terça-feira, 16 setembro, 2014. 11:23 UTC

Notícias / Angola

Depois da seca, arranca o ano agrícola na Huíla

Mais de uma centena de toneladas de sementes cerealíferos foram vão ser distribuídos aos agricultores na província

Plantação de batata na província da Huíla (Arquivo)
Plantação de batata na província da Huíla (Arquivo)

Multimédia

Áudio
Teodoro Albano
Sob os efeitos da estiagem a província da Huíla tem aberta a campanha agrícola 2012/13. O lançamento ocorreu  esta quarta-feira na Vila Branca em Caluquembe interior da Huíla.

As autoridades não falam em estimativas em termos de colheitas, mas preveem trabalhar seiscentos hectares de terras lançando sementes do milho, massango, massambala e o feijão.

As associações agrícolas fundamentais no êxito da campanha apesar das dificuldades, prometem produzir, depois de receberem do executivo insumos agrícolas;

“Comprometemo-nos incrementar neste ano agrícola o cultivo de todo o tipo de cereais que o solo desta região nos oferece com sucesso se de facto as quedas pluviométricas corresponderem.”

O Instituto de Desenvolvimento Agrário, IDA, garante que estão criadas as condições técnicas para mais um ano agrícola, anunciou o seu director provincial, Nginamau Luzayawo.

“Recebemos cerca de 80 toneladas de milho, 30 de massango e 30 de massambala e 10 de feijão para toda a província.”

As quantidades insuficientes de sementes constatadas deverão ser acrescentadas nos próximos dias, garantias do governo local e do ministério da agricultura.

Perante a estiagem que marcou forte a campanha agrícola 2011/12, o ministro da agricultura, Afonso Pedro Kanga, anunciou na Huíla, medidas em curso que visam a mitigação do fenómeno no futuro.

“Criar pontos de água, expansão da irrigação mas também proporcionar uma comercialização para podermos ter estoques de reserva alimentar. Estes aspectos serão vistos com maior atenção? Foram sempre vistos agora naturalmente há momentos em que as condições não estavam criadas, como sabe, estamos a estruturar todo um processo estamos a adquirir os meios e penso que também vamos ultrapassar esse grande desafio. A carência de chuvas que acontece em todos os países."

Governo angolano cria condições para abordar efeitos da estiagem que no sul do país deixa centenas de famílias a fome.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Prostituição infantil em Nairobii
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
13.09.2014 03:03
Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Vídeo

Vídeo Prostituição infantil em Nairobi

Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 12 Setembro 2014

As noticias de Africa que fazem manchete
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 11 setembro 2014

Noticias da America em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 10 Setembro 2014

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 9 Setembro 2014

As notícias da America em vídeo
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 9 Setembro 2014

As notícias de África em vídeo
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 8 Setembro 2014

As imagens noticiosas de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 5 Setembro 2014

O que faz noticia em Africa
Vídeo

Vídeo Chegada de Dhalakama a Maputo

O presidente de Moçambique Armando Guebuza e o líder da Renamo Afonso Dhlakama subscreveram hoje, 5, os documentos que integram o acordo de paz, assinado na semana passada pelo Governo e pelo principal partido da oposição.
Mais Vídeos