sábado, 25 abril, 2015. 04:15 UTC

Notícias / África

União Africana ao lado do novo primeiro-ministro do Mali

O Conselho para a Paz e Segurança da União Africana reuniu-se em Adis Abeba para discutir a perturbação vigente no Mali.

Novo primeiro-ministro do Mali, Diango Cissoko, e o presidente interino maliano, Dioncounda Traore.
Novo primeiro-ministro do Mali, Diango Cissoko, e o presidente interino maliano, Dioncounda Traore.
A União Africana condenou a intervenção militar no Mali mas apoiará um novo primeiro-ministro interino a quem pedirá para continuar os esforços para recuperar as regiões ocupadas do norte do país.

O Conselho para a Paz e Segurança da União Africana reuniu-se em Adis Abeba para discutir a perturbação vigente no Mali.

O director do Conselho para a Paz e Segurança, El Ghassim Wane, disse que a União Africana vai trabalhar com o novo primeiro-ministro interino maliano, Diango Cissoko:

“Assim como condenamos energicamente as condições sob as quais o primeiro-ministro foi obrigado a demitir-se, acreditamos também que devemos apoiar o novo primeiro-ministro e assisti-lo sob a autoridade do presidente interino para garantir uma vigilância absoluta sobre os militares.”

O primeiro-ministro Cheikh Modibo Diarra resignou na terça-feira depois da junta militar que liderou o golpe contra o governo em Março o ter prendido. Houve críticas internacionais sobre as circunstâncias em que Diarra teve de se demitir.

O Conselho para a Paz e Segurança da União Africana pediu depois ao novo primeiro-ministro Cissoko para continuar os esforços em curso da União Africana para estabilizar o Mali:

“Os esforços da União Africana no Mali giram em volta de três elementos chave. Um, decerto, é prosseguir as negociações entre grupos malianos desejosos de negociar dentro de princípios muito claros. O segundo é garantir que haja uma transição inclusiva no Mali. Terceiro elemento é a instalação da missão de apoio internacional liderada por africanos no Mali, AFISMA, para ajudar o Mali a recuperar as regiões ocupadas no norte do país e desmantelar redes terroristas e criminosas naquela parte do país.”

O Mali está numa situação crítica desde Março depois do presidente Amadou Toumani Touré ter sido derrubado por um golpe militar. Grupos militantes islâmicos ganharam então o controlo da parte norte do Mali.

A União Africana e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) apelaram ao Conselho de Segurança da ONU para aprovar uma força africana no Mali de 3300 efectivos para restaurar a estabilidade no Mali.
    
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos