sexta-feira, 01 agosto, 2014. 13:52 UTC

Notícias / Moçambique

Moçambique: Transformando armas em arte

As esculturas atraíram a atenção internacional, tendo peças sido expostas em galerias de arte em Nova Iorque, Osaka, Japão, Londres e outras cidades.

— Em Moçambique, artistas moçambicanos, como Gonçalo Mabunda, transformam armas usadas na guerra civil em objectos de arte.

As esculturas atraíram a atenção internacional, tendo peças sido expostas em galerias de arte em Nova Iorque, Osaka, Japão, Londres e outras cidades.

A Fundação Clinton e o Vaticano compraram algumas das esculturas de Mabunda, as quais foram objecto de uma extensa reportagem no jornal norte-americano The Washington Post.

O projecto, lançado em 1995 pelo Conselho Cristão de Moçambique, tinha dois objectivos: levar a paz e a reconciliação à população dividida do país e para desarmar milhares de combatentes que participaram na guerra, que matou mais de um milhão de pessoas. Agora, duas décadas depois de um acordo de paz ter sido assinado, o projecto continua relevante como sempre. Enquanto o fosso entre ricos e pobres aumenta e homens de negócios lutam através de ligações politicas pelas riquezas minerais. Muitos moçambicanos receiam que a violência possa ser usada para rectificar desigualdades e avançar ambições políticas.

As tensões também estão a crescer entre facções políticas. No mês passado, o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, regressou à mata, com 800 guerrilheiros armados. De acordo com a imprensa, Dhlakama acusa o governo de não ir ao encontro dos seus pedidos, que incluem a integração de mais antigos guerrilheiros seus nas forças armadas moçambicanas e partilhar o controlo das novas riquezas descobertas no país.

Desde o seu início, o projecto já colocou dezenas de milhares de armas fora de circulação. Este ano, recolheu 600 armas, na sua maioria espingardas de guerra Kalashnikov, vulgarmente conhecidas por AK-47. Em troca pelas armas, o Conselho Cristão de Moçambique dá bicicletas, arados e outas alfaias agrícolas e máquinas de costura.

As armas são levadas para Maputo e entregues a escultores como Mabunda, que as tornam em símbolos artísticos de paz. O projecto, de acordo com o seu director adjunto, Nicolau Luís, vai continuar enquanto tiver fundos. Actualmente os fundos são fornecidos por uma ONG japonesa assim como por umas poucas igrejas dos Estados Unidos.

Para Nicolau Luís, o seu sonho é que um dia não haja quaisquer armas ilegais em Moçambique.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos