quarta-feira, 02 setembro, 2015. 12:48 UTC

Notícias / África e Mundo

CASA-CE diz ser muito pouco, os 2,3 por cento do orçamento nacional previstos para Malanje

Partido da oposição considera que a província está a ser marginalizada no processo de redistribuição da riqueza angolana

Mais de 88 por cento do orçamento angolano destina-se a província de Luanda, dizem os responsáveis da CASA-CE
Mais de 88 por cento do orçamento angolano destina-se a província de Luanda, dizem os responsáveis da CASA-CE

Multimédia

Áudio
Isaías Soares
O secretário-executivo nacional da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), Leonel Gomes afirmou na conferência provincial daquela formação política em Malanje que a verba para esta região no Orçamento Geral do Estado (OGE) referente a 2013 é irrisória.

O político questionou-se se o montante vai suprir com as dificuldades para colocar a Malanje na plataforma do desenvolvimento.

“Do pacote global de 100 por cento de alocação de verbas para a cobertura das despesas necessárias ao desenvolvimento desta província, que jogou um papel impar na luta de libertação nacional e que infelizmente, por razões que não nos interessam escalpelizar aqui está a ser tida como marginal aos interesses nacionais no que toca a melhor redistribuição da riqueza nacional”, acrescentando “esta província fica apenas com 2,3 por cento de todo bolo”.

“Não sei se vai ser o bastante para cumprir com o pagamento de salários aos trabalhadores da nossa província”, interrogou-se.

Apenas a província de Luanda vai consumir cerca de 88 por cento do OGE, recordou o responsável que se mostra preocupado com o futuro dos angolanos nas outras circunscrições do país que votaram no partido maioritário.

“Não é preciso eu dizer muito mais para todos nós percebermos o que é que vai sobrar para as restantes províncias, miséria”, respondeu, mas continuou dizendo “e com miséria não haverá nunca desenvolvimento e com miséria não haverá nunca desenvolvimento, não haverá nunca a satisfação integral das nossas necessidades, não haverá nunca o fim das assimetrias regionais que infelizmente ainda grassam o nosso país”.

Na conferência onde os participantes elegeram 56 delegados ao congresso extraordinário da organização a decorrer de dois a quatro de Abril deste ano, dos quais 14 representantes da organização da mulher patriótica, igual número da juventude e 28 membros. Leonel Gomes confirmou que existe no seio da população angolana um sentimento de frustração.

A política do governo angolano que se propõe a colocar ponto final ao mercado informal marcado com a presença das chamadas “zungueiras”, repugna o partidário de Abel Chivukuvuku.

“O nosso executivo não ouviu o nosso clamor quando nós dissemos, que a maior parte do povo angolano vive e sustenta-se do mercado informal, porque nós ainda não temos uma cultura de emprego que prioriza o cidadão nacional e, fundamentalmente a juventude”, precisou.

Segundo ele, não foram ouvidos, “mas já estão a aplicar, aqui mesmo em Malanje estão a correr atrás das senhoras para acabar com o mercado informal, o que quer dizer, que a miséria vai ser pior duque o que era antes do dia 31 de Agosto do ano transacto”.

Secretário-executivo nacional da terceira força política mais votada nas eleições de 2012 em Angola, falando na conferência provincial, testemunhada por Boneca Velarinho, membro de direcção da mulher e do conselho de liberação nacional e pela secretária para organização da mulher patriótica, Ana Cristina.

Representes dos partidos MPLA, UNITA e da FNLA estiveram na sessão de abertura.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorquei
|| 0:00:00
...  
🔇
X
02.09.2015 09:15
Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorque

Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Setembro 2015

Milahres dançam no festival tradicional suazi
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 1 Setembro 2015

Ben Carson, um novo Obama?
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (II): Joel Almeida e a visita à Estátua da Liberdade

Esta é a 2ª partilha de Joel e como seria de esperar Nova Iorque não é um lugar fácil. A ida à estátua da Liberdade provou ao Joel que um GPS pode ser tudo na vida.
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (I): Joel Almeida e a primeira aventura em Nova Iorque

Joel Almeida, de Cabo Verde, é designer de jogos e tem uma start-up. Participou no programa YALI por 6 semanas e dentro da mesma iniciativa está entre os 100 escolhidos para fazerem um estágio nos Estados Unidos durante 2 meses. Joel está em Nova Iorque e aceitou o desafio de nos contar os seus dias
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Pontão na ilha do Sal

Vídeo gentimente cedido por José Manuel da Cruz, retratando a força das ondas por consequência da passagem do furacão Fred
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Ilha do Sal

Vídeo gentilmente cedido por Carlos Chaves, no Sal, que sofre com a passagem do furacão Fred pela ilha
Mais Vídeos