quinta-feira, 31 julho, 2014. 19:36 UTC

Notícias / Angola

Cabinda:Empresas chinesas debaixo de fogo

Trabalhadores acusam empresas de despedimentos, maus tratos e uso de maerial de construção adulterado

x
José Manuel
Empresas chinesas a operarem em Cabinda foram duramente criticadas por trabalhados que as acusam de violarem as leis laborais de Angola e ainda de usarem material defeituoso na construção de infra-estruturas.




Mais de 3.000 trabalhadores angolanos foram despedidos em finais do ano passado e princípios de 2013 dos seus postos de trabalho e viram a sua sorte relegada ao desemprego.

Mais da metade deste número, foi despedida por empresas chinesas contratadas pelo governo da província para a construção de infra-estruturas públicas, sem  o pagamento de qualquer indemnização.

De acordo com alguns trabalhadores ouvidos pela Voz de América, mais de 3.000 cidadãos com contratos precários podem a qualquer momento perder o emprego por alegadamente as empresas chinesas não aceitarem renovar os contratos de trabalho por alegada fuga ao fisco.

A maioria das empresas chinesas a operarem em cabinda na área de construção de infra-estruturas do estado, não admitem a celebração de contratos de trabalho para pouparem despesas e evitar indemnizações em processos de despedimentos colectivos como os que constantemente ocorrem.

Este comportamento verifica-se segundo os interlocutores na fase de conclusão das obras  afectas ao governo.

Queixam-se ainda os trabalhadores de serem vítimas de maus tratos, falta de higiene e  de segurança nos locais de trabalho.

Entretanto, o governo provincial recomendou recentemente a todas as empresas com parceria chinesa a obedecerem os regulamentos da legislação laboral angolana e a promoverem o respeito e dignidade ao trabalhador.

Todos essas infracções segundo os queixosos acontecem ante a passividade da direcção provincial de inspecção geral do trabalho.

Os trabalhadores denunciam igualmente a aplicação de materiais adulterados nomeadamente em blocos de cimento usados para a construção e de outros equipamentos em consequência dos  quais muitas obras degradam em pouco espaço de tempo.

Os trabalhadores acusam o governo de não realizar uma fiscalização  permanente aos estaleiros e nas  obras dessas empresas alegando que muitas empresas de fiscalização contratadas pelo governo recebem subornos para facilitarem obras mal feitas.

Tentamos sem sucessos ouvir alguns responsáveis dessas empresas.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: manuel de: sacavem
20.02.2013 23:22
Angola esse grande pais teria muito a ganhar , se vendessem o petróleo e os diamantes , a quem compra-se por melhor oferta , e angola tinha muitos paises a quem vender sem ficar refem do que os chineses estão a impor , esse pais é a pior prag da humanidade nem para eles são bons como podem ser para um pais africano . são pior 1000 veses que os europeus que colonizaram áfrica , estes não deixam nada , são sangue sugas ,, Angola abram os olhos

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 31 Julho 2014i
X
31.07.2014 19:23
Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Vídeo

Vídeo Mamografias 3D revolucionam detecção do cancro da mama

Durante anos as mamografias desempenharam um papel vital na detecção do cancro da mama. Mas nem sempre conseguem identificar tumores perigosos. A tecnologia a três dimensões pode revolucionar a triagem e salvar vidas
Mais Vídeos