quinta-feira, 30 julho, 2015. 12:07 UTC

Dossiers Especiais / EUA 2012 Eleções

Supremo Tribunal reforçou influência dos grupos de interesses nas eleições

Os juízes americanos permitiram que as grandes empresas e associações empresariais se transformassem em activistas políticos, fazendo campanha pelos seus candidatos favoritos.

Milhões de eleitores americanos participaram na votação antecipada. O processo que dura várias semanas, é umas particularidades das eleições americanas que se realizam num dia útil da semana e sem observação de feriado ou de tolerância de ponto
Milhões de eleitores americanos participaram na votação antecipada. O processo que dura várias semanas, é umas particularidades das eleições americanas que se realizam num dia útil da semana e sem observação de feriado ou de tolerância de ponto

Multimédia

Áudio
Redacção VOA
Após anos de pesadas restrições legais, duas decisões do Tribunal Supremo suprimiram as barreiras no tocante ao financiamento e gastos nas eleições por grupos de interesses.

Elas estão a ter um notável impacto nas eleições presidenciais deste ano, como reporta Jeffrey Young da VOA num dos seus seguimentos sobre “como vota a América”.

A disputa para o controlo da Casa Branca não se limita apenas as campanhas dos candidatos presidenciais. Existem também grupos externos aos comités de candidatura que procuram influenciar os resultados das eleições. E nessas eleições presidenciais foram dados a esses grupos de interesses grandes espaços de acção e de influência.

O Tribunal Supremo decidiu dois casos em 2010 que mudou o panorama político americano. Os juízes concordaram com dois grupos – “Cidadãos Unidos” e “Discurso Agora” – que os regulamentos da Comissão Eleitoral Federal em vigor estavam contra a garantia da Primeira emenda da Constituição – no que toca a liberdade de expressão.

Mas a decisão do Tribunal abriu mais espaço de acção do que a simples liberdade de expressão, como explica a presidente da Comissão Eleitoral Federal, Cynthia Bauerly.

“Ela deitou abaixo, especificamente, a proibição imposta a financiamentos de corporações, delas fazerem propaganda eleitoral, ou gastos independentes em nome dos candidatos.”

A decisão do Tribunal Supremo afectou as leis e regulamentos que preveniam o controlo através de dinheiro do processo eleitoral por parte de empresas, sindicatos ou de indivíduos com poder financeiro. Essas novas regras ajudaram a criar os actualmente poderosos comités de acção política, conhecidos também sob a designação de “Super PACS” como realça o jornalista David Levinthal, do jornal Politico.

“O que mudou é que essas corporações, sindicatos e outros grupos de interesses especiais podem gastar tanto dinheiro o quanto quiserem a favor de novos tipos de organizações políticas que por sua vez podem gastar e angariar somas ilimitadas de dinheiro.”

Como tal, em Abril deste ano a campanha do candidato presidencial republicano Mitt Romney tinha anunciado a recolha de 86 milhões de dólares de contribuições. Ao mesmo tempo, um grupo de interesse pro-Romney o Super PAC “Restaurar o nosso Futuro” anunciava ter angariado outros cerca de 52 milhões de dólares.

Em termos comparativos, a candidatura do presidente Obama anunciou por sua vez que colectou 200 milhões de dólares na mesma altura do ano.

Os regulamentos federais estabelecem que esses PACS ou seja grupos de interesses não devem coordenar acções com as campanhas dos candidatos. Mas Peter Fenn, consultor político que trabalha para os Democratas diz que na prática a realidade é diferente.

“A maioria desses grupos chamados de independentes não é nada independente. Eles podem até não trabalhar sob ordens directas dos candidatos ou dos partidos, mas conhecem as questões em jogo. Eles são partes e parcelas da campanha.”

Enquanto alguns criticam a decisão do Tribunal Supremo e a influência crescente dos Super PACS, outros afirmam que ambos partidos – e esses comités políticos – têm iguais oportunidades para angariar fundos. E dizem mais, que os eleitores não serão influenciados por esses grupos externos.

Alguns observadores afirmam ainda que até ao dia das eleições, esses grupos de interesses poderão angariar e gastar mais dinheiro que os próprios comités de campanha dos candidatos, e que vão continuar a faze-lo no futuro.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 29 de Julho 2015i
|| 0:00:00
...  
🔇
X
29.07.2015 18:46
Vídeo

Vídeo Amy Winehouse - o filme

No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Marvel Comics lança um novo Homem-Aranha: Miles Morales

Seja em quadradinhos ou na tela do cinema, fãs estão acostumados a ver Peter Parker por trás do Homem-Aranha. Mas isto está a mudar. A Marvel Comics lançou Miles Morales para substituir Peter Parker em uma nova série de quadradinhos. Ele é metade latino e metado afro-americano e já é bem popular.
Mais Vídeos