quarta-feira, 20 agosto, 2014. 10:43 UTC

Notícias / África

Corrupção continua a ser grande obstáculo, diz "Transparência Internacional"

A Somália, a Coreia do Norte e o Afeganistão obtiveram a pior classificação.

Redacção VOA
Nos últimos anos, o descontentamento por causa da corrupção desencadeou muitas manifestações e chegou mesmo a derrubar alguns governos.
Contudo, de acordo com um estudo agora publicado pela organização “Transparência Internacional”, o problema continua a verificar-se em muitos países.


No Paquistão, o professor Bashir Bulti, diz que tem que pagar luvas para conseguir um emprego.
Quanto ao moto taxista cambodjano Chum Van, queixa-se de que muitas vezes a polícia acusa os mais pobre de causarem acidentes independentemente de quem tem a culpa.

O Paquistão e o Camboja encontram-se entre os 176 países analisados pela organização anticorrupção “Transparência Internacional”.

Segundo Hugette Labelle daquela organização, a maior parte dos países debate-se com sérios problemas de corrupção: “ Isso traduz-se por sofrimento humano com famílias pobres sendo alvo de extorsão, sendo obrigadas a pagar subornos para ter acesso a médicos ou a águia potável.”

Labelle adverte que grandes projectos de infra estruturas nos países em desenvolvimento e o trabalho necessário para fazer frente às mudanças climáticas, poderão ser postos em causa pela corrupção.

A Somália, a Coreia do Norte e o Afeganistão obtiveram a pior classificação enquanto a Dinamarca, a Finlândia e a Nova Zelândia foram considerados os países menos corruptos.

Os Estados Unidos colocaram-se na décima nona posição, a China ocupa a octogésima posição e a Índia a nonagésima quarta.

Manifestações contra a corrupção fomentaram os levantamentos da denominada “Primavera Árabe” que se traduziram pela queda dos governos da Tunísia, Egipto e Líbia.

Segundo o académico Charles Kenny do Centro para o Desenvolvimento Global, a corrupção assume muitas formas, tais como um suborno para obter uma carta de condução ou para dar um contrato a uma pessoa não qualificada.

De acordo com Kenny a corrupção é um sintoma de má governação e diz que levar o assunto à atenção do público e das entidades oficiais poderá eventualmente ajudar: “Essas mudanças necessitam de modificações das normas de comportamento, das atitudes de milhões de pessoas e isso leva tempo.”

A “Transparência Internacional” baseia o seu relatório anual nas percepções de corrupção de várias fontes de informação no sector dos negócios, junto de organizações internacionais e contactando peritos através do mundo.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 19 Agosto 2014i
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
19.08.2014 18:04
Noticias da America
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 19 Agosto 2014

E se uma aplicação lhe dissesse qual o seu valor como noiva? Pois já existe!
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 18 Agosto 2014

As notícias que marcam o início da penúltima semana de Agosto, no continente africano
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Agosto 2014

As notícias de África em 60 segundos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 14 Agosto 2014

Os assuntos que marcam a actualidade africana em apenas 60 segundos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 13 Agosto 2014

As principais notícias que marcam a actualidade do continente africano
Vídeo

Vídeo "É preciso criar financiamento para mulheres no negócio informal", Lígia Fonseca

Entrevista nos estúdios da VOA com Lígia Fonseca, primeira-dama de Cabo Verde e advogada de profissão, que esteve em Washington, por ocasião da cimeira EUA/ África. Agosto 2014 ......
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 12 Agosto 2014

A actualidade africana em 60 segundos
Vídeo

Vídeo "Convite de Michelle Obama: certeza de que podemos estabelecer parcerias"

Na entrevista para a VOA, a primeira-dama de Cabo Verde, Dra. Lígia Fonseca, comentou a importância do convite da primeira-dama americana, Michelle Obama, e analisou a condição da mulher cabo-verdiana. Lígia Fonseca esteve em Washington, por ocasião da cimeira EUA/ África
Mais Vídeos