quarta-feira, 29 julho, 2015. 22:00 UTC

Notícias / Mundo

Estudo revela que crise económica afecta mais jovens do que adultos

A crise económica global afectou mais fortemente mulheres e raparigas, segundo um relatório divulgado no Reino Unido por organizações de direitos das crianças e de desenvolvimento.

A crise económica global afectou mais fortemente mulheres e raparigas, segundo um relatório divulgado no Reino Unido por organizações de direitos das crianças e de desenvolvimento.

O estudo feito pelas organizações Plan International e Overseas Development Institute, revela que a recessão económica aumentou a taxa de mortalidade infantil das meninas e pode explicar o aumento dos abusos sofridos pelas mulheres e mesmo o facto de elas passarem fome.

Segundo o documento, com o aumento da pobreza em consequência da estagnação, há um número cada vez mais elevado de famílias sem recursos que optam por tirar da escola as meninas mais velhas.

O estudo cita como um dos exemplos a região mineira de Copperbelt, na Zâmbia, em que o desespero das mulheres levou a se envolverem em relações sexuais desprotegidas, mesmo pelo dobro do preço.

Apesar do facto de que estas comunidades mineiras terem a maior prevalência de HIV no país, o número de mulheres jovens envolvidas no trabalho sexual aumentou rapidamente depois do início da crise, colocando muitas das meninas jovens e mulheres envolvidas em maior risco de contrair o HIV.

A conclusão do ensino primário caiu 29% entre as raparigas, comparado com os menos de 22% dos rapazes que não concluíram os estudos primários.

Segundo o relatório, muitas raparigas deixam de ir à escola para ajudar em casa, porque suas mães tinham que trabalhar mais horas fora de casa para compensar salários mais baixos.

A propósito deste relatório, a Voz da América ouviu, Adérito Tchiuca, coordenador de Associação Denominada Grupo Teatral Damba Maria (ADGTDM), uma associação que tem usado o teatro para a sensibilização a contra Sida em Benguela.

Tchiuca que desenvolve um projecto de apoio domiciliário e cuidados intensivos aos seropositivos, disse que apesar de Angola não ser fortemente afectada pela crise económica global, existem indicações de um aumento de infecções por HIV em raparigas e mulheres em função do retraimento da economia mundial.

Tchiuca diz que maior parte das ONGs locais que trabalham em campanha de sensibilização contra o HIV/Sida, deixaram de fazer as suas actividades porque os financiadores internacionais retiraram os seus apoios devido a crise económica.

Considera a pobreza em Angola como resultante da exclusão social e alerta para a existência de casos de pais que obrigam as crianças a trabalhar para ajudarem a manter a casa e elas acabam por se prostituir, sem terem nenhuma informação sobre as formas de prevenção contra doença.

O relatório aponta as raparigas como sendo o grupo mais marginalizado do mundo e afirma que a proporção de raparigas que morreu desde o início da crise global é cinco vezes mais elevado que a taxa de mortalidade dos rapazes, desde a mesma altura.

O presidente executivo da ONG de direitos das crianças Plan International, Nigel Chapman, um dos autores do estudo, falando à BBC referiu os dados de uma pesquisa do Banco Mundial em 59 países. Esses dados indicam que uma queda de 1% na actividade económica eleva a mortalidade infantil em 7,4 mortes por 1000 raparigas e de uma morte e meia por 1000 rapazes. Em muitos casos observou-se um aumento no número de casamentos de crianças quando se verifica a redução da actividade económica. "Famílias atingidas pela pobreza simplesmente não conseguiam alimentar todas essas bocas, então elas tentam casá-las mais cedo", disse Chapman.

Em casa, as raparigas e as mulheres muitas vezes comem menos para garantir que o chefe da família, responsável pelo "ganha-pão", tenha alimentação suficiente. Por outro lado, raparigas e mulheres sofrem mais negligência e abusos do que sofriam antes da crise.

Acrescenta que as raparigas e mulheres têm também menos acesso a serviços básicos e redes de segurança social. O relatório refere ainda que quando grávidas, elas recebem agora menos ajuda, deixando-as mais vulneráveis aos riscos que possam experimentar durante a gravidez.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 29 de Julho 2015i
|| 0:00:00
...  
🔇
X
29.07.2015 18:46
Vídeo

Vídeo Amy Winehouse - o filme

No documentário, Amy, o realizador Asif Kapadia conta a história do nascimento e queda da super estrela do jazz Amy Winehouse. Usando filmes caseiros feitos por amigos e produtores de Amy, concertos, entrevistas públicas e sessões de gravações, Kapadia criou um retrato fantástico da cantora
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Marvel Comics lança um novo Homem-Aranha: Miles Morales

Seja em quadradinhos ou na tela do cinema, fãs estão acostumados a ver Peter Parker por trás do Homem-Aranha. Mas isto está a mudar. A Marvel Comics lançou Miles Morales para substituir Peter Parker em uma nova série de quadradinhos. Ele é metade latino e metado afro-americano e já é bem popular.
Mais Vídeos