sexta-feira, 01 agosto, 2014. 07:47 UTC

Notícias / Mundo

NATO faz ultimato à Síria enviando sistema antimíssil para a Turquia

A Turquia pediu a ajuda da NATO depois de bombardeamentos da força aérea síria junto à fronteira terem atingido partes do território turco.

Redacção VOA
O secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, afirmou que a sua organização vai autorizar o envio de um sistema de defesa antimíssil para a Turquia nas próximas semanas.

Prossegue entretanto a violência na Síria e aumenta a preocupação de que o governo de Damasco possa recorrer a armas químicas.

Rasmussen fez tais declarações na sequência de uma série de encontros com ministros dos negócios estrangeiros da Aliança Atlântica e também com o chefe da diplomacia russa.


Rasmussen afirmou que a NATO “demonstrará a sua determinação em contrariar quaisquer ameaças contra a fronteira sudeste da Aliança”. A região em questão é a fronteira entre a Turquia e a Síria.

A Turquia pediu a ajuda da NATO depois de bombardeamentos da força aérea síria junto à fronteira terem atingido partes do território turco.

A NATO deverá enviar baterias de defesa antimíssil “Patriot” para o sudeste da Turquia. Aquele sistema destina-se apenas a interceptar mísseis em pleno voo e não a atacar alvos no solo.

Apesar disso a Rússia manifesta sempre preocupação quando se trata de reposicionamento de mísseis da NATO, mesmo daqueles que têm características defensivas.

Rasmussen afirmou que tentou já tranquilizar o ministro russo dos negócios estrangeiros Sergei Lavrov e que continuará a fazê-lo durante a sua reunião com os ministros dos negócios estrangeiros da NATO: “ Trata-se de uma medida puramente defensiva. Não temos qualquer intenção de preparar operações ofensivas. Portanto o objectivo desta acção é garantir a defesa e a protecção eficazes da Turquia”.

Rasmussen considerou o arsenal de armas químicas da Síria como “uma questão de grande preocupação” que sublinha a urgência do envio do sistema de defesa antimíssil para a Turquia. Considerou também o uso de armas químicas como “totalmente inaceitável” acrescentando que o mesmo “suscitaria uma reacção imediata”.

Os ministros da NATO deverão igualmente debater a questão do Afeganistão. A esse respeito Rasmussen declarou que esperava que as forças de segurança afegãs estivessem totalmente preparadas para assumir a total responsabilidade pelo país até ao final de 2014 e reiterou que o papel da NATO passará a ser um papel de apoio e de treino das forças afegãs.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Poderoso de: No Ceu
07.12.2012 16:05
Rui Manuel, voce é inteligentissimo! Veja a vergonha deste mundo! Nao se confia mais nas autoridades. Rui Manuel ja reparou que a ONU está sem pronunciar? Veja tanta crimilidade que o Israel vem cometendo contra o Estado Palestino mas nao ha alternativas e nem se permite sancoes da ONU. Esta claro o abuso de poder no Mundo. Tenho a certeza que antes do fim do ano, Deus castigará duramente o continente Europeu e as suas armas poderosas ficarao sem disparar. Amem


por: Rui Manuel da Costa de: Bissau
05.12.2012 09:20
Estranhamente ouvi Rasmussen a dizer NATO irá enviar misseis "PETRIOTS" para Turkia,para proteger Sirios que brutalidade é essa. pergunto estes MIsseis não podem ser levadas também para proteger povo Palastiniano?
o que me parece NATO aos poucos está a transformar-se num movimento terrorista agindo sem pensar.


por: Anónimo
04.12.2012 23:29
O DESESPERO IMPLICA O DESESPERADO USAR ALTERNATIVAS PARA PROVOCAR UM CATACLISMO . A 3 GUERRA MUNDIAL PODE ACONTECER , A RELIGIAO , E A BASE DE GUERRAS NESTA ACTUALIDADE .OS OCIDENTAIS PENSAM Q GANHARAM A GUERRA FRIA MAS O Q PARECE OS RUSOS SE ESCONDEM ATRAS DO IRAO E ISLAMISMO PARA OBSERVAREM OS SEUS REMORSOS CONTRA O OCIDENTE , E FARAO A SURPRESA COMO FOI O SETEMBRO DE 2002

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos