sexta-feira, 01 agosto, 2014. 07:47 UTC

Notícias / Brasil

Negros brasileiros continuam a ganhar menos

Estudos levados a cabo no Brasil revelam que que os afro descendentes ainda ganham salários bem inferiores aos dos brancos.

Maria Cláudia Santos
Estudos levados a cabo no Brasil revelam que que os afro descendentes ainda ganham salários bem inferiores aos dos brancos. Apesar disso, ao longo dos anos, essa diferença tem diminuído consideravelmente.

Quando os estudiosos falam em disparidades entre os dois grupos, separados pela cor, eles garantem que a queda tem sido verificada tanto no que diz respeito à participação de negros e brancos no mercado de trabalho, como no valor das remunerações. 

De acordo, por exemplo, com um estudo da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Fundação Seade), em 2011, o rendimento dos afro descendentes correspondeu a 61% do valor recebido pelos brancos, nos 39 municípios da região metropolitana de São Paulo, a maior cidade do Brasil.

Isso significa que, no ano passado, os negros ganharam o valor médio de R$ 6,28 por hora e os não negros receberam R$ 10,30.  A desigualdade ainda é grande, mas o cenário era muito pior há dez anos. Em 2002, um negro no Brasil ganhava menos de 54,6% do que recebia um branco.

‘‘Nos últimos anos, aconteceu uma diferença estrutural no mercado de trabalho brasileiro, o rendimento e a ocupação dos negros aumentaram mais e mais rapidamente do que entre os brancos. A diferença é grande ainda, mas ela ficou menor com o tempo e continua em tendência de queda’’, afirma o pesquisador da Fundação João Pinheiro, Igor Coura. ‘‘No entanto, olhando o mercado de trabalho no Brasil como um todo, ainda temos bem mais desempregados negros do que não negros,” completa o especialista.



De acordo com Igor Coura, os negros ainda estão em profissões que são de escolaridade mais baixa, de rendimento menos valorizado e de trabalho mais pesado, principalmente serviço doméstico e construção civil, mas isso também está mudando. 
“Isso tem uma origem na discriminação histórica no Brasil, da falta de oportunidades que eles tiveram em comparação com o não negros no nosso país, ’’ lembra Coura. “Mas essas diferenças também estão diminuindo. A participação dos negros nos sectores de serviços e indústria tem sido cada vez maior,” garante o pesquisador.

Outra constatação no mercado de trabalho no Brasil relacionada com os afro descendentes não é positiva.  Entre os negros, existe um segmento que ainda sofre muito hoje para conseguir trabalho digno no Brasil. “O grupo das mulheres negras, quando se separa por sexo e cor, é de fato o que está em maior desvantagem no mercado de trabalho. Se comparado com os homens brancos, que tem mais oportunidades, essa desvantagem é maior ainda.”
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Granelio Tamele de: Maputo
15.11.2012 04:50
Bom dia acontece o mesmo em Mozambique, Os negros recebem o mesmo.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos