segunda-feira, 15 setembro, 2014. 04:02 UTC

Notícias / Moçambique

Cólera agita ânimos em Nampula

Falta de informação sobre surto de cólera cria tensão naquela cidade moçambicana.

Faizal Ibramugy
Em Nampula, a polícia está a intensificar os contactos com a população de modo a conter os ânimos daqueles que estão a protagonizar actos de vandalismo contra secretários de bairros e grupos dinamizadores da Frelimo na sequência da onda crescente de desinformação sobre um surto de cólera.


As autoridades de saúde ao nível local, ainda não confirmaram oficialmente o número de pessoas afectadas pela cólera, mas a VOA sabe que um pouco por toda a cidade de Nampula, há pessoas a morrerem na sequência de diarreias e vómitos associados, o que leva a crer que se trata daquela doença.

A onda de desinformação sobre a origem da cólera em Nampula começou no passado dia 8 de Fevereiro corrente, quando populares da unidade comunal Palmeiras em Namicopo decidiram espancar e destruir residências dos secretários locais, alegando que aqueles estavam a propagar a doença. Cinco dias depois, ainda em Namicopo, foram registados novos incidentes, desta feita na unidade comunal de Saua-Saua. Já no último fim-de-semana, foi a vez de Namutequeliua.

Com as mesmas acusações, as populações espancaram secretários, destruíram seus bens, entre televisores e congeladores. Ao todo a polícia deteve, até agora, cerca de 17 indivíduos em conexão com o caso nas três zonas de Nampula.

O porta-voz da polícia diz que as campanhas em curso policia/comunidades visam evitar que a situação atinja um nível alarmante nos próximos dias. Segundo Inácio Dina, durante as campanhas, a polícia faz-se deslocar com o pessoal médico que tem a missão de explicar sobre a origem da cólera bem como a divulgação das medidas preventivas.

Recorde-se que no passado, devido as desinformação sobre a origem da cólera, foram mortos vários activistas da Cruz Vermelha afectos ao projecto de água e saneamento e agentes da polícia, principalmente em Mogincual e Angoche em Nampula, distritos propensos à eclosão da doença das mãos sujas. Eles eram acusados de estar a distribuir cólera nas comunidades. Em Nampula, ainda não há registos de mortes resultantes das agressões das populações.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Prostituição infantil em Nairobii
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
13.09.2014 03:03
Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Vídeo

Vídeo Prostituição infantil em Nairobi

Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 12 Setembro 2014

As noticias de Africa que fazem manchete
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 11 setembro 2014

Noticias da America em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 10 Setembro 2014

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 9 Setembro 2014

As notícias da America em vídeo
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 9 Setembro 2014

As notícias de África em vídeo
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 8 Setembro 2014

As imagens noticiosas de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 5 Setembro 2014

O que faz noticia em Africa
Vídeo

Vídeo Chegada de Dhalakama a Maputo

O presidente de Moçambique Armando Guebuza e o líder da Renamo Afonso Dhlakama subscreveram hoje, 5, os documentos que integram o acordo de paz, assinado na semana passada pelo Governo e pelo principal partido da oposição.
Mais Vídeos