terça-feira, 02 junho, 2015. 23:26 UTC

Notícias / Estados Unidos

Adam Lanza forçou a entrada na escola antes de matar 20 crianças e seis adultos

O massacre foi o segundo mais grave deste género nos Estados Unidos

Redacção VOA
A polícia revelou que o jovem responsável pelo massacre numa escola do nordeste dos Estados Unidos forçou a entrada no edifício antes de matar a tiro 20 crianças e seis adultos.

A fonte não precisou como Adam Lanza forçou a entrada, referindo que prossegue a investigação.

As autoridades norte-americanas ainda não indicaram qual o motivo que levou um jovem de 20 anos de idade a matar 20 crianças e seis adultos numa escola primária da cidade de Newton, no estado de Connecticut.

Dezenas de pessoas homenagearam esta madrugada as vítimas, numa vigília em frente à Casa Branca.

Reclamaram um maior controlo na venda de armas para prevenir mais ataques deste tipo. CA polícia revelou que o jovem responsável pelo massacre numa escola do nordeste dos Estados Unidos forçou a entrada no edifício antes de matar a tiro 20 crianças e seis adultos.
 
A fonte não precisou como Adam Lanza forçou a entrada, referindo que prossegue a investigação.
 
As autoridades norte-americanas ainda não indicaram qual o motivo que levou um jovem de 20 anos de idade a matar 20 crianças e seis adultos numa escola primária da cidade de Newton, no estado de Connecticut.
 
Dezenas de pessoas homenagearam esta madrugada as vítimas, numa vigília em frente à Casa Branca.
 
Reclamaram um maior controlo na venda de armas para prevenir mais ataques deste tipo. O massacre foi o segundo mais grave deste género nos Estados Unidos, depois do tiroteio de há cinco anos na universidade da Virgínia, em que 32 pessoas foram assassinadas.
 
"O país sofreu demasiadas tragédias nos últimos anos. Vamos ter de nos unir e tomar medidas significativas para prevenir futuras tragédias como esta", declarou o presidente norte-americano num discurso emocionado, após o massacre numa escola primária em Connecticut.
 
O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apelou a medidas significativas para evitar a repetição de mais um tiroteio numa escola, como o que aconteceu ontem e provocou 27 mortos, incluindo 20 crianças.
 
Numa intervenção transmitida pela televisão na sala de imprensa da Casa Branca, em Washington, e visivelmente emocionado, Barack Obama recordou as vítimas, em particular as bonitas crianças com idades entre os cinco e os dez anos e que tinham a vida inteira à sua frente, aniversários, licenciaturas, casamentos, filhos seus.
 
O Presidente norte-americano recordou ainda que entre as vítimas existiam professores, mulheres e homens que consagraram as suas vidas a ajudar as crianças a realizar os seus sonhos.
 
"O país sofreu demasiadas tragédias como esta nos últimos anos. Vamos ter de nos unir e tomar medidas significativas para prevenir futuras tragédias como esta", afirmou Obama.
 
Obama decretou quatro dias de luto nacional e ordenou que todas as bandeiras nos edifícios e locais públicos sejam colocadas a meia haste, incluindo nas representações dos Estados Unidos no estrangeiro.
, depois do tiroteio de há cinco anos na universidade da Virgínia, em que 32 pessoas foram assassinadas.

"O país sofreu demasiadas tragédias nos últimos anos. Vamos ter de nos unir e tomar medidas significativas para prevenir futuras tragédias como esta", declarou o presidente norte-americano num discurso emocionado, após o massacre numa escola primária em Connecticut.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apelou a medidas significativas para evitar a repetição de mais um tiroteio numa escola, como o que aconteceu ontem e provocou 27 mortos, incluindo 20 crianças.

Numa intervenção transmitida pela televisão na sala de imprensa da Casa Branca, em Washington, e visivelmente emocionado, Barack Obama recordou as vítimas, em particular as bonitas crianças com idades entre os cinco e os dez anos e que tinham a vida inteira à sua frente, aniversários, licenciaturas, casamentos, filhos seus.

O Presidente norte-americano recordou ainda que entre as vítimas existiam professores, mulheres e homens que consagraram as suas vidas a ajudar as crianças a realizar os seus sonhos.

"O país sofreu demasiadas tragédias como esta nos últimos anos. Vamos ter de nos unir e tomar medidas significativas para prevenir futuras tragédias como esta", afirmou Obama.

Obama decretou quatro dias de luto nacional e ordenou que todas as bandeiras nos edifícios e locais públicos sejam colocadas a meia haste, incluindo nas representações dos Estados Unidos no estrangeiro.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Mundo 2 Junho 2015i
X
02.06.2015 17:54
Vídeo

Vídeo Dança para enfrentar a política

O filme "Bailarino do Deserto" (Dsert Dancer) do realizador Richard Raymond baseia-se na história verdadeira de um grupo de jovens iranianos que formaram um grupo de dança clandestino no Irão e que é perseguido por isso. A dança é sua forma de liberdade de expressão
Vídeo

Vídeo Evelyn Rubio a "Latina Blues"

Americana de origem mexicana, Evelyn Rubio é a nova lufada de ar fresco no blues nos Estados Unidos. Das poucas mulheres cantoras, compositoras e saxofonistas, Evelyn conta à VOA como é vencer o blues com o ritmo latino!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha #17: Sylvester Stallone em Bollywood e Johnny Depp preso por ter cão

Emily Blunt "cascou" no festival de Cannes e saiba porquê que J Depp pode ser preso por 10 anos. Sylvester Stallone também tem novidades para nós. Confira o vídeo!
Vídeo

Vídeo Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Mais Vídeos