sexta-feira, 18 abril, 2014. 03:08 UTC

Notícias / Angola

Cabinda:Empresas chinesas debaixo de fogo

Trabalhadores acusam empresas de despedimentos, maus tratos e uso de maerial de construção adulterado

x
Tamanho das letras - +
José Manuel
Empresas chinesas a operarem em Cabinda foram duramente criticadas por trabalhados que as acusam de violarem as leis laborais de Angola e ainda de usarem material defeituoso na construção de infra-estruturas.




Mais de 3.000 trabalhadores angolanos foram despedidos em finais do ano passado e princípios de 2013 dos seus postos de trabalho e viram a sua sorte relegada ao desemprego.

Mais da metade deste número, foi despedida por empresas chinesas contratadas pelo governo da província para a construção de infra-estruturas públicas, sem  o pagamento de qualquer indemnização.

De acordo com alguns trabalhadores ouvidos pela Voz de América, mais de 3.000 cidadãos com contratos precários podem a qualquer momento perder o emprego por alegadamente as empresas chinesas não aceitarem renovar os contratos de trabalho por alegada fuga ao fisco.

A maioria das empresas chinesas a operarem em cabinda na área de construção de infra-estruturas do estado, não admitem a celebração de contratos de trabalho para pouparem despesas e evitar indemnizações em processos de despedimentos colectivos como os que constantemente ocorrem.

Este comportamento verifica-se segundo os interlocutores na fase de conclusão das obras  afectas ao governo.

Queixam-se ainda os trabalhadores de serem vítimas de maus tratos, falta de higiene e  de segurança nos locais de trabalho.

Entretanto, o governo provincial recomendou recentemente a todas as empresas com parceria chinesa a obedecerem os regulamentos da legislação laboral angolana e a promoverem o respeito e dignidade ao trabalhador.

Todos essas infracções segundo os queixosos acontecem ante a passividade da direcção provincial de inspecção geral do trabalho.

Os trabalhadores denunciam igualmente a aplicação de materiais adulterados nomeadamente em blocos de cimento usados para a construção e de outros equipamentos em consequência dos  quais muitas obras degradam em pouco espaço de tempo.

Os trabalhadores acusam o governo de não realizar uma fiscalização  permanente aos estaleiros e nas  obras dessas empresas alegando que muitas empresas de fiscalização contratadas pelo governo recebem subornos para facilitarem obras mal feitas.

Tentamos sem sucessos ouvir alguns responsáveis dessas empresas.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: manuel de: sacavem
20.02.2013 23:22
Angola esse grande pais teria muito a ganhar , se vendessem o petróleo e os diamantes , a quem compra-se por melhor oferta , e angola tinha muitos paises a quem vender sem ficar refem do que os chineses estão a impor , esse pais é a pior prag da humanidade nem para eles são bons como podem ser para um pais africano . são pior 1000 veses que os europeus que colonizaram áfrica , estes não deixam nada , são sangue sugas ,, Angola abram os olhos

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos