domingo, 20 abril, 2014. 16:20 UTC

Notícias / África

Militares malianos forçam Primeiro-ministro interino a demitir-se

A saída de Diarra não foi um golpe de estado já que o presidente Traore se mantêm em funções

Primeiro Ministro Cheikh Modibo Diarra
Primeiro Ministro Cheikh Modibo Diarra
Tamanho das letras - +
Anne Look
— No Mali o primeiro-ministro interino demitiu-se de funções após ter sido detido por militares leais à junta que derrubou, em Março passado, o governo eleito daquela nação africana.

O exército maliano, ou pelo menos parte dele, voltou a assumir assuntos de Estado.


Soldados prenderam o antigo Primeiro-ministro interino, Cheike Modibo Diarra, na sua residência, quando se preparava para partir para França.

Horas mais tarde Diarra resignava, através da televisão, do cargo, tendo falado inicialmente em Bambara e depois em Francês, parecendo estar a ler a partir de uma declaração preparada.

Diarra afirmou que ele, e o seu gabinete se demitiam no interesse da paz. Pediu desculpa a todos os malianos que sofrem com a crise. Agradeceu aos seus colaboradores e desejou boa sorte à nova equipa que lhe sucederá.

Não deu qualquer explicação para a demissão, e aparentemente permanece sob detenção domiciliária em local desconhecido.

O Mali continua a ser afectado pelo golpe militar de 22 de Março. Militantes ligados à al-Qaida ocuparam a metade norte do país, enquanto o sul continua envolvido numa luta pelo poder entre elementos civis e militares.

Um porta-voz da junta militar, Bakary Mariko, afirmou à Voz da América que Diarra teve de ser afastado por que estava a bloquear as instituições. Mariko acentuou que o governo interino não pode ter duas cabeças.

Segundo Mariko, o Mali não estava a falar com uma só voz, pois o presidente e o primeiro-ministro não estavam de acordo em nada.

A mesma fonte precisou que o primeiro-ministro tinha duas missões essenciais – libertar o Norte e organizar eleições transparentes.

Sublinhou ainda que o primeiro-ministro tinha um objectivo – tentar manter-se no poder e preparar a candidatura para as eleições.

Mariko acrescentou que a saída de Diarra não foi um golpe de estado já que o presidente Traore se mantem em funções.

Mariko acrescentou que a nomeação de um novo primeiro-ministro constitui a prioridade, já que terá de designar um novo gabinete e apresentar um plano para lidar com a crise no Norte.

Foram necessárias varias tentativas e meses de tensão para que os malianos chegassem a acordo em Agosto passado num governo de unidade nacional, formado então por Diarra.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 18 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
18.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Mais Vídeos