sábado, 25 abril, 2015. 18:15 UTC

Notícias / África

Tensão sobe no Egipto

O líder egipcio colocou-se acima do poder judicial concentrando praticamente todos os poderes na presidência.

Redacção VOA
A tensão continua a subir no Egipto depois da decisão do presidente Mohamed Morsi de assumir poderes quase absolutos.

O presidente egípcio Mohamed Morsi está entretanto a efectuar conversações com os juízes do Supremo Tribunal que estão a tentar convence-lo a voltar atrás com a sua decisão.

O decreto presidencial da semana passada suscitou uma série de protestos por parte de activistas da oposição que continuam aliás acampados na Praça Tahrir em pleno centro do Cairo pelo quarto dia consecutivo para exigir que Morsi abandone a ideia.

Entretanto opositores e apoiantes do presidente convocaram para amanhã manifestações na capital egípcia.


Com a sua decisão o presidente Morsi colocou-se acima do poder judicial concentrando praticamente todos os poderes na presidência. Foi precisamente essa concentração de poderes que motivou a revolta popular de Janeiro do ano passado para derrubar o antigo presidente Hosni Mubarak.

No decreto Morsi afirma que as suas decisões não podem ser contrariadas pelos tribunais e impede também o ramo judicial de dissolver a câmara alta do parlamento assim como a assembleia que está encarregada de redigir a nova constituição egípcia.

O presidente afirma que o seu decreto não passa de uma medida temporária e que só estará em vigor até à eleição de um novo parlamento nos termos da revisão constitucional e acrescentou que a medida se destinava apenas a garantir a estabilidade do Egipto.

Contudo o processo de revisão constitucional está debaixo do controlo dos islâmicos da Irmandade Muçulmana e os liberais e outros reformadores temem que a nova lei fundamental do país seja redigida tendo por base a lei islâmica, a Sharia.

Enquanto isso aqui em Washington o  senador republicano John McCain considerou o decreto do presidente egípcio como inaceitável. Por seu lado o departamento de estado afirmou que a decisão de Morsi  é preocupante para muitos egípcios e para a comunidade internacional acrescentando  que uma das aspirações da revolução de 2011 era a de obter garantias de que o poder não seria exageradamente concentrado nas mãos de umas só pessoa ou instituição.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Rui Manuel da Costa de: Bissau
27.11.2012 10:23
é vergonhoso atitude do senhor Morsi. o ditador está a crecer, é bom para-lo. onde esta a dita comunidade internacional? onde esta a França?. o povo egipcio não pode tolerar mas ditador.
Mohamed Morsi fora.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos