quinta-feira, 17 abril, 2014. 18:48 UTC

Notícias / África

Governo moçambicano quer reassentar vítimas das cheias; estas resistem

O governo quer reassentar permanentemente populações de zonas propícias a cheias ao longo do rio Limpopo, depois das devastadoras inundações ao longo do rio no mês passado.

Cheias de 2013 em Nampula (VOA / Faizal Ibramugi)Cheias de 2013 em Nampula (VOA / Faizal Ibramugi)
x
Cheias de 2013 em Nampula (VOA / Faizal Ibramugi)
Cheias de 2013 em Nampula (VOA / Faizal Ibramugi)
Tamanho das letras - +
— O primeiro-ministro Alberto Vaquina está a pressionar as autoridades locais a serem firmes com as pessoas que querem regressar às suas casas – dizendo que o risco de novas cheias é demasiado elevado.

O governo oferece às pessoas pedaços de terra em locais mais elevados, caso aceitem mudar. Cerca de 100 pessoas morreram nas cheias e mais de 200 mil outras foram afectadas.

A casa de Thelma Zita fica apenas a poucas centenas de metros das margens de um dos mais poderosos rios africanos - o Limpopo.

Em finais de Janeiro, o rio saltou das suas margens, levando tudo o que encontrou pela frente. Não houve tempo para fugir.

“Subimos aos telhados. Não deixamos Guija porque a água chegou à noite.”

Uma semana mais tarde Thelma Zita deu à luz uma menina. Agora, com a bebé agarrada às suas costas com uma capulana, Thelma Zita está a cultivar a terra que aos poucos deixa de estar submersa pelas águas do Limpopo.

“Estamos a começar a plantar de novo. Em alguns terrenos não se pode semear porque há ainda água, temos que esperar. A vida continua, é assim a vida.”

O fértil vale do Limpopo é fonte da grande parte do arroz e dos vegetais produzidos em Moçambique.

O aviso de cheias permanece em vigor. O final da estação das chuvas será daqui a dois meses.

É arriscado andar já a amanhar a terra, mas Thelma Zita e os vizinhos dizem que caso não plantem, vão passar fome.

“Aqui não chega nada. Pode vir um camião cheio de comida mas quando chega a nos já há pouco.”

 Adam Ridell – da organização cristã Americana “Bolsa do Samaritano” – está a ajudar a distribuir alimentos na área. Ele explica porque Thelma Zita e os seus vizinhos poderão não obter ajuda alimentar.

“Uma razão porque estas pessoas poderão não receber ajuda alimentar é porque não se encontram nos centros de acomodação. Podemos não saber onde eles estão. Seria mais fácil se estivessem nesses centros. É ali que levamos comida.”

Custódia Quive é uma das 70 mil pessoas que escaparam às águas do Limpopo. Agora vive num enorme campo de tendas, gerido pelo governo e agências internacionais de ajuda.

“Foi tudo, não tenho casa, a porta abriu-se e a roupa foi levada.”

Agora é altura de olhar o future. O governo oferece terra em zonas mais altas, perto do campo onde se encontram. A 29 quilómetros da cidade de Chokwé, onde antes das cheias ela vivia e trabalhava.

“Queremos a terra, mas ainda não nos deram nada. É muito longe, mas mesmo assim posso viver lá, a família pode ficar aqui.”

Durante o dia poucos homens se encontram no acampamento. Muitos regressaram já aos terrenos, ou encontram-se a proteger as suas casas e haveres dos bandidos, nas áreas inundadas.

Adam Ridell diz que o processo de realojamento será difícil mas que há poucas alternativas.

“Como se realojam 200 mil pessoas? Quando há inundações a cada cinco anos? Conseguiu-se progredir nos sistemas de aviso antecipado e as pessoas sabiam que a água das cheias ia chegar. Os diques rebentaram, e a água chegou muito mais depressa do que pensavam. Muitas pessoas estavam preparadas para as cheias mas não o suficiente porque não pensavam que seria tão mau como foi. As suas casas são feitas de barro, porque é o que tem, pelo que foram com as cheias.”

Os peritos dizem que Moçambique, país onde existem 9 dos maiores sistemas de rios e onde há tendência a enfrentar ciclones sazonais, é especialmente vulnerável a mudanças climatéricas, aumentando o risco de mais desastres naturais no futuro.

O governo considera a construção de pelo menos uma outra barragem no rio Limpopo – mas é um empreendimento dispendioso para um país ainda dos mais pobres do mundo.

Entretanto, esperam conseguir deslocar o maior número de pessoas possível para locais mais elevados para minimizar os efeitos de um próximo desastre.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos