domingo, 25 janeiro, 2015. 12:15 UTC

Notícias / Angola

Ratos gigantes ajudam a desminar Malanje

Os mamíferos roedores que podem ser encontrados em todo hemisfério sul de África, têm um o olfato admirável

Treino de rato para detetar explosivos
Treino de rato para detetar explosivos
Isaías Soares
Uma das tradicionais empresas estrangeiras de desminagem a trabalhar em Malanje, a Ajuda Popular da Noruega vai introduzir este ano em parceria com a APOPO, ratos gigantes gambianos de origem tanzaniana num projecto de um milhão de euros financiados pelo governo belga.

O programa, o primeira em Angola foi anunciado recentemente no sector do Quéssua, a 12 quilómetros a norte da cidade de Malanje, no centro de formação, detenção e desminagem onde 17 roedores foram apresentados às autoridades governativas locais, aos parceiros e jornalistas de diferentes órgãos de comunicação social.


A cerimónia coincidiu com o início da formação de 15 adestradores de ratos, cujos mamíferos roedores que podem ser encontrados em todo hemisfério sul de África, têm um o olfacto admirável.

O instrutor da Associação de Cães de Detenção de Explosivos e Narcóticos da Califórnia (CNCS), Roger Abrantes garantiu que os animais estão treinados para detectar explosivos com TNT.

“Os ratos já foram treinados na Tanzânia para detectar explosivos, em princípio TNT é que eles detectam o ingrediente principal das minas que temos no solo aqui em Angola”, esclareceu acrescentado “associando um som, que é um daquele instrumento que nós chamamos um clica, associamos isso com amendoim.

“E depois começamos a ensinar ao rato a associar o cheiro do TNT com o clica, por exemplo, o rato encontra o cheiro do TNT, mete o nariz no buraco onde está o cheiro do TNT nós imediatamente demos um som clica e o rato vem a correr para nós para lhe darmos o amendoim”, concluiu.

Igualmente biólogo contratado pela organização APOPO (Desenvolvimento de Tecnologia de Detenção de Minas) disse que os animais podem ser treinados durante um ano dependendo das condições de cada, assim os primeiros 17 que estão em Malanje têm uma capacidade de farejar uma área correspondente a  4 a 6 campos de futebol.

Para o chefe adjunto da missão da Bélgica em Luanda, Benjamim Sturwagen o dinheiro gasto vai ajudar muitas famílias as aldeias a recuperar as áreas que perderam durante o conflito armado.

“Estamos a ver que isto não é uma piada, é a realidade estamos aqui a ver um projecto que vai ter um impacto directo nas comunidades locais que foram devastadas pelas piores consequências da guerra, que ainda tem aqui”, precisou o diplomata afirmando que o montante disponibilizado pelo país é muito.

Segundo ele, a Bélgica tem os mesmos problemas (Primeira Guerra Mundial) que Angola enfrenta e actualmente nas fazendas do “oeste do nosso país temos o mesmo problema, cada ano estamos a encontrar 250 mil de explosivos”.

A vice-governadora para o sector político e social da província de Malanje, Alice Van-Dúnem garantiu que o executivo local não cruzará os braços para acções que livrem a região das minas e outros engenhos explosivos não detonados.

“Nós estamos abertos, comprometemo-nos em dar todo o apoio possível as organizações que estarão presentes aqui ao nível da nossa província”, disse.

O governo norte-americano financia igualmente as acções de desminagem da Ajuda Popular da Noruega na província de Malanje.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Pantera-Negra de: Luanda-Angola
23.11.2012 15:40
Simplesmente impressionante, os meus aplausos, aplausos e mais aplausos.

A mãe natureza colocou-nos tudo à nossa disposição, cabe-nos gerirmos da melhor maneira possível, reparem que os ratos são vistos como bichos extremamente horrorosos e repugnantes mas, está aí também muitos úteis e benéficos.

Quem diria hein.


por: Frederico Trigo de: Sao Paulo - Brasil
20.11.2012 18:57
É uma ideia e um trabalho simplesmente maravilhoso. Sinceros
parabens por essa atividade, todos serao recompesados por essa atitude explendida. Do fundo do coracao e da alma essa é
minha terra onde morei na Maxinde até 1962, que tantas lembrancas tenho.Alguem que seja do meu tempo, deve conhecer pelo meu sobrenome TRIGO, que tinhas as carreiras de Maximbombo para o Uije.
Saudades de querida Malange.
frederico Trigo

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegraçãoi
|| 0:00:00
...  
🔇
X
23.01.2015 20:54
Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegração

Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Vacinas para o Ebola

A pior crise do Ebola na historia do mundo entrou no segundo ano. Os cientistas estao a desenvolver uma vacina contra este virus mortal. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Janeiro 2015

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Janeiro 2015

As imagens das noticias africanas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Janeiro 2015

Imagens noticiosas afrcianas
Vídeo

Vídeo American Sniper: A história de um atirador americano que matou mais de 160 pessoas

Nomeado para o Oscar de Melhor Drama, o filme de Clint Eastwood baseia-se na história real de Chris Kyle, um oficial da Marinha americana que serviu no Iraque por quatro vezes como atirador profissional. O filme explora o efeito da guerra na psique humana
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 20 Janeiro 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos