domingo, 07 fevereiro, 2016. 08:22 UTC

    Notícias / Angola

    Namibe: Mulheres roubam cabritos em curral alheio para saciar a fome dos filhos.

    O roubo de animais nas comunidades autóctones “Mucubais”, é considerado normal quando praticado por homens à luz dos preconceitos culturais locais, e escandaloso, quando praticado por mulheres.

    Armando Chicoca
    O roubo de animais nas comunidades autóctones “Mucubais” do Namibe, é considerado normal quando praticado por homens, e escandaloso quando praticado por mulheres, à luz dos preconceitos culturais locais

    Segundo a religiosidade cultural local, os roubos de gado geralmente, têm sido fomentados pelos filhos dos criadores de gado que usam terceiros, para subtraírem, cabeças de gado bovino, caprino e ovino dos sambos ou currais de seus pais, em jeito de retaliação antecipada, aos actos de sucessão de riquezas pelos primos, no caso, sobrinhos ou filhos das irmãs dos progenitores.

    Também é comum a rapaziada “Mucubal” roubar manadas de bois, cabritos e ovelhas de criadores não naturais destas localidades, aquém chamam pelo nome de “embembe”, o que traduzido na língua portuguesa, significa gado de pessoas forasteiras ou estranhas na área.

    Mas, o mesmo não se pode dizer quanto ao fenómeno que hoje se assiste no interior da província, com realce na Comuna do Munhino, Município agro-pecuário da Bibala, onde mulheres, por iniciativa própria, já assaltam currais de cabritos e neles subtraem animais para fins de consumo doméstico.

    O caso mais recente e raro, aconteceu nos últimos dias, na periferia da sede da comuna do Munhino, onde três mulheres assaltaram o curral alheio e nele roubaram cabritos.

    Tal como o adágio popular, o crime não compensa, horas depois de estas mulheres terem abatido os animais roubados do sambo alheio, foram surpreendidas pelo soba Kapioneiro, que as deteve e levou-as seguidamente para a esquadra policial local e mais tarde levadas ao Ministério Público que legalizou a sua prisão, no Município da Bibala.

    “O tio Kapioneiro, soba, encontrou-me a dormir e acordou-me dizendo que nós tínhamos roubado cabritos, acordei e levei a bacia de carne do cabrito que roubámos até à Polícia e depois ficámos presas", explicou Mahamba.


    O Tribunal Municipal da Bibala, segundo as mulheres em causa, sentenciou-as na pena de indemnização dos referidos animais, em curto espaço de tempo sob pena de prisão efectiva.

    Manuela Joaquim Mahamba, com algumas dificuldades para conseguir restituir o animal roubado e abatido, jura de pés juntos que as aventuras de roubo de animais ficam para esquecer.

    “Não tenho família, a minha mãe já é falecida, não sei como fazer, juro por Deus. Até segunda-feira da próximo semana se não devolvermos os cabritos que matámos, vamos entrar na cadeia, segundo o juiz do Tribunal da Bibala”, esclareceu, Manuela Mahamba, solicitando apoio dos amigos e familiares para se livrar do pesadelo criminal.

    Gina João Mbaliatela, uma outra condenada a indemnizar o animal roubado, diz estar arrependida e por isso, as mulheres naquela localidade vão abster-se de mexer em coisas alheias.

    “Estamos a apelar a todas as mulheres para que ninguém mexa nas coisas alheias, pode ser galinha, porco, boi ou cabrito, Tykola, é perigoso, nós sofremos, dormir no chão, eu fui parar no hospital. Na cadeia há sofrimento”, exortou a sociedade feminina.

    A sociedade civil, reagindo, diz-se comovida com o cenário, mas imputa responsabilidades às autoridades governamentais que, na opinião de muitos, não há em Angola políticas que visem ajudar as famílias em extrema pobreza.

    “Porque é que o governo abastece fuba, arroz, óleo e feijão à população residente nas sedes de Municípios? As mulheres com filhos famintos nas aldeias e povoações não têm apoios, portanto, o que aconteceu é simplesmente fome, as mulheres agiram em defesa dos filhos, o governo é o grande culpado”, reagiu Maria Sofia.
    O forúm foi encerrado
    Comentário
    Comentários
         
    por: Nsumbula Matondo de: França
    16.01.2013 17:53
    Os governantes do meu país Angola tèm uma raefa dificil. Parece-me que a UNITA tinha razão no seu projecto de governaçao, que visava istitucionalizaçao do fundo do desemprego.

    Estamos perante a fome gritante e crise de valores morais. Ajudem esta franja da população, por favor, ela merece.


    por: Egidio Chaimite de: Maputo
    16.01.2013 15:56
    Namibia ou Angola?

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Acesso à Internet em Maputo: Mulheres vs Homens - Que soluções?i
    || 0:00:00
    ...  
     
    X
    07.02.2016 06:49
    Fernanda Lobato aponta as dificuldades que as mulheres moçambicanas enfrentam no acesso à tecnologia, à saúde, a bens essenciais
    Vídeo

    Vídeo Acesso à Internet em Maputo: Mulheres vs Homens - Que soluções?

    Fernanda Lobato aponta as dificuldades que as mulheres moçambicanas enfrentam no acesso à tecnologia, à saúde, a bens essenciais
    Vídeo

    Vídeo Filhos de Jonas Savimbi levam empresa de jogo Call of Duty a tribunal

    Em causa está um milhão de dólares de indemnização por danos morais Entrevista dada à AFP
    Vídeo

    Vídeo Como Chegar à Casa Branca II

    O caminho para a Casa Branca depende de muitos factores Um deles é sem dúvida o financiamento - quanto mais dinheiro tiver, melhor para o candidato Este é o 2º vídeo que explica como decorre a campanha presidencial nos Estados Unidos até ao dia da eleição do Presidente
    Mais Vídeos