sábado, 30 maio, 2015. 06:23 UTC

Notícias / África

O Procurador Gerrie Nel recomendou ao tribunal que não autorize a libertação de Pistorius

Existem duas versões do que terá acontecido na residência de Óscar Pistorius

Óscar Pistorius
Óscar Pistorius
O atleta paralímpico Óscar Pistorius enfrentou um segundo dia de argumentos ainda antes do julgamento por assassinato da sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp.

Existem duas versões do que terá acontecido às primeiras horas do dia 14 do corrente na residência de Óscar Pistorius, em Pretoria.

Em ambas as versões – a da acusação e a da defesa – Pistorius matou a tiro Reeva Steenkamp.


Na versão de Pistorius, o atleta bi-amputado ouviu barulho, numa África do Sul onde as invasões violentas das residências não são fora do comum, Pistorius pegou na sua arma, ouviu um barulho na casa de banho e disparou sem acender a luz.

Tendo regressado ao quarto só quando viu a cama vazia é que lhe terá ocorrido que poderia ter disparado sobre Reeva Steenkamp.

Esta versão dos acontecimentos contrasta com a da acusação, que alega que os dados do caso apontam claramente para homicídio premeditado: o atleta teria colocado as próteses e andado sete metros antes de disparar quatro vezes contra a porta da casa de banho onde se encontrava a namorada.

O Procurador Gerrie Nel recomendou ao tribunal que não autorize a libertação de Pistorius mediante o pagamento de caução, pois ele poderá fugir do país e a sua posterior extradição ser muito difícil.

A equipa de defesa de Pistorius tentou contrapor à versão da polícia apresentando testemunhos de amigos que apresentaram um casal que se tinha enamorado um mês após o primeiro encontro.

Este caso tem atraído as atenções mundiais. O desporto é uma obsessão na África do Sul, e durante os últimos jogos olímpicos – durante os quais Pistorius foi o primeiro atleta bi-amputado a concorrer – o corredor tornou-se num poderoso emblema da nação.

No exterior do edifício do tribunal, elementos da Liga das Mulheres protestaram contra a libertação de Pistorius e a violência contra as mulheres.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"i
X
29.05.2015 15:05
Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Protestos em Bujumbura

O ambiente em Bujumbura continua sob muita tensao. Hoje foi dia de protestos na capital do Burundi
Vídeo

Vídeo Manchetes do Mundo 25 de Maio 2015

As imagens noticiosas do mundo
Mais Vídeos