quarta-feira, 23 abril, 2014. 23:30 UTC

Notícias / Moçambique

Moçambique: Lei da probidade pública entra em vigor

Todos os funcionários públicos moçambicanos são abrangidos pela nova lei.

   Taibo Mucobora, procurador-geral adjunto de Moçambique
Taibo Mucobora, procurador-geral adjunto de Moçambique
Tamanho das letras - +
Francisco Júnior
Em Moçambique, a lei que estabelece as bases e o regime jurídico relativo à moralidade e ao respeito pelo património público entra em vigor dia 15 de Novembro.

A lei da Probidade Pública visa acabar com situações de conflito de interesses e prevê o alargamento da obrigatoriedade da declaração de bens dos dirigentes do aparelho do estado em Moçambique.

A nova lei aplica-se a membros do governo, deputados da Assembleia da República, juízes, procuradores, a todos os níveis, membros da administração do estado, membros dos governos provinciais, distritais e locais e ainda dos municípios.



São todos os servidores públicos, afectos aos mais diversos níveis orgânicos, que lidam com os serviços e com o património público, que são abrangidos pela denominada lei de Probidade Pública, aprovada pelo parlamento e promulgada pelo chefe de estado moçambicano.

Com a sua entrada em vigor, vários deputados da Assembleia da República, maioritariamente da bancada do partido no poder, Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) terão de optar entre a função e os cargos que ocupam em empresas, uma vez que essa acumulação passa a ser ilegal.

De acordo com a Procuradoria da República o diploma pretende defender os interesses da maioria da população face aos abusos de uma minoria.

A Lei da Probidade Pública vai elevar a transparência entre os servidores públicos, dado que aumentará o leque dos dirigentes do Estado obrigados a fazer a declaração pública dos seus bens, incluindo os directores provinciais, administradores distritais e titulares de órgãos municipais.

O instrumento vai permitir a consulta pelo público das declarações de bens dos servidores públicos, alterando o anterior regime, em que esses documentos eram apenas do conhecimento das instituições judiciais.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Heitor Vasco Fernandes de: Maputo
16.11.2012 13:20
É mais uma lei para encher se juntar a tantas outras que neste país existem e não são cumpridas. Essa lei só vai ser aplicada em caso excepcionais, contra funcionários menores para iludir o cidadão. A FRELIMO não tem ética nem civismo governativo. A corrupção atingiu níveis alarmantes que não deixam espaço para a ética de governação.


por: Pantera-Negra de: Luanda-Angola
14.11.2012 14:22
Lei da Probidade Pública, Tolerância Zero, etc, etc... manos já vi esse filme em Angola minha pátria, sabem no que deu??? EM NADA mas, vale a pena tentar, esses políticos da treta pensam ser maiores e melhores que os outros.

Haver vamos, boa sorte irmãos.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Morte de dançarino da Globo culmina em protestos violentos no Brasili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
23.04.2014 18:02
Mais Vídeos