domingo, 26 abril, 2015. 13:02 UTC

Notícias / África

François Hollande visita Mali e diz que intervenção francesa vai continuar

O presidente francês foi recebido como um herói na cidade nortenha de Timbuktu recentemente libertada dos militantes islamitas.

Redacção VOA
No último mês a França enviou aviões e cerca de 3 mil e 500 soldados para o Mali para ajudar o governo de Bamako a expulsar os militantes islamitas ligados à al Kaida que ocuparam o norte do país.

Visitando o Mali no fim-de-semana, o presidente francês, François Hollande, afirmou que as forças francesas não abandonarão o Mali enquanto a situação não estiver estabilizada e que as forças regionais estejam preparadas para lutar ao lado do exército maliano.

O presidente francês foi recebido como um herói no sábado na cidade nortenha de Timbuktu recentemente libertada dos militantes islamitas.

A visita de Hollande assinalou o termo daquilo que entidades oficiais consideraram como uma primeira fase, coroada de sucesso, da intervenção francesa no Mali: “ Os grupos terroristas estão enfraquecidos. Sofreram pesadas baixas mas não desapareceram. Portanto temos que continuar a persegui-los. A França permanecerá ao lado do Mali o tempo que for necessário, ou seja até que os africanos estejam prontos a substitui-nos. Mas até estaremos do seu lado até ao fim, até ao norte do Mali.”

Soldados do Chade e do Níger estão a ajudar as forças malianas e francesas a manterem a segurança nas zonas reconquistadas do norte, uma vasta zona do deserto do Saará.

Cerca de 8 mil soldados africanos estão a deslocar-se para o Mali, mas só deverão estar operacionais no final de Fevereiro. Analistas afirmam que essa força regional poderá então ser envolvida numa guerra de guerrilha para a qual nem ela nem o exército maliano estão preparados.

Mesmo as forças francesas tiveram que recorrer aos seus aliados para transportarem as suas tropas e os respectivos abastecimentos para o Mali, um país sem acesso ao mar.

Trata-se também de um país com vastas extensões de território e neste momento as colunas de abastecimento francesas demoram cinco dias a percorrer os mil e 200 Km que separam Bamako da recém-libertada cidade nortenha de Gao.

Este tipo de dificuldades logísticas com que as forças francesas se deparam deverão certamente multiplicar-se quando as forças africanas com menos preparação e equipamento começarem a actuar no terreno.

Muitos analistas no Mali afirmam que uma saída prematura das forças francesas do país poderia constituir um autêntico desastre.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos