segunda-feira, 27 abril, 2015. 17:04 UTC

Notícias / Angola

Huíla com mais de setecentos mil alunos este ano lectivo

Professores dizem que ainda há salários em atraso

Teodoro Albano
Mais de setecentos mil alunos dos diferentes níveis de ensino vão colorir as escolas da província da Huíla no ano lectivo de 2013.
Para a assegurar o ano académico a província irá contar com 21 mil professores e seis mil salas de aulas. Os números foram revelados no acto que marcou oficialmente a abertura do ano lectivo na província da Huíla.
O director provincial da educação, Américo Tchicoty,  anunciou ainda que a província já dispõe de manuais de apoio para distribuir gratuitamente as crianças.

“A província recepcionou até finais do ano passado mais de 4 milhões de manuais de diferentes títulos e este material na generalidade já está distribuído em todas as repartições municipais para fazerem chegar as escolas e fazer com que cada aluno tenha um exemplar para trabalhar não só na sala de aula mas também para consulta em casa,” disse

O número de crianças fora do sistema de ensino é desconhecido. As autoridades garantem que há uma diminuição drástica com a construção anualmente de mais salas de aulas.




Acabar com o número de crianças a estudar debaixo de árvores ou mesmo ao ar livre é uma das apostas do executivo que contabiliza mais de 4 mil turmas reconheceu o governador, João Marcelino Tchipingui.

“O governo da província continua envidando esforços para construção de mais escolas com vista a diminuir as turmas que ainda continuam ao ar livre num total de 4.302,” disse.

“E para fazer face ao número crescente fora do sistema de ensino o governo promoveu o concurso público para o sector para o subsistema de ensino primário, primeiro e segundo ciclo do ensino secundário que resultou na admissão de 1.615 novos agentes que entrarão no exercício das suas funções a partir deste ano lectivo,” acrescentou

A abertura do ano lectivo, acontece numa altura em que há descontentamento dos professores devido a dívidas passadas. Esta situação levou os docentes a manifestarem-se no pasadodia 2.

“Ainda há salários em atraso os municípios da Matala, Chicomba, Caconda, Gambos, Quipungo e Caluquembe referentes aos anos de 2003, 2004 e 2007 e ainda duas folhas de salários que não foram pagos nos meses de Maio a julho de 2001,” disse João Francisco secretário provincial do sindicato de professores
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos