domingo, 26 abril, 2015. 17:12 UTC

Notícias / África

Militares malianos forçam Primeiro-ministro interino a demitir-se

A saída de Diarra não foi um golpe de estado já que o presidente Traore se mantêm em funções

Primeiro Ministro Cheikh Modibo Diarra
Primeiro Ministro Cheikh Modibo Diarra
Anne Look
No Mali o primeiro-ministro interino demitiu-se de funções após ter sido detido por militares leais à junta que derrubou, em Março passado, o governo eleito daquela nação africana.

O exército maliano, ou pelo menos parte dele, voltou a assumir assuntos de Estado.


Soldados prenderam o antigo Primeiro-ministro interino, Cheike Modibo Diarra, na sua residência, quando se preparava para partir para França.

Horas mais tarde Diarra resignava, através da televisão, do cargo, tendo falado inicialmente em Bambara e depois em Francês, parecendo estar a ler a partir de uma declaração preparada.

Diarra afirmou que ele, e o seu gabinete se demitiam no interesse da paz. Pediu desculpa a todos os malianos que sofrem com a crise. Agradeceu aos seus colaboradores e desejou boa sorte à nova equipa que lhe sucederá.

Não deu qualquer explicação para a demissão, e aparentemente permanece sob detenção domiciliária em local desconhecido.

O Mali continua a ser afectado pelo golpe militar de 22 de Março. Militantes ligados à al-Qaida ocuparam a metade norte do país, enquanto o sul continua envolvido numa luta pelo poder entre elementos civis e militares.

Um porta-voz da junta militar, Bakary Mariko, afirmou à Voz da América que Diarra teve de ser afastado por que estava a bloquear as instituições. Mariko acentuou que o governo interino não pode ter duas cabeças.

Segundo Mariko, o Mali não estava a falar com uma só voz, pois o presidente e o primeiro-ministro não estavam de acordo em nada.

A mesma fonte precisou que o primeiro-ministro tinha duas missões essenciais – libertar o Norte e organizar eleições transparentes.

Sublinhou ainda que o primeiro-ministro tinha um objectivo – tentar manter-se no poder e preparar a candidatura para as eleições.

Mariko acrescentou que a saída de Diarra não foi um golpe de estado já que o presidente Traore se mantem em funções.

Mariko acrescentou que a nomeação de um novo primeiro-ministro constitui a prioridade, já que terá de designar um novo gabinete e apresentar um plano para lidar com a crise no Norte.

Foram necessárias varias tentativas e meses de tensão para que os malianos chegassem a acordo em Agosto passado num governo de unidade nacional, formado então por Diarra.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos