sábado, 25 abril, 2015. 04:15 UTC

Notícias / Angola

Ainda não há transparência nas contas do petróleo de Angola, diz ONG

Open Society diz que há mais informação mas que esta ainda não é fiável

Manuel José
As contas do petróleo em Angola ainda não são transparentes e por isso não merecem confiança, concluíram dois relatórios sobre as operações petrolíferas do país da organização não-governamental Open Society.




Os dois relatórios  são titulados "Operações da Industria petrolífera em Angola" e “Receitas Petrolíferas em Angola, muita informação mas sem transparência suficiente".

Os dois documentos diferem mas um completa  disse a Directora de programas da Open Society, Sizaltina Cutaia.

"Os dois relatórios são destintos mas complementam-se," disse ela.

Outra responsável da ONG, Albertina Delgado deixou claro que que as informações sobre o sector do petróleo não garantem confiança.

A ONG reconhece que aumentou a quantidade de informações, pecando apenas na falta de transparência destes dados.

"Há mais informações mas é necessário que haja maior transparência destas informações," disse

"Com base na informação que tivemos acesso podemos afirmar que os dados não são confiáveis nem fiáveis," acrescentou.

A consultora da  Open Society, Maria Lya Ramos, diz que sem transparência no sector de petróleo  muito dificilmente o país vai erradicar a pobreza extrema.

Existe em Angola, segundo Lya Ramos, uma extrema relação entre a pobreza e a falta de transparência no sector petrolífero.

"O problema do desemprego, da água potável, das casas condignas, o problema do acesso a saúde publica, que são dificuldades da maioria dos angolanos tem uma ligação directa com o sector petrolífero angolano," disse.

O deputado da UNITA Adalberto Júnior disse que é preciso haver uma maior fiscalização da Assembleia Nacional, para acabar com os descaminhos dos fundos petrolíferos.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao antonio de: lobito angola
02.03.2013 09:54
como e possivel estes economistas que nao sabem tabuada e nem tirar a prova dos noves saberem fazer contas corretas ,a formacao final dos doutores , enginheiros e outros chamados tecnocratas do regime deixa muito a desejar pois expressam se muito mal e com grande ausencia da gramatica e3 de cultura geral sendo todos eles semelhantes na maneira de pensar e de agir pois nao tem opiniao propria , nao se nota qualquer intelecto ou pelo menos algum didactismo pedagogico.sao esses que estao no leme deste barco se se chama angola a crescer e a subir sbre castelos na areia. esperem o futuro dara a resposta a tudo isto que estao a ver

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos