quarta-feira, 22 outubro, 2014. 23:05 UTC

Notícias / África

Bubo na Tchuto faz face a prisão perpétua

Operação envolveu meses de investigação em vários países

Bubo na tchuto
Bubo na tchuto
João Santa Rita
O ex-chefe da marinha de guerra da Guiné Bissau, José Américo Bubo na Tchuto faz face a uma pena máxima de prisão perpétua caso seja considerado culpado em tribunal americano de tráfico de cocaína para os Estados Unidos, disse o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Bubo na Tchuto foi capturado pelas autoridades americanas em águas internacionais na terça-feira (2 de Abril) juntamente com outros dois homens, Papis Djeme e Tchamy Yala, cuja nacionalidade não foi divulgada.

Os três compareceram em tribunal em Nova Iorque na sexta-feira (5 de Abril) onde o juiz marcou uma audiência formal para o próximo dia 15.

Os três foram acusados pelo Departamento de Justiça americano de “conspirarem para distribuir cinco quilos ou mais de cocaína, sabendo ou tendo a intenção de importar  a cocaína para os Estados Unidos”. Ao abrigo da lei americana a pena máxima para este tipo de crime é prisão perpétua.

Mas de acordo com o Departamento de Justiça há quatro outros presos envolvidos no mesmo processo que fazem face a acusações mais graves.

Trata-se de Manuel Mamadi Mane e Saliu Sisse, cuja nacionalidade também não foi identificada e que foram detidos num país não identificado da África Ocidental e ainda Rafael Garavito-Garcia e Gustavo Perez-Garcia, ambos colombianos que deverão ser extraditados para os Estados Unidos onde deverão então ser formalmente indiciados. Mane e Sisse deverão comparecer perante um juiz já na terça-feira (9 de Abril).

Todos estes fazem face a uma acusação de narco-terrorismo, uma acusação de tráfico de cocaína,  e uma acusação de conspiração para fornecer apoio material e recursos a uma organização terrorista internacional.  Mane, Sisse e Garavito-Garcia fazem também face a uma acusação de “conspiração para fornecerem apoio material e recursos a uma organização terrorista estrangeira”.

Segundo o Departamento de Justiça americano no verão do ano passado, Mane, Sisso, Garavito Garcia e Perez Garcia contactaram “fontes confidenciais” da Agencia de Luta contra a Droga (DEA) que se fizeram passar por representantes ou membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

Em reuniões na Guiné Bissau a partir de Junho do ano passado Mane, Sisse, Garavito-Garcia e Perez-Garcia concordaram em receber e armazenar vários carregamentos  de cocaína da FARC na Guiné Bissau com a intenção de subsequentemente  a transportar para os Estados Unidos e os lucros entregues à FARC.

Parte da cocaína seria usada para pagar a entidades governamentais da Guiné Bissau diz a acusação sem revelar nomes.

Nessas reuniões Mane, Sisse e Garavito-Garcia teriam concordado em comprar armas para a FARC incluindo misseis terra-ar através da sua importação para a Guiné Bissau sob pretexto de serem para as forças armadas guineenses.
A acusação detalha datas e pormenores de vários encontros em que isso foi discutido.

Um oficial das forças armadas da Guine Bissau não identificado  disse a uma das fontes ou agente da DEA que a compra das armas seria efectuada  logo que a FARC trouxesse fundos para a Guiné Bissau.

No que diz respeito a Bubo na Tchuto a acusação afirma que a partir do começo de 2012 o antigo chefe da armada guineense e ainda Djeme e Yala estiveram envolvidos em conversações que foram gravadas com agentes da DEA que se fizeram passar por traficantes de drogas.

Numa dessas reuniões Bubo na Tchuto teria afirmado que o governo se encontrava enfraquecido devido a um recente golpe de estado e que isso dava uma boa oportunidade para se efectuar o contrabando.

Bubo na Tchuto, Djeme e Yala concordaram em receber duas toneladas de cocaína que seria transportada para a Guiné Bissau por barco e colocada num armazém para ser depois exportada para a Europa e Estados Unidos.

Em Novembro do ano passado os três acusados discutiram importar uma tonelada de cocaína para os Estados Unidos através de uma companhia de Bubo na Tchuto.Este teria exigido o pagamento de um milhão de dólares por cada tonelada de cocaína a entrar na Guiné Bissau.

A operação que levou  à prisão de todos os acusados envolveu agentes e organizações de combate ao crime em diversos  países.

Pela parte americana a operação envolveu agentes da DEA, da Divisão Especial de Operações (SOD), da Unidades Bilateral de Investigações (BIU), do Grupo para o Narco Terrorismo (NTG) em colaboração com agentes  da DEA estacionados em Lisboa (Portugal) e em Bogotá ( Colômbia).

O navio em que Bubo na Tchuto foi preso ao largo da costa da Guiné da Bissau  estava “sob controlo da DEA”  e dentro encontravam-se ainda agentes da NTG.

Desconhece-se como é que Bubo na Tchuto e os seus companheiros foram atraídos para o navio onde acabariam por ser presos.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Pantera-Negra de: Luanda
08.04.2013 16:39
O crime não compensa, o Bubo na Tchuto agora levará um grande chuto na bunda.

Desestabilizam um país inteiro apenas para garantirem fins pessoais e inconfessos pondo a vida de milhões de cidadãos entregues à sua sorte.

Prisão perpétua ou pena capital é o mais ideal à esse maníaco

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Mãe Trabalhadora - trailler do filmei
X
22.10.2014 18:29
O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola e os órfãos da Serra Leoa

Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola: Um Poema para os Vivos

O filme da Chocolate Moose é uma animação desmistificando o Ébola, explicando a doença através do caso de um menino infectado. A VOA fez a dobragem do vídeo original na voz de Mayra de Lassalette. Saiba mais no link http://tinyurl.com/l7vgtjv
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Nascimentos na Libéria em tempos de Ébola

O hospital JFK na Libéria tinha encerrado a maternidade, devido ao Ébola, mas urge agora reabrir o serviço que já fez 93 partos desde que voltou a abrir
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Mais Vídeos