quarta-feira, 02 setembro, 2015. 10:32 UTC

Notícias / Angola

Vendedoras de flores do Lubango facturam no Namibe em nome dos defuntos.

O dia 2 de Novembro, dedicado aos defuntos pelo mundo cristão foi vivamente observado pela população da província.

Armando Chicoca
O Dia 2 de Novembro, dedicado aos defuntos pelo mundo cristão católico e consequentemente feriado nacional em Angola, foi vivido com entusiasmo pela população da província.

A procura de flores para cada um dos citadinos brindar a campa de seus entes queridos, converteu-se numa jornada infernal, ao ponto de as poucas acácias rubras existentes na cidade do Namibe ficarem despidas.

A falta de cultura de plantação de flores por parte dos namibenses, veio justificar o vazio, mas mulheres vendedoras de flores provenientes da cidade do Lubango, província da Huila, salvaram a honra do convento.

Descobriram que no Namibe não há cultura de plantação de flores. Em nome dos defuntos, a venda de adornos é um negocio ocasional, mas que permite facturar bem em, vésperas do dia dos defuntos.

Alguns compradores confirmaram a apatia dos namibenses que ainda não aprenderam com as civilizações modernas, plantar flores, desconhecendo-se no entanto o negócio de flores.

Em torno do dia dos defuntos, varias queixas se levantam a volta dos jovens, acusados de vandalizar os lugares sagrados, entre os quais os cemitérios, que segundo vozes autorizadas, converteram-se em lugares de namoro, condução ilegal de viaturas e locais de drogas.

Alguns alunos, confirmam estarem a praticar tal vandalismo e justificam que os cemitérios são os melhores locais para a preparação de provas escolares. O silêncio dos defuntos ajuda a raciocinar melhor a matéria, dizem.

As meninas são as vozes mais discordantes da tese sustentada por rapazes, defendendo o respeito aos locais onde repousam os nossos entes queridos.

Alguns coveiros cujo trabalho é proceder o enterro dos que partem para o mundo da eternidade, reclamam salários condignos.

Diariamente procedem quatro funerais e o salário de dez mil kwanzas correspondentes a 100 dólares americanos, segundo os trabalhadores do cemitério do Calumbilo, não paga o trabalho prestado ao Estado.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorquei
|| 0:00:00
...  
🔇
X
02.09.2015 09:15
Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorque

Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Setembro 2015

Milahres dançam no festival tradicional suazi
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 1 Setembro 2015

Ben Carson, um novo Obama?
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (II): Joel Almeida e a visita à Estátua da Liberdade

Esta é a 2ª partilha de Joel e como seria de esperar Nova Iorque não é um lugar fácil. A ida à estátua da Liberdade provou ao Joel que um GPS pode ser tudo na vida.
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (I): Joel Almeida e a primeira aventura em Nova Iorque

Joel Almeida, de Cabo Verde, é designer de jogos e tem uma start-up. Participou no programa YALI por 6 semanas e dentro da mesma iniciativa está entre os 100 escolhidos para fazerem um estágio nos Estados Unidos durante 2 meses. Joel está em Nova Iorque e aceitou o desafio de nos contar os seus dias
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Pontão na ilha do Sal

Vídeo gentimente cedido por José Manuel da Cruz, retratando a força das ondas por consequência da passagem do furacão Fred
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Ilha do Sal

Vídeo gentilmente cedido por Carlos Chaves, no Sal, que sofre com a passagem do furacão Fred pela ilha
Mais Vídeos