já a Human Rights Watch pediu ao governo somali para libertar de imediato o jornalista e todo os outros que foram detidos na semana passada.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sudão: música salva pessoas da mortei
X
28.07.2015 06:19
Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Marvel Comics lança um novo Homem-Aranha: Miles Morales

Seja em quadradinhos ou na tela do cinema, fãs estão acostumados a ver Peter Parker por trás do Homem-Aranha. Mas isto está a mudar. A Marvel Comics lançou Miles Morales para substituir Peter Parker em uma nova série de quadradinhos. Ele é metade latino e metado afro-americano e já é bem popular.
Vídeo

Vídeo Procuradoras mulheres da Somália para fazer a diferença

Numa nação marcada por um longo conflito, corrupção e impunidade, o governo da Somália espera reconstruir o sistema de justiça do país e pela primeira vez trouxe seis procuradoras mulheres ao processo
Vídeo

Vídeo Jornalista cego da Somália

Apesar da melhoria de segurança, nos últimos anos, Somália continua um dos países mais perigosos para ser jornalista, pior para que não tem a capacidade de ver. Abdifatah Hassan Kalgacal têm reportado na última década a partir da capital daquele país. É cego
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Julho 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos