sexta-feira, 01 agosto, 2014. 05:44 UTC

Notícias / África

Vigilância nos médias para evitar a violência eleitoral no Quénia

Governo queniano criou orgão de supervisão de transmissões audio-visuais e tem seguido de perto as publicações na internet, como forma de acalmar as tensões em tempo eleitoral

Comício de William Ruto em Nairobi, Jan 12, 2013
Comício de William Ruto em Nairobi, Jan 12, 2013
Redacção VOA
Durante a crise e violência pós-eleitoral de 2007/2008 no Quénia, os discursos de insultos e ódios transmitidos em línguas nacionais pelas rádios e pela internet alimentaram as tensões étnicas.

Este ano o governo está a supervisionar a imprensa e ameaça recorrer ao tribunal contra s que transgredirem a lei.
 
Quando faltam menos de uma semana para as eleições presidenciais no Quénia, os supervisores da imprensa audiovisual acompanham de perto os discursos políticos que podem incitar a violência. A sociedade queniana está completamente ruinada por divisões étnicas, e a linha que separa o normal diálogo político e as retóricas inflamatórias do tempo da campanha eleitoral são tremidas.

As lições tiradas das eleições passadas, são inúmeras.

Joshua Arap Sang, um locutor de rádio em língua Kalenjin, espera pelo seu julgamento no Tribunal Penal Internacional de Haia – TPI. Sang é acusado de crimes contra a humanidade por ter “explicitamente revelado o desejo de expulsar os Kikuyus” de acordo com relatório do TPI.

David Mwangi, um taxista de Nairobi ouve a emissão de rádio em língua Kikuyu.

“Agora eles estão muito apavorados com o TPI.”

Mwangi acrescenta que os jornalistas das rádios estão aparentemente a apelar para eleições pacíficas, ao mesmo tempo que subtilmente vão fazendo acusações.

“Dizem-no indirectamente, não de forma directa. As pessoas que entendem a língua compreendem o que se está a passar. É indirecto, com provérbios. É muito camuflado e em segredo.”

No rescaldo das eleições passadas o Quénia criminalizou o chamado discurso de ódio e criou uma Comissão Nacional de Coesão e Integração – NCIC - para supervisionar e investigar alegados casos ódio público.

Kyalo Mwengi é director assistente do NCIC e diz que tanto ele como os seus colegas receberam queixas apresentadas contra estações de rádio em línguas locais.

“Essas são mensagens que contém insultos, ameaças e expressões orais abusivas que incitam a animosidade étnica.”

A comissão Nacional de Coesão e Integração também criou um departamento destinado a investigar crimes na internet, através das redes sociais pelo uso de mensagens incendiárias. Dezenas de infractores já foram identificados no Facebook, Twitter e em blogs. Pelo menos dois deles foram entregues ao ministério público e poderão ser condenados a penas de prisão.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos