terça-feira, 09 fevereiro, 2016. 15:45 UTC

    Notícias / Mundo

    Nigerianas são a presa fácil da prostituição africana na Europa

    Com promessas de empregos lucrativos milhares de africanas descobrem ao chegar a Europa o pesadelo que lhes agurada e por receios de represálias acabam como escravas sexuais

    Grace Osakue é presidente de uma ONG (Girls Power Initiative) e tem trabalhado em sensibilizações contra o tráfico sexual na Nigéria
    Grace Osakue é presidente de uma ONG (Girls Power Initiative) e tem trabalhado em sensibilizações contra o tráfico sexual na Nigéria

    Artigos relacionados

    Heather Murdock
    Dezenas de milhares de nigerianas são forçadas a escravidão sexual na Europa e sentem-se presas a trabalhar como prostitutas e fazem-no sob a crença da magia negra.

    As que conseguiram se escapar afirmam que viajaram para a Europa com promessas de empregos lucrativos.
     
    Mesmo não se acreditando no feitiço, não há como negar a influência da feitiçaria nas mais elevadas instâncias do poder na Nigéria.

      Precious Uyinmwen é natural do Estado do Edo, donde é originária a maior parte de prostitutas nigerianas na Europa. Um belo dia, ela foi abordada por traficantes que lhe disseram que os seus irmãos mais novos poderiam viver melhor – fora da pobreza – se ela aceitasse uma proposta de emprego na Europa. Um curandeiro tradicional encarregou-se pelo resto ou seja preparou-lhe um juramento – nada mais que um acto de exorcismo.

    Ela jurou que iria pagar 45 mil dólares, um valor que no seu entender seria igual a 45 mil Nairas nigerianas, o equivalente a 220 dólares. Foi ainda alertada que no caso de quebrar o juramento ela iria morrer.

    “Eles levaram-me para um curandeiro para consultar o oráculo e foi-me dito que nunca os deveria implica-los em nada. E devia fazer de tudo para pagar aquele valor em dinheiro. Foi esse o acordo.”

    Tal como outras vítimas do tráfico sexual, Precious diz que não sabia que partiria para a Europa a fim de se prostituir. Conta que zangou-se e gritou para os seus mentores quando foi despachada para serviço com um estranho. E sempre que recusa-se batiam-na com colher de metal.

    Florence Igbinigie é uma antiga comissária para Assuntos da Mulher no Estado do Edo e diz que os efeitos a longo prazo da violência sexual são devastadores.

    “Algumas dessas raparigas, acabam por morrer. Outras acabam por abraçar o vício de tal forma que torna prática social ou outra coisa qualquer.”

    O governo e as organizações de ajuda estão a conduzir há anos campanhas de sensibilização, contudo, num estado de profunda pobreza, a promessa de riqueza numa outra terra acaba por ser sempre mais poderosa.

    Uma responsável de uma organização feminista diz que as vezes quando as campanhas tiverem efeito sobre as jovens que conseguem contactar, os traficantes mudam de alvo e começam, a cortejar outras.

    O governo está a trabalhar no sentido de adoptar leis mais rígidas contra o tráfico sexual, incluindo a criminalização daqueles que forçarem as jovens a juramentos antes de serem lançadas no mundo da prostituição.
    O forúm foi encerrado
    Comentários
         
    Năo existem comentários. Seja o primeiro

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Manchetes Mundo 8 Fevereiro 2016i
    X
    08.02.2016 20:00
    Vídeo

    Vídeo Como Chegar à Casa Branca #3

    Debates e sondagens à opinião pública - é uma azáfama constante entre os candidatos e até canais de televisão. Este é o 3º vídeo que explica como decorre a campanha presidencial nos Estados Unidos até ao dia da eleição do Presidente
    Vídeo

    Vídeo Acesso à Internet em Maputo: Mulheres vs Homens - Que soluções?

    Fernanda Lobato aponta as dificuldades que as mulheres moçambicanas enfrentam no acesso à tecnologia, à saúde, a bens essenciais
    Mais Vídeos