sexta-feira, 18 abril, 2014. 05:31 UTC

Notícias / Estados Unidos

Obama anuncia retirada de mais de 30.000 soldados do Afeganistão

Obama fala ao paísObama fala ao país
x
Obama fala ao país
Obama fala ao país
Tamanho das letras - +
João Santa Rita
O  presidente dos Estados Unidos Barack Obama anunciou a retirada de 34 mil soldados americanos do Afeganistão até Fevereiro do próximo ano.




Isto é um pouco mais de metade dos 66 mil soldados americanos ainda estacionados no Afeganistão.

Falando perante as duas cãmaras do Congresso no discurso anual do "estado da união", Obama anunciou também a sua intensão de negociar um acordo de comércio livre com a União Europeia. Estudos feitos aqui em Washington indicam que se houvesse um acordo de comercio livre as trocas comerciais entre os dois os dois blocos aumentariam anualmente em cerca de 180 mil milhões de dólares.

 O presidente fez uma curta referencia  afirmando que os Estados Unidos tencionam ajudar países como a Somália a  garantirem a sua própria segurança e “ ajudar aliados que luta contra terroristas tal como o fizemos no Mali”.

O presidente referiu-se também ao teste nuclear da Coreia do Norte que descreveu como uma “provocação” que apenas servirá para isolar ainda mais a Coreia do Norte e exortou o Irao a iniciar negociações  sobre o seu programa nuclear.

“Faremos o que for necessário  para impedir ( o Irão)  de adquirir uma arma nuclear,” disse o presidente

Ao abrigo da constituição americana o presdiente é  obrigado a informar o Congresso sobre a situação no país e sobre os seus planos legislativos. Isso é feito anualmente num discurso televisionado directametne paar ao país a que assistem todos os membros da Camara dos Representantes e do Senado e ainda convidados.

O discurso que terça-feira á noite do presidente Obama  foi  quase que inteiramente virado para questões internas apelando a novos investimentos governamentais, limitações á compra e porte de armas e reformas no sistema de imigração.

“É nossa tarefa ainda por terminar assegurar que este governo vai trabalhar em nome de muitos e não apenas de alguns,” disse o presidente Obama.

Para isso, acrescentou Obama há que encorajar e “recompensar a iniciativa individual e abrir as portas de oportunidade para cada criança através deste grande país”.

O Presidente apelou ao congresso para apoiar as propostas para a criação de postos de trabalho.

“Uma economia em crescimento que cria empregos bons e de classe media – essa é a estrela que deve guiar os nossos esforços,” disse o presidente que pediu tambem o aumento do salário mínimo nacional para nove dólares á hora

Entre os convidados ao discurso de Obama  encontravam-se os pais de Haiya Pendleton, uma jovem adolescente morta a tiro em Chicago  poucos dias depois de ter participado nas cerimónias de tomada de posse de Obama. A sua presença tal como a de um professor da escola de Newtown onde há poucas semanas várias crianças foram massacradas destinou-se a dar uma face humana as vítimas de armas de fogo quando o presidente fez o seu apelo a maior controle dessas armas.

Embora o ritual anual do discurso do estado da união seja um dos eventos politicos de maior visibilidade na cena política americana a divisão de poderes do ssitema americano faz com seja quase impossivel para os presidentes cumprirem tudo aquilo que geralmente anunciam neste discurso.

Com o partido republicano da oposição  a controlar a Câmara dos Representantes é pouco provável que muitos dos planos do presidente sejam aprovados.

O governo americano faz face dentro de poucas semanas a cortes orçamentais automáticos devido precisamente à falta de um acordo quanto a a gastos do governo.

Numa tentativa de anular o argumento Republicano, o presidente disse que as suas propostas para maiores investimentos não iriam “aumentar o nosso deficit num só centavo”.

“Não precisamos de um governo maior, mas sim de um governo mais inteligente que estabelece prioridades e investe num crescimento de base alargada, “ disse o presidente.

RESPOSTA REPUBLICANA

Marco RubioMarco Rubio
x
Marco Rubio
Marco Rubio
O senador Republicano Marco Rubio indicou claramente que o seu partido continuará a opor-se aos planos do presidente que disse serem planos de aumentos de impostos e aumento de deficits que irão afectar a classe media do pais.

Rubio  insurgiu-se contra o facto da administração Obama constantemente acusar os Republicanos de defenderem os ricos. O senador afirmou viver num subúrbio de classe media e trabalhadora e disse não opor-se aos planos do presidente "para proteger os ricos".

“Oponho-me aos seus planos porque quero proteger os meus vizinhos,” disse  Rubio que deu a sua resposta em inglês e espanhol.

O Senador Republicano, que muitos vêm como um possível candidato á presidência disse que o presidente Obama, ao contrario de outros, n~qao acretida que o sistema de livre iniciativa seja " a fonte do sucesso da nossa classe média".

O Presidente Obama, disse ele, "acredita que isso é a causa dos nossos problemas".

Já Rand Paul falando em nome do chamado "Tea Party", a ala mais conservadora do Partido Republicano disse apoiar os cortes automáticos.

"Chegou a altura dos Democratas admitirem que não são sagrados todos os dólares gastos em programas domésticos,” disse Paul.

“Chegou a altura dos Republicanos estarem cientes que os gastos militares não são imunes a esbanjamento e fraude,” acrescentou.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos