sexta-feira, 24 outubro, 2014. 11:15 UTC

Moçambique

Maputo acredita que Samora Machel foi morto pelo apartheid

O inquérito à morte de Machel, num acidente de aviação, foi reaberto a pedido de Moçambique depois da queda do regime do apartheid na África do Sul

Presidente de Moçambique, Samora Machel, em 1984
Presidente de Moçambique, Samora Machel, em 1984
Simião Pongoane
O Governo moçambicano mantém-se calado mesmo depois do pronunciamento do antigo agente do apartheid, Hans Louw, assumindo o seu envolvimento na morte do Presidente Samora Machel há 26 anos.

O antigo agente disse ao semanário sul-africano Sowetan Sunday World que fez parte de uma equipa de reserva, armada com mísseis terra-ar, que seriam usados para matar Samora Machel caso o primeiro plano de fazer cair o avião presidencial através de engenho falhasse.


Hans Louw disse que participou igualmente na elaboração dos relatórios e trâmites burocráticos da morte de Samora Machel ocorrida em Outubro de 1986 no território sul-africano.

Depois da entrevista feita pelo semanário sul-africano na prisão onde o antigo agente cumpre pena por outros crimes, em Maputo, o filho de Samora Machel reagiu imediatamente, dizendo que as declarações do ex-agente eram encorajadoras para as investigações sobre a morte do seu Pai. Samora Machel Júnior falou para a agência noticiosa Lusa.

O Governo moçambicano não se pronuncia, porque o caso está sob alçada da Procuradoria-Geral da República.

O porta-voz da PGR, Angelo Matusse, confirma que uma equipa permanente da Procuradoria está a trabalhar com os sul-africanos na investigação das causas da morte do Presidente Samora.

“Não podemos falar de pistas-chave. Trata-se de uma investigação muito séria e não podemos adiantar detalhes sobre as pistas que estão sendo seguidas. Mas as duas equipas encontram-se sempre que for necessário e trabalham de forma permanente” – disse Ângelo Matusse à Televisão de Moçambique.

O Presidente Armando Guebuza entregou o dossier sobre a morte de Samora Machel à Procuradoria-Geral da República há cinco anos.

Do lado sul-africano, as informações começaram a sair a publico em Dezembro último, forçando a Procuradoria-Geral de Moçambique a quebrar o silêncio em torno do assunto, mas até agora ninguém está detido nos dois países.

Ângelo Matusse reconhece que o tempo vai matando alguns vestígios, mas garante que as duas equipas estão a trabalhar com base em todo o dossier tal como foi iniciado logo depois do acidente em 1986, mas até agora ninguém está detido em conexão com o caso.

O governo moçambicano acredita que Samora Machel foi vítima do regime do apartheid, mas uma comissão de inquérito formada na altura apontou erro dos pilotos soviéticos como causa da queda do avião presidencial.

O caso foi reaberto a pedido de Moçambique depois da queda do regime do apartheid que nunca assumiu o seu envolvimento na morte do Presidente Samora Machel.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Galeria de fotos Em Moçambique ganha a abstenção - Veja os resultados por província

Os dados fornecidos pelo CIP revelam que dos perto de 11 mil eleitores, apenas quatro mil votaram em Moçambique


Galeria de fotos Moçambique – Eleições 2014 Dhlakama, Nyusi e Simango

Resultados provisórios Dhlakama e Nyusi votaram em Maputo. Daviz Simango votou na Beira


Galeria de fotos Galeria de fotos do ouvinte Eleições Moçambique

Fotos enviadas pelos ouvintes da VOA que nos acompanham pelo WhatsApp +1 908 652 4584



Manifesto Eleitoral do MDM

Manifesto Eleitoral da RENAMO

Manifesto Eleitoral da FRELIMO