quinta-feira, 30 outubro, 2014. 22:52 UTC

Moçambique

Subsídios atrasados podem conduzir a greve da saúde na Zambézia

Médicos e enfermeiros queixam-se que estão há dois meses sem os subsídios, mas recusam em falar abertamente sobre a eventualidade convocação da greve

Maputo
Maputo
Simião Pongoane
Pessoal da Saúde na Zambézia está descontente por causa do atraso do pagamento de subsídio de turno que se arrasta há dois meses.

O subsídio atrasado afecta enfermeiros e técnicos de medicina em todos os distritos da província da Zambézia, a segunda mais populosa de Moçambique depois de Nampula.

O pessoal afectado, que por enquanto evita dar cara e voz à comunicação social, fala em pelo menos embarcar numa greve silenciosa.

A fúria do pessoal da Saúde tem sido descarregada sobre os doentes que recorrem às unidades sanitárias do sector público, em forma de mau atendimento ou cobranças ilícitas.As autoridades centrais da Saúde estão sob alerta, mas ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Entretanto, no Hospital Central de Maputo mais de três mil pessoas morreram entre Janeiro e Setembro deste ano de um total de 43 mil doentes atendidos no mesmo período.

Segundo o Director-Geral do maior hospital do País, João Fumane, a maior parte dos doentes morreu de SIDA e de hipertensão arterial primária.

“Temos que ter consciência de que a nossa saúde é um bem precioso que devemos cuidá-lo. Os factores de tensão arterial são conhecidos: consumo de cigarro, sal em excesso na comida, sedentarismo e stress. É preciso que vejamos a nossa tensão, através de controlo regular e permanente. Não é necessário que seja no Hospital Central de Maputo, porque noutras unidades sanitárias há condições para a medição da tensão arterial. Sabe que 50 por cento das pessoas que apanham AVC (Acidente Vascular Cerebral), vulgarmente conhecido por Trombose, perdem a vida a caminho de hospital”- disse João Fumane

O Hospital Central de Maputo, considerado o segundo maior de África, depois do Baragwanath, na África do Sul, funciona com trezentos médicos e 600 enfermeiros, mas o seu Director-Geral diz que este número representa metade dos profissionais necessários para providenciar melhor atendimento ao público.

Com a expansão do sector privado de saúde em Moçambique, as unidades sanitárias do sector público estão a perder profissionais.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao de: Beira
20.11.2012 20:18
Bem disse "Com a expansão do sector privado de saúde em Moçambique, as unidades sanitárias do sector público estão a perder profissionais…" problema se reside na baixa remoneracao, o que significa que o estado nao pode competir com outro sector... aliciem os profissionais pois poucos desertarao em busca do que o nao estado da, gestores melhorem a situacao para os sectores de educacao

Galeria de fotos Em Moçambique ganha a abstenção - Veja os resultados por província

Os dados fornecidos pelo CIP revelam que dos perto de 11 mil eleitores, apenas quatro mil votaram em Moçambique


Galeria de fotos Moçambique – Eleições 2014 Dhlakama, Nyusi e Simango

Resultados provisórios Dhlakama e Nyusi votaram em Maputo. Daviz Simango votou na Beira


Galeria de fotos Galeria de fotos do ouvinte Eleições Moçambique

Fotos enviadas pelos ouvintes da VOA que nos acompanham pelo WhatsApp +1 908 652 4584



Manifesto Eleitoral do MDM

Manifesto Eleitoral da RENAMO

Manifesto Eleitoral da FRELIMO