quinta-feira, 23 outubro, 2014. 10:06 UTC

Moçambique

Moçambique: Lei da probidade pública entra em vigor

Todos os funcionários públicos moçambicanos são abrangidos pela nova lei.

   Taibo Mucobora, procurador-geral adjunto de Moçambique
Taibo Mucobora, procurador-geral adjunto de Moçambique
Francisco Júnior
Em Moçambique, a lei que estabelece as bases e o regime jurídico relativo à moralidade e ao respeito pelo património público entra em vigor dia 15 de Novembro.

A lei da Probidade Pública visa acabar com situações de conflito de interesses e prevê o alargamento da obrigatoriedade da declaração de bens dos dirigentes do aparelho do estado em Moçambique.

A nova lei aplica-se a membros do governo, deputados da Assembleia da República, juízes, procuradores, a todos os níveis, membros da administração do estado, membros dos governos provinciais, distritais e locais e ainda dos municípios.



São todos os servidores públicos, afectos aos mais diversos níveis orgânicos, que lidam com os serviços e com o património público, que são abrangidos pela denominada lei de Probidade Pública, aprovada pelo parlamento e promulgada pelo chefe de estado moçambicano.

Com a sua entrada em vigor, vários deputados da Assembleia da República, maioritariamente da bancada do partido no poder, Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) terão de optar entre a função e os cargos que ocupam em empresas, uma vez que essa acumulação passa a ser ilegal.

De acordo com a Procuradoria da República o diploma pretende defender os interesses da maioria da população face aos abusos de uma minoria.

A Lei da Probidade Pública vai elevar a transparência entre os servidores públicos, dado que aumentará o leque dos dirigentes do Estado obrigados a fazer a declaração pública dos seus bens, incluindo os directores provinciais, administradores distritais e titulares de órgãos municipais.

O instrumento vai permitir a consulta pelo público das declarações de bens dos servidores públicos, alterando o anterior regime, em que esses documentos eram apenas do conhecimento das instituições judiciais.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Heitor Vasco Fernandes de: Maputo
16.11.2012 13:20
É mais uma lei para encher se juntar a tantas outras que neste país existem e não são cumpridas. Essa lei só vai ser aplicada em caso excepcionais, contra funcionários menores para iludir o cidadão. A FRELIMO não tem ética nem civismo governativo. A corrupção atingiu níveis alarmantes que não deixam espaço para a ética de governação.


por: Pantera-Negra de: Luanda-Angola
14.11.2012 14:22
Lei da Probidade Pública, Tolerância Zero, etc, etc... manos já vi esse filme em Angola minha pátria, sabem no que deu??? EM NADA mas, vale a pena tentar, esses políticos da treta pensam ser maiores e melhores que os outros.

Haver vamos, boa sorte irmãos.

Galeria de fotos Em Moçambique ganha a abstenção - Veja os resultados por província

Os dados fornecidos pelo CIP revelam que dos perto de 11 mil eleitores, apenas quatro mil votaram em Moçambique


Galeria de fotos Moçambique – Eleições 2014 Dhlakama, Nyusi e Simango

Resultados provisórios Dhlakama e Nyusi votaram em Maputo. Daviz Simango votou na Beira


Galeria de fotos Galeria de fotos do ouvinte Eleições Moçambique

Fotos enviadas pelos ouvintes da VOA que nos acompanham pelo WhatsApp +1 908 652 4584



Manifesto Eleitoral do MDM

Manifesto Eleitoral da RENAMO

Manifesto Eleitoral da FRELIMO