sexta-feira, 18 abril, 2014. 00:23 UTC

Notícias / África

Mali e Guiné-Bissau a marcar agenda da cimeira da CEDEAO em Yamoussoukro

Presidentes e Chefes de Governos da região vão dar mais um impulso ao processo politico-militar de estabilização nos dois Estados membros

Presidente John Dramani Mahama do Gana (à esquerda) falando como o seu homólogo da Gâmbia Yahya Jammeh (à direita) Fev. 27, 2013.
Presidente John Dramani Mahama do Gana (à esquerda) falando como o seu homólogo da Gâmbia Yahya Jammeh (à direita) Fev. 27, 2013.
Tamanho das letras - +
Redacção VOA
Chefes de Estados e de Governos da CEDEAO estão reunidos em Yamoussoukro na Costa do Marfim para debater a transição da intervenção militar para uma força de paz das Nações Unidas.

A cimeira debate igualmente o processo de transição política na Guiné-Bissau após o golpe de Estado do ano passado.

É a quadragésima segunda conferencia dos presidentes e chefes de governos da Comunidade Económica de Desenvolvimento da África do Oeste a decorrer durante dois dias na capital política da Costa do Marfim- Yamoussoukro.

Na agenda desta cimeira estão as recomendações sobre o Mali concretamente, o roteiro do processo de segurança em torno das cidades do norte do país que estavam sob o controlo de milícias radicais islâmicos antes da intervenção militar franco-maliana.

Os dirigentes da CEDEAO, deverão igualmente declarar o seu apoio indefectível às forças armadas malianas, assim como a Missão Internacional de Apoio ao Mali, MISMA cujos efectivos vão chegando gradualmente ao país.

As recomendações sobre o Mali foram feitas pelo Conselho de mediação e de segurança do organismo sub-regional, cujos membros se tinham reunido há dois dias em Abidjan. O documento preconiza que em paralelo a chegada das tropas da MISMA, que se priorize igualmente a segurança das cidades libertadas e as operações de guerrilha urbana iniciadas há algumas semanas pelos radicais islâmicos.

A esses engajamentos devem associar as promessas de financiamento anunciadas aquando da cimeira de doadores de Adis-Abeba de 29 de Janeiro. A CEDEAO entende que essas promessas devem ser concretizadas o mais cedo possível de forma a permitir o êxito das operações. A organização regional fez um apelo as Nações Unidas e aos países parceiros a fim de colocarem a disposição todos os recursos prometidos.

De acordo com as estimativas o custo da operação da MISMA teve que ser reavaliada e nesta altura já se encontra a dobro das previsões iniciais. Inicialmente calculada em cerca 455 milhões de dólares de apoio destinados a MISMA, ao exército maliano e as operações de ajuda humanitária, esta soma prometida pela comunidade internacional for rectificada durante a reunião desta semana em Abidjan, e actualmente anda a volta dos 950 milhões de dólares, ou seja o dobro da verba incialmente orçamentada.

Além de fundos há também um acréscimo no que toca ao reforço do contingente militar. A CEDEAO preconiza enviar para o Mali mais 2 mil tropas a somar as 6 mil iniciais, totalizando assim uma força de 8 mil homens.

Quanto a Guiné-Bissau o Conselho de mediação e segurança da CEDEAO recomendou a continuação do processo de transição política em curso, com vista a consolidar os avanços até então obtidos. A organização regional entende que só assim poderá ter inicio o arranque efectivo das tarefas e procedimentos necessários a aplicação de reformas multissectoriais descritas como urgentes e no quadro de reformas do sector da defesa e de segurança.

Ainda em relação a Guiné-Bissau, esta cimeira de Yomoussoukro parece vir em boa altura, uma vez que internamente começam a haver sinais de disputas políticas latentes envolvendo o parlamento, o governo e partidos políticos.

Um grupo de pequenos partidos sem representação parlamentar chamou a si a responsabilidade em organizar uma comissão de relançamento do processo de transição, e esta iniciativa já foi criticada pelo presidente do parlamento que receia que a Assembleia Nacional enquanto órgão legislativo, poderá perder o seu protagonismo com o novo esquema político de transição que se desenha.

Nas críticas de Ibraim Sory Djaló, vieram a tona as animosidades com o governo que foi acusado de não ter um programa de governação e nem um orçamento.
Estas e outras questões deverão ser levantadas nesta cimeira pelo presidente guineense Manuel Serifo Nhamadjo que tinha previsto partir para a Costa do Marfim depois de uma viagem a Coreia do Sul.

Importa referir igualmente que o ministro dos negócios estrangeiros, Faustino Imbali encontra-se desde Sexta-feira na Costa de Marfim onde participou nos encontros preparatórios desta cimeira da CEDEAO a decorrer hoje e amanhã em Yamoussoukro.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos