domingo, 25 janeiro, 2015. 14:16 UTC

Notícias / Mundo

Estudo revela que crise económica afecta mais jovens do que adultos

A crise económica global afectou mais fortemente mulheres e raparigas, segundo um relatório divulgado no Reino Unido por organizações de direitos das crianças e de desenvolvimento.

A crise económica global afectou mais fortemente mulheres e raparigas, segundo um relatório divulgado no Reino Unido por organizações de direitos das crianças e de desenvolvimento.

O estudo feito pelas organizações Plan International e Overseas Development Institute, revela que a recessão económica aumentou a taxa de mortalidade infantil das meninas e pode explicar o aumento dos abusos sofridos pelas mulheres e mesmo o facto de elas passarem fome.

Segundo o documento, com o aumento da pobreza em consequência da estagnação, há um número cada vez mais elevado de famílias sem recursos que optam por tirar da escola as meninas mais velhas.

O estudo cita como um dos exemplos a região mineira de Copperbelt, na Zâmbia, em que o desespero das mulheres levou a se envolverem em relações sexuais desprotegidas, mesmo pelo dobro do preço.

Apesar do facto de que estas comunidades mineiras terem a maior prevalência de HIV no país, o número de mulheres jovens envolvidas no trabalho sexual aumentou rapidamente depois do início da crise, colocando muitas das meninas jovens e mulheres envolvidas em maior risco de contrair o HIV.

A conclusão do ensino primário caiu 29% entre as raparigas, comparado com os menos de 22% dos rapazes que não concluíram os estudos primários.

Segundo o relatório, muitas raparigas deixam de ir à escola para ajudar em casa, porque suas mães tinham que trabalhar mais horas fora de casa para compensar salários mais baixos.

A propósito deste relatório, a Voz da América ouviu, Adérito Tchiuca, coordenador de Associação Denominada Grupo Teatral Damba Maria (ADGTDM), uma associação que tem usado o teatro para a sensibilização a contra Sida em Benguela.

Tchiuca que desenvolve um projecto de apoio domiciliário e cuidados intensivos aos seropositivos, disse que apesar de Angola não ser fortemente afectada pela crise económica global, existem indicações de um aumento de infecções por HIV em raparigas e mulheres em função do retraimento da economia mundial.

Tchiuca diz que maior parte das ONGs locais que trabalham em campanha de sensibilização contra o HIV/Sida, deixaram de fazer as suas actividades porque os financiadores internacionais retiraram os seus apoios devido a crise económica.

Considera a pobreza em Angola como resultante da exclusão social e alerta para a existência de casos de pais que obrigam as crianças a trabalhar para ajudarem a manter a casa e elas acabam por se prostituir, sem terem nenhuma informação sobre as formas de prevenção contra doença.

O relatório aponta as raparigas como sendo o grupo mais marginalizado do mundo e afirma que a proporção de raparigas que morreu desde o início da crise global é cinco vezes mais elevado que a taxa de mortalidade dos rapazes, desde a mesma altura.

O presidente executivo da ONG de direitos das crianças Plan International, Nigel Chapman, um dos autores do estudo, falando à BBC referiu os dados de uma pesquisa do Banco Mundial em 59 países. Esses dados indicam que uma queda de 1% na actividade económica eleva a mortalidade infantil em 7,4 mortes por 1000 raparigas e de uma morte e meia por 1000 rapazes. Em muitos casos observou-se um aumento no número de casamentos de crianças quando se verifica a redução da actividade económica. "Famílias atingidas pela pobreza simplesmente não conseguiam alimentar todas essas bocas, então elas tentam casá-las mais cedo", disse Chapman.

Em casa, as raparigas e as mulheres muitas vezes comem menos para garantir que o chefe da família, responsável pelo "ganha-pão", tenha alimentação suficiente. Por outro lado, raparigas e mulheres sofrem mais negligência e abusos do que sofriam antes da crise.

Acrescenta que as raparigas e mulheres têm também menos acesso a serviços básicos e redes de segurança social. O relatório refere ainda que quando grávidas, elas recebem agora menos ajuda, deixando-as mais vulneráveis aos riscos que possam experimentar durante a gravidez.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegraçãoi
|| 0:00:00
...  
🔇
X
23.01.2015 20:54
Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegração

Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Vacinas para o Ebola

A pior crise do Ebola na historia do mundo entrou no segundo ano. Os cientistas estao a desenvolver uma vacina contra este virus mortal. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Janeiro 2015

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Janeiro 2015

As imagens das noticias africanas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Janeiro 2015

Imagens noticiosas afrcianas
Vídeo

Vídeo American Sniper: A história de um atirador americano que matou mais de 160 pessoas

Nomeado para o Oscar de Melhor Drama, o filme de Clint Eastwood baseia-se na história real de Chris Kyle, um oficial da Marinha americana que serviu no Iraque por quatro vezes como atirador profissional. O filme explora o efeito da guerra na psique humana
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 20 Janeiro 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos