sexta-feira, 12 fevereiro, 2016. 20:37 UTC

    Notícias / África e Mundo

    Dois anos após a queda de Mubarak, os egípcios tentam manter a esperança

    Os egípcios assinalam dois anos desde a popular revolta que forçou o presidente de longa data, Hosni Mubarak, a deixar o poder. Mas a esperança esvanece-se.

    Protesto anti-governo na Praça Tharir (Cairo, Egipto)
    Protesto anti-governo na Praça Tharir (Cairo, Egipto)
    Nos últimos dois anos tem havido imensas mudanças no Egipto. A governação de quase 30 anos de Hosni Mubarak estava de tal maneira entrincheirada que parecia impossível ser derrubada.

    Os líderes da região a envelhecerem eram os mesmos desde há décadas. Mas um lembrete de como eram as coisas antes ouviu-se na semana passada.

    Numa conferência no Cairo, o líder palestiniano Mahmoud Abbas, referindo-se ao presidente do Egipto, Mohamed Morsi, deixou cair a palavra “Hosni” antes de se apressar a corrigir rapidamente.

    Essa estagnação tornou ainda mais extraordinários os 18 dias do levantamento. E quando a 11 de Fevereiro de 2011, Mubarak se afastou do poder, os manifestantes na Praça Tahrir e por todo o Egipto estavam delirantes com as possibilidades que se abriam.

    Hoje, esse ar de promessa, para muitos, desapareceu. Uma jovem na Praça Tharir resume assim o seu desapontamento: “Acho que nada mudou. Mubarak foi e chegou Morsi. Ele nada fez pelo povo do Egipto.”

    Tharir continua a ser o ponto de congregação dos protestos, só que agora os sinais denunciam Morsi e a irmandade Muçulmana a que ele pertence.

    Protestam a economia em apuros, uma liderança que acusam de servir os seus próprios interesses e um falhanço geral em concretizar os ideais da revolução.

    O sociólogo político Said Sadek, da Universidade Americana no cairo, acredita que a situação deverá agravar-se ainda mais antes de começar a melhorar. Mas responde com base em razões históricas: “Temos que recordar que, naturalmente, após qualquer revolução, o governo é fraco, a economia esta fraca, a segurança é fraca e o presidente é fraco.”

    Se é uma questão de paciência, os clientes de um café junto à Praça Tahrir parecem dispor de muita. Uma calma preenchida com copos de café e umas fumaças nos cachimbos de água contrastam com a instabilidade que faz manchetes.

    Mohamed Yasso, um homem de meia-idade, dá crédito ao passado e ao futuro. Mubarak teve os seus feitos como militar, nota, apesar de o culpabilizar por nos últimos anos ter deixado a economia declinar. Para ele o ponto de viragem foi quando o antigo presidente quis passar o poder ao seu filho. A revolução, afirmou, era inevitável.

    Quanto aos problemas do presente, Yasso aconselha paciência e trabalho duro, quer da parte do povo quer por parte da liderança. O governo, notou, precisa de canalizar a energia para os jovens nas ruas.

    Yasso diz que os jovens precisam de emprego. Precisam de esperança – esperança de uma educação, de terem cuidados de saúde, de poderem casar. Toda a juventude – sublinha – “deve sentir que há esperança.”

    Para muitos jovens, a esperança surgida há dois anos com a revolução está ser agora profundamente testada.
    O forúm foi encerrado
    Comentários
         
    Năo existem comentários. Seja o primeiro

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Manchetes Mundo 12 Fevereiro 2016i
    X
    12.02.2016 19:48
    Mais Vídeos