terça-feira, 04 agosto, 2015. 23:52 UTC

Notícias / África e Mundo

Embaixador americano em Bissau: "Há líderes militares e civis envolvidos no tráfico de drogas"

Estados Unidos apelam aos líderes guineenses a demonstrarem os seus compromissos em defenderem as obrigações e ideais internacionais.

Lassana Casamá
O embaixador dos Estados Unidos para Guiné-Bissau e Senegal afirmou que existem provas do continuo envolvimento de alguns lideres civis e militares no trafico de drogas.

Lewis Lukens falava hoje em conferência de imprensa no termo de visita de algumas horas a Bissau, durante a qual, esteve reunido com o presidente da república, Manuel Serifo Nhamadjo e membros do parlamento guineense.


Com uma visão sobre o decurso do período de transição política, o diplomata americano encorajou a CPLP e a União Europeia, em colaboração com as Nações Unidas e a União Africana, a apoiar o processo transitório em curso liderado pela CEDEAO e ressalvou que não existe solução militar para a Guiné-Bissau.

Os Estados Unidos aguardam de momento os planos para a organização de eleições presidenciais e legislativas livres, justas e transparentes, de acordo com a legislação nacional e as normas internacionais. Um assunto que, segundo Lukens, foi tema de abordagem com o presidente Nhamadjo, tendo na ocasião pedido ao chefe de estado guineense, a fixação de uma data para o escrutínio.

A preocupação de Washington assenta também nos «relatos de violações de direitos humanos na Guiné-Bissau» e a propósito, os Estados Unidos apelam «aos líderes guineenses a demonstrarem os seus compromissos de defender as obrigações e ideais internacionais, de implementar a justiça e faze-la com base no respeito pelos direitos humanos de todos», rematou o embaixador americano para a Guiné-Bissau e Senegal.

Começaram entretanto hoje os contactos das várias delegações internacionais com as autoridades guineenses. O primeiro encontro foi  com o ministro dos negócios estrangeiros e da cooperação internacional, Faustino Imbali.

Na ocasião, o director do departamento da União Africana para paz e segurança, El Ghassim Wane, lembrou que o objectivo das organizações aqui representadas visa auscultar, constatar e avaliar a real situação por que passa a Guiné-Bissau. Dai que estão previstos vários encontros, nomeadamente com os responsáveis governamentais, da sociedade civil e dos partidos políticos.

O chefe da missão conjunta da União Africana, das Nações Unidas, da CEDEAO, CPLP e da União Europeia, falava à imprensa à saída do encontro no palácio do governo com o ministro dos negócios estrangeiros guineense. Ainda para hoje, a missão tem encontros agendados com os partidos políticos, legalmente constituídos, líderes religiosos e representantes do poder tradicional, meios de informação públicos e privados, ordem de advogados e os bancos privados sedeados em Bissau. Os contactos terminam na quinta-feira, devendo a delegação partir na sexta-feira.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: VITAL PEREIRA de: Bissau
19.12.2012 18:40
A droga nao e produzida na Guine. Ela vem da America Latina, todos sabemos! A placa giratoria do narcotrafico sabemos que e Cabo Verde. Porque que este pais nao e citado? Porque compra a comunicaçao social? Sobre os direitos humanos? Porque que a dita comunidade internacional ignora o ataque terrorrista ao quartel dos Para-Comandos, provocado por Pansau Intchama? Essa Cominidade Internacional esta metida como o narcotrafico. E a conclusao que se pode tirar do seu silencio! Na Guine-Bissau nao vao safar! O salazarismo nunca mais!

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 4 Agosto 2015i
X
04.08.2015 19:53
Mais Vídeos