quinta-feira, 02 outubro, 2014. 12:26 UTC

Notícias

Tribunal de Cabinda liberta activistas dos direitos humanos

Padre Tati diz à VOA que "está sereno". UNITA apela à responsabilização dos juízes. Governo ainda não reagiu.

Forças especiais angolanas em Cabinda, em Janeiro passado, durante o CAN 2010 (AP Photo/Darko Bandic)
Forças especiais angolanas em Cabinda, em Janeiro passado, durante o CAN 2010 (AP Photo/Darko Bandic)

Multimédia

Áudio
  • Correspondente em Cabinda fala com o Padre Raul Tati

  • Correspondente em Cabinda entrevista advogado Alberto Raimundo

  • Reacção do vice-presidente da UNITA, Ernesto Mulato

  • Reacção do dirigente da OMUNGA, José Patrocínio

  • Reacção do activista cabindense José Mavungo

  • Correspondente em Luanda recorda o calvário do Padre Tati e seus companheiros

Cabinda activistas libertados

Quatro activistas dos direitos humanos, condenados por cumplicidade num ataque terrorista em Janeiro passado foram libertados, quarta-feira, em Cabinda.

José Benjamin Fuca, Belchior Lanso Tati, Francisco Luemba e o Padre Raúl Tati, cujo estado de saúde inspira cuidados, foram libertados por decisão do Tribunal Constitucional de Angola. Os juízes decretaram a libertação por entenderem que, tendo sido revogado o artigo 26º da anterior Lei de Segurança do Estado, ao abrigo do qual os arguidos foram condenados, deixara de haver base legal para a sua continuada detenção.

Após a sua libertação, o Padre Tati, com lágrimas nos olhos, disse a José Manuel, correspondente da VOA, que "neste momento estou sereno. Neste momento a minha prioridade é curar a minha saúde, que está seriamente debilitada".

Alberto Raimundo, um dos principais advogados de defesa deste processo, declarou à VOA, em Cabinda, regressar a Luanda com a consciência do dever cumprido. Raimundo defendeu que o Tribunal de Cabinda agiu "à margem da Constituição" quando condenou os activistas. "O momento é de grande emoção", disse.

Cabinda Reacções dos Advogados

O vice-presidente da UNITA, Jorge Mulato, declarou à VOA estar satisfeito com a libertação dos quatro, a três dias do Natal, mas adiantou ser preciso responsabilizar os juízes que condenam, indevidamente, as pessoas.

Mulato acrescentou ser necessário esperar para ver se esta decisão, apesar de benvinda, é um acto isolado ou um sinal de mudança no sistema judicial angolano.

Cabinda Reacção da UNITA

Por seu turno, Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, disse que para Cabinda “deixar de ser um problema, falta sentar a mesa o governo de Luanda e a FLEC para que, com negociações serias, se acabe com um problema já demasiado longo”.

Para José Patrocinio, dirigente da organização angolana de direitos humanos OMUNGA, a libvertação dos detidos é motivo de satisfação. Mas nota que eles nunca deveriam ter sido presos e condenados.

Cabinda Reacção da OMUNGA

O estado de saúde do Padre Tati é, por outro lado, a principal preocupação do activista cabindense José Mavundo."Está magro, muito magro, de rosto pálido", disse Mavungo atribuindo o estado do clérigo aos "maus tratos e condições de detenção". .

Cabinda Reacção Sociedade Civil

Como relata Alexandre Neto, da VOA em Luanda, o calvário do padre Raul Tati e demais activistas cívicos, José Benjamim Fuca, Belchior Lanso Taty e Francisco Luemba tive início pelas 6:00 horas de 12 de Janeiro, quando a polícia efectuou busca nas suas casas.

O primeiro a ser detido foi Benjamim Fuka, por  terem sido encontrados consigo, documentos como o  Estatuto da FLEC-FAC e um Regulamento Interno dum Comité local.

Seguiu-se no dia 13, Belchior Lanso Tati. Consigo foram encontrados material bibliográfico e a publicação “Estratégia Global p/ Solução de Conflito de Cabinda.

Cabinda a História do Caso

Segundo reportou a polícia ao Procurador local nos autos, os activistas levavam a cabo acções como colagem de panfletos incitadores dos populares menos esclarecidos. Estas e outras  acções nas quais se podiam incluir reuniões mantidas quer no interior  como no exterior do país, “eram subversivas e ...  alimentadas por alguns núcleos constituídos por Francisco Luemba e Raul Tati”.

Os visados viriam a ser presos logo a seguir e acusados pelo Ministério Público de prática de “Outros Crimes” conforme o artigo 26 da lei dos Crimes Contra a Segurança do Estado.

A detenção do padre Raul Tati coincidiu com a decisão que havia tomado em Agosto do ano passado de deixar a actividade clerical, intenção que manifestou junto da diocese local e num círculo mais restrito de amigos e familiares.

A sua prisão na cadeia do Yabi passou por isso a ser vista como uma retaliação, face também ao seu posicionamento crítico em relação ao conflito de Cabinda.

Mas o histórico de detenções na província de Cabinda espelha o ambiente de repressão no enclave, rico em petróleo, onde são recorrentes os ataques da guerrilha.

Em dois anos, sete pessoas entre as quais o jornalista Fernando Lelo,  foram condenadas com penas de 12 e 13 anos.

Apesar de alguns terem sido absolvidos no decurso do processo, a lista de detidos é engrossada por civis, alguns dos quais agricultores da região ou membros da autoridade tradicional, incluindo o regedor do Conde acusado de crime de sabotagem, cuja pena foi agravada pelo Tribunal Supremo para 24 anos de prisão.

Como fundamentou a defesa no recurso que interpôs junto do Tribunal Constitucional, os activistas cívicos não praticaram nenhum crime. “Outros Crimes” como foram acusados, sugere de facto estar-se no mundo das hipóteses ou conjecturas.

Como sublinhou Fernando Macedo, o Tribunal Constitucional não esteve bem no processo, sobretudo por ter atrasado a decisão do Recurso do mês d’Agosto,  deixando que a solução do problema fosse encontrada através da revogação da lei 7/78 por parte da Assembleia Nacional e não pela declaração de inconstitucionalidade. Segundo a fonte que estamos a citar,o Tribunal fugiu à sua responsabilidade.

A  decisão do Acórdão entretanto, não produz nenhum efeito imediato para os outros casos, como são as detenções dos membros do Manifesto da Lunda Tchókwe.

O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 1 Outubro 2014i
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
01.10.2014 18:00
O video do mundo em Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Outubro 2014

O video do mundo em Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Setembro 2014

O mundo das noticias africanas em video
Vídeo

Vídeo Hong Kong: palco de manifestações pela democracia

Manifestantes ocupam centro da cidade e recusam-se a dispersar e acusam a polícia de se ter transformado em diabo.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Setembro 2014

O mundo africano de noticias em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 265 Setembro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Libéria suspendeu ritual dos funerais devido ao Ébola

O Ébola matou mais de 1,500 pessoas só na Libéria. Especialistas em saúde pública dizem que as vítimas encontram-se na sua fase mais contagiosa, após a sua morte. As autoridades estão a tentar convencer as pessoas a contratar equipas especializadas para que sejam elas a recolher os corpos dos mortos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 25 Setembro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Setembro 2014

Noticias africanas em video
Vídeo

Vídeo José Carlos Schwarz - Si bu sta dianti na luta

Homenagem do músico guineense, José Carlos Schwarz, aos seus compatriotas que lutaram pela independência da Guiné-Bissau
Mais Vídeos