segunda-feira, 08 fevereiro, 2016. 19:32 UTC

    Notícias

    Polícia angolana prende manifestantes e trava protesto anti-governamental

    O advogado angolano Fernandes Nascimento considera que as detenções da madrugada de segunda-feira foram ilegais à luz das leis do país

    Praça da Independência, Luanda, na manhã de segunda-feira
    Praça da Independência, Luanda, na manhã de segunda-feira

    A jornalista Ana Margoso fala sobre a sua detenção

    Luanda viveu um dia tenso marcado pelas iniciativas extraordinárias das autoridades para impedir a realização de uma manifestação de protesto contra os 32 anos de regime de José Eduardo dos Santos.

    Apesar de convocada por desconhecidos através da internet, o governo angolano levou a intenção a sério, tendo o MPLA convocado a sua própria manifestação de apoio ao presidente Eduardo dos Santos, no sábado, e tornando bem claro que não iria tolerar qualquer manifestação anti-governamental.

    A segurança esteve mais apertada nas primeiras horas do dia, em Luanda, com a presença de homens e meios em algumas passagens de acesso ao centro da cidade ou ainda em potenciais pontos de concentração, principalmente na Rua Comandante Bula, ou a Av. Cónego Manuel das Neves, no S. Paulo junto ao edifício da CEAST.

    Na Amílcar Cabral que dá acesso ao aeroporto internacional registou-se a presença de militares armados, transportando meios de comunicação.

    A Praça da Independência, local indicado para a concentração dos manifestantes estava deserta de população mas continuava a ser rondada pela polícia da ordem pública e também militar, com aquela  a ser vista a interpelar jovens que circulavam de motorizada nas ruas adjacentes, no que podia até certo ponto ser entendido como operação normal. Homens à paisana foram igualmente reconhecidos nalguns locais.

    A situação em Luanda relatada por Alexandre Neto

    O trânsito congestionou-se por volta do meio dia, mesmo assim com menos intensidade do que é comum em Luanda, em parte devido à pausa de Carnaval dos alunos do I e II ciclo do ensino geral. Há relatos de escritórios que não abriram ao público nesta segunda-feira. Mesmo alguns bancos fizeram-no tardiamente. Mas foi nas empresas de construção civil onde foi notório o absentismo dos trabalhadores.

    As medidas de segurança no centro de Luanda eram bem visíveis, com a presença em ostensiva de forças policiais empenhadas em evitar qualquer aglomeração popular. Logo depois da meia-noite, a polícia fez algumas detenções em Luanda. Em Cabinda, o cenário foi idêntico, com alegações de tortura dos detidos.

    Ana Margoso, jornalista angolana
    Ana Margoso, jornalista angolana

    Este dia que vale lembrar, começou com a detenção de 20 pessoas na praça da independência, local indicado para concentração dos manifestantes, era meia noite e trinta.

    Entre as pessoas detidas em Luanda - posteriormente libertadas -encontravam-se três jornalistas, entre os quais Ana Margoso, do “Novo Jornal,” que estava no local para fazer a cobertura do programa manifestação. Aquela repórter contou à VOA que foi “violada emocionalmente “ pelas autoridades, que acederam às mensagens que tinha no seu telemóvel, querendo saber de quem era as pessoas com quem a jornalista se relacionava, pessoas ligadas à oposição.

    A polícia, que obrigou os detidos a sentarem-se no chão, perguntou a Ana Margoso o que ela pensava pessoalmente da manifestação anti-governamental de 7 de Setembro. A jornalista disse que não estava ali para dar a sua opinião pessoal, mas para fazer uma reportagem factual.

    A propósito, o advogado angolano Fernandes Nascimento considerou que as detenções da madrugada de segunda-feira foram ilegais à luz das leis do país.

    A liderança do MPLA na manifestação de sábado
    A liderança do MPLA na manifestação de sábado

    Outro dos detidos, que a VOA ouviu, identificou-se como apoiante da manifestação de protesto, mas identificou-se apenas como Jovem Carbono. Na sua opinião, o povo angolano tem uma grande vontade de se expressar em função de “uma profunda necessidade de mudança” há muito existente entre os angolanos.

    Apesar da manifestação de 7 de Março ter sido abortada, este jovem está convicto de que “haverá, em breve, uma nova oportunidade” do povo se pronunciar.

    Jovem manifestante esteve preso e conta o sucedido

    A Sul de Luanda, na estrada para Sumbe, o trânsito seguia mais "sonolento" do que seria habitual numa segunda-feira, com mais carros a sair da capital do que aqueles seguiam em direcção contrária. O repórter da VOA encontrou alguma renitência em obter  comentários políticos dos cidadãos que interpelou. As pessoas preferiam, visivelmente, falar das festividades do Carnaval do que de manifestações contra o governo de Luanda.

    A situação a Sul de Luanda vista por Faustino Diogo

    Cabinda acordou, segunda-feira, sob fortes medidas de segurança com alguns agentes à paisana dispersos por toda a capital daquele território, para impedir qualquer tentativa de manifestação. Quatro pessoas foram presas e há alegações que um dos detidos terá sido torturado.

    Apesar disso, em Cabinda a agitação social não surge apenas em virtude do alargado período de governação do MPLA. O contexto particular do enclave tem mobilizado os cabindenses sobretudo jovens, para manifestações contra a presença angolana, não do pelas razões política, mas pela crise existente a vários níveis, nomeadamente gerando desemprego, miséria e desenvolvimento pouco visível, se comparado com o que se faz em outros pontos de Angola.

    Quatro cidadãos foram, entretanto, detidos logo pela manhã suspeitos de terem pretendido ir para a rua manifestar-se.

    O clima é ainda de intimidação segundo o activista cívico Marcos Mavungo, que denunciou as vicissitudes porque que passou Agostinho Chicaia, presidente da extinta Mpalabanda - Associação Cívica de Cabinda.

    Aquele indivíduo, actualmente a coordenar o projecto transfronteiriço de protecção da floresta do Maiombe, foi impedido de seguir viagem para a região de Ponta Negra, na Republica do Congo Brazaville, e faz um relato detalhado à VOA.

    A situação em Cabinda

    O forúm foi encerrado
    Comentários
         
    Năo existem comentários. Seja o primeiro

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Acesso à Internet em Maputo: Mulheres vs Homens - Que soluções?i
    || 0:00:00
    ...  
     
    X
    07.02.2016 06:49
    Fernanda Lobato aponta as dificuldades que as mulheres moçambicanas enfrentam no acesso à tecnologia, à saúde, a bens essenciais
    Vídeo

    Vídeo Acesso à Internet em Maputo: Mulheres vs Homens - Que soluções?

    Fernanda Lobato aponta as dificuldades que as mulheres moçambicanas enfrentam no acesso à tecnologia, à saúde, a bens essenciais
    Vídeo

    Vídeo Filhos de Jonas Savimbi levam empresa de jogo Call of Duty a tribunal

    Em causa está um milhão de dólares de indemnização por danos morais Entrevista dada à AFP
    Vídeo

    Vídeo Como Chegar à Casa Branca II

    O caminho para a Casa Branca depende de muitos factores Um deles é sem dúvida o financiamento - quanto mais dinheiro tiver, melhor para o candidato Este é o 2º vídeo que explica como decorre a campanha presidencial nos Estados Unidos até ao dia da eleição do Presidente
    Mais Vídeos