sexta-feira, 31 outubro, 2014. 15:37 UTC

Notícias / A Sua Saúde

Campanha em curso para vacinar raparigas contra Papiloma Humano

Está em curso nos países em desenvolvimento uma campanha de vacinação para proteger 180 mil raparigas do cancro cervical.

x
Uma campanha levada a cabo pela GVAI, uma parceria público/privada especializada em maior acesso à vacinação em países em desenvolvimento.
A maior parte deste tipo de cancro é provocado por várias estirpes do vírus papiloma humano, ou HPV.

Um vírus que se transmite através do sexo.

Estima-se que uma mulher morra a cada dois minutos de cancro cervical. Ou seja este tipo de cancro mata mais mulheres do que problemas ao dar à luz.
Estima-se que cerca de 275 mil mulheres morram deste cancro anualmente – das quais 85% no mundo em desenvolvimento.

Assim sem uma intervenção o número poderá quase que duplicar até 2030.
Todavia há alguns mitos sobre o cancro que é preciso referir.
Uma é que o cancro não é uma doença transmissível.

Apesar de ser uma doença causada por questões genéticas e outras anormalidades, uma grande parte dos cancros é infeccioso.

Outro mito é que o cancro não é doença apenas do mundo desenvolvido como há também muitos no mundo em desenvolvimento.

Muitas outras vacinas são dadas a bebés ou às crianças. Por exemplo a vacina HPV é ministrada às raparigas entre os 9 e os 13 anos e só é eficaz antes da infecção viral que provoca o cancro cervical.

Mas um teste como o papa Nicolau pode ajudar a detectar mudanças que se verificam quando uma jovem rapariga está infectada com este vírus – o papiloma humano.

O melhor teste, para este caso, em que se recolhem amostras das células da cérvix pode não estar disponível em muitos países em desenvolvimento.
A vacina HPV vai ser agora administrada no Gana, Quénia, Madagáscar, Malawi, Níger, Serra Leoa e Tanzânia (isto na África subsaariana) e ainda no Laos, o único pais asiático a participar.

Serão vacinadas, primeiramente, 180 mil raparigas. A vacina será dada nas escolas, mas será feito um esforço para vacinar as raparigas que não vão à escola.
O objectivo vai ser o de até 2015 se vacinar raparigas em mais de 20 países, cerca de um milhão, e em 2020 espera-se que sejam já 40 países e 30 milhões de raparigas.

Agora a parceria está em conversações com as farmacêuticas sobre o custo de cada dose da vacina HPV.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 30 Outubro 2014i
X
30.10.2014 21:02
As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 30 Outubro 2014

As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 28 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Levados pelo Boko Haram

O mundo espera para ver se a Nigéria consegue negociar a libertação das 219 raparigas da escola de Chibok, raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram em Abril. Activistas dizem que o Boko Haram já raptou centenas de jovens rapazes, mulheres e crianças, desde 2009.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Ébola e os órfãos da Serra Leoa

Centenas de crianças ficaram órfãos na Serra Leoa devido ao surto do vírus do Ébola, são vítimas do estigma e da rejeição. Os familiares não querem saber deles. A Serra Leoa abriu o primeiro orfanato de vítimas do Ébola no distrito de Kailahun.
Mais Vídeos