sábado, 01 novembro, 2014. 10:16 UTC

Notícias / Mundo

Ataques de pirataria em declínio na Somália

Este ano foram registados apenas 34 ataques contra os 176 do ano passado

Um pirata somali vigiando um barco pesqueiro tailandês preso na regiao de Hobyo na Somália
Um pirata somali vigiando um barco pesqueiro tailandês preso na regiao de Hobyo na Somália

Multimédia

Áudio
Redacção VOA
Os ataques de piratas Somalis reduziram-se drasticamente este ano, confirmando-se assim um bom desempenho dos esforços multi-nacionais navais na região e também pelo reforço das medidas de segurança ao nível das embarcações e no terreno na Somália.

No Centro de Coordenação de Operações de Salvamento da Marinha Regional, no porto de Mombasa, oficiais quenianos fazem a vigilância através de imagens de monitores dos barcos ao longo do Corno de África.

Os navios transmitem ininterruptamente os sinais para o centro, e no caso de haver o rapto, perde-se o sinal e logo a embarcação deixa de ser observada através do centro.
Ultimamente, é menos o número de barcos perdidos. No ano passado a Força Naval da União Europeia na Somália registou 176 ataques. Este ano, esse número caiu para 34 tentativas de rapto.

Jonathan Omondi é um oficial de operações no centro.

“Este ano na nossa região nenhum navio foi raptado. As iniciativas contra a pirataria em terras trouxeram uma grande contribuição, especificamente o efeito das forças da União Africana que foram colocadas no terreno. A pirataria é um problema baseado em terra. A pirataria no mar é apenas um sintoma de um problema terrestre.”

Enquanto muitos atribuem o declínio dos ataques de pirataria aos recentes avanços políticos e militares feitos pelas forças governamentais na Somália, outros dão enfâse aos esforços coordenados das forças navais da NATO e União Europeia que patrulham a costa somali.

Peter McGhie, o chefe do Gabinete de Apoio das Nações Unidas em Mombasa, diz que o uso de segurança privada pelos armadores dos navios, também desmobilizou os piratas.

“Estamos a colocar as instruções de protecção em todos os nossos navios e no final o resultado tem mostrado uma queda imediata dos gráficos.”

Enquanto os ataques de pirataria se reduzem, as disputas jurídicas prosseguem. Não muito longe do porto de Mombasa, muitos piratas continuam detidos na Prisão de Shimo la Tewa.

Jay Bahadur, autor do livro “Os Piratas da Somália” diz que as questões legais são complicadas. Dois tratados – a Convenção das Nações unidas sobre as leis do Mar, e a Convenção para a Supressão de Actos Ilícitos Contra a Navegação Marítima – demarcam a lei marítima.

“No geral elas fazem da pirataria um crime de jurisdição internacional. Se for fora das águas territoriais, 12 milhas náuticas, significa que qualquer um pode capturar um grupo de piratas e julga-los.”

Na semana passada, um tribunal no Estado da Virgínia rejeitou um pedido de suspeitos piratas Somalis para mudar o local de julgamento. Eles são acusados pela morte de 4 americanos durante o sequestro de um iate em 2011.

Jay Bahadur diz que este caso não habitual. Apesar de haver uma queixa legal, a maioria dos países do ocidente evitam extraditar os piratas sob a sua custódia. Adianta ainda que há um ano e meio, o Quénia era o principal ponto para a detenção de piratas.

Em 2010 o país cujas prisões estavam superlotadas, decidiu romper o acordo que tinha com a União Europeia para julgar suspeitos piratas somalis. Desde então as Seychelles assumiram em levar a cabo esses esforços.

Esta semana foram sentenciados 17 piratas somalis e os mesmos deverão cumprir as penas em cadeias na Somália, nas regiões de Puntland e da Somaliland.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambiquei
X
31.10.2014 18:08
Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambique

Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 30 Outubro 2014

As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 28 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Levados pelo Boko Haram

O mundo espera para ver se a Nigéria consegue negociar a libertação das 219 raparigas da escola de Chibok, raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram em Abril. Activistas dizem que o Boko Haram já raptou centenas de jovens rapazes, mulheres e crianças, desde 2009.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Mais Vídeos