sexta-feira, 01 agosto, 2014. 11:51 UTC

Notícias / Moçambique

Maputo acredita que Samora Machel foi morto pelo apartheid

O inquérito à morte de Machel, num acidente de aviação, foi reaberto a pedido de Moçambique depois da queda do regime do apartheid na África do Sul

Presidente de Moçambique, Samora Machel, em 1984
Presidente de Moçambique, Samora Machel, em 1984
Simião Pongoane
— O Governo moçambicano mantém-se calado mesmo depois do pronunciamento do antigo agente do apartheid, Hans Louw, assumindo o seu envolvimento na morte do Presidente Samora Machel há 26 anos.

O antigo agente disse ao semanário sul-africano Sowetan Sunday World que fez parte de uma equipa de reserva, armada com mísseis terra-ar, que seriam usados para matar Samora Machel caso o primeiro plano de fazer cair o avião presidencial através de engenho falhasse.


Hans Louw disse que participou igualmente na elaboração dos relatórios e trâmites burocráticos da morte de Samora Machel ocorrida em Outubro de 1986 no território sul-africano.

Depois da entrevista feita pelo semanário sul-africano na prisão onde o antigo agente cumpre pena por outros crimes, em Maputo, o filho de Samora Machel reagiu imediatamente, dizendo que as declarações do ex-agente eram encorajadoras para as investigações sobre a morte do seu Pai. Samora Machel Júnior falou para a agência noticiosa Lusa.

O Governo moçambicano não se pronuncia, porque o caso está sob alçada da Procuradoria-Geral da República.

O porta-voz da PGR, Angelo Matusse, confirma que uma equipa permanente da Procuradoria está a trabalhar com os sul-africanos na investigação das causas da morte do Presidente Samora.

“Não podemos falar de pistas-chave. Trata-se de uma investigação muito séria e não podemos adiantar detalhes sobre as pistas que estão sendo seguidas. Mas as duas equipas encontram-se sempre que for necessário e trabalham de forma permanente” – disse Ângelo Matusse à Televisão de Moçambique.

O Presidente Armando Guebuza entregou o dossier sobre a morte de Samora Machel à Procuradoria-Geral da República há cinco anos.

Do lado sul-africano, as informações começaram a sair a publico em Dezembro último, forçando a Procuradoria-Geral de Moçambique a quebrar o silêncio em torno do assunto, mas até agora ninguém está detido nos dois países.

Ângelo Matusse reconhece que o tempo vai matando alguns vestígios, mas garante que as duas equipas estão a trabalhar com base em todo o dossier tal como foi iniciado logo depois do acidente em 1986, mas até agora ninguém está detido em conexão com o caso.

O governo moçambicano acredita que Samora Machel foi vítima do regime do apartheid, mas uma comissão de inquérito formada na altura apontou erro dos pilotos soviéticos como causa da queda do avião presidencial.

O caso foi reaberto a pedido de Moçambique depois da queda do regime do apartheid que nunca assumiu o seu envolvimento na morte do Presidente Samora Machel.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos