sexta-feira, 01 agosto, 2014. 11:51 UTC

Notícias / África

Dois anos após a queda de Mubarak, os egípcios tentam manter a esperança

Os egípcios assinalam dois anos desde a popular revolta que forçou o presidente de longa data, Hosni Mubarak, a deixar o poder. Mas a esperança esvanece-se.

Protesto anti-governo na Praça Tharir (Cairo, Egipto)
Protesto anti-governo na Praça Tharir (Cairo, Egipto)
Nos últimos dois anos tem havido imensas mudanças no Egipto. A governação de quase 30 anos de Hosni Mubarak estava de tal maneira entrincheirada que parecia impossível ser derrubada.

Os líderes da região a envelhecerem eram os mesmos desde há décadas. Mas um lembrete de como eram as coisas antes ouviu-se na semana passada.

Numa conferência no Cairo, o líder palestiniano Mahmoud Abbas, referindo-se ao presidente do Egipto, Mohamed Morsi, deixou cair a palavra “Hosni” antes de se apressar a corrigir rapidamente.

Essa estagnação tornou ainda mais extraordinários os 18 dias do levantamento. E quando a 11 de Fevereiro de 2011, Mubarak se afastou do poder, os manifestantes na Praça Tahrir e por todo o Egipto estavam delirantes com as possibilidades que se abriam.

Hoje, esse ar de promessa, para muitos, desapareceu. Uma jovem na Praça Tharir resume assim o seu desapontamento: “Acho que nada mudou. Mubarak foi e chegou Morsi. Ele nada fez pelo povo do Egipto.”

Tharir continua a ser o ponto de congregação dos protestos, só que agora os sinais denunciam Morsi e a irmandade Muçulmana a que ele pertence.

Protestam a economia em apuros, uma liderança que acusam de servir os seus próprios interesses e um falhanço geral em concretizar os ideais da revolução.

O sociólogo político Said Sadek, da Universidade Americana no cairo, acredita que a situação deverá agravar-se ainda mais antes de começar a melhorar. Mas responde com base em razões históricas: “Temos que recordar que, naturalmente, após qualquer revolução, o governo é fraco, a economia esta fraca, a segurança é fraca e o presidente é fraco.”

Se é uma questão de paciência, os clientes de um café junto à Praça Tahrir parecem dispor de muita. Uma calma preenchida com copos de café e umas fumaças nos cachimbos de água contrastam com a instabilidade que faz manchetes.

Mohamed Yasso, um homem de meia-idade, dá crédito ao passado e ao futuro. Mubarak teve os seus feitos como militar, nota, apesar de o culpabilizar por nos últimos anos ter deixado a economia declinar. Para ele o ponto de viragem foi quando o antigo presidente quis passar o poder ao seu filho. A revolução, afirmou, era inevitável.

Quanto aos problemas do presente, Yasso aconselha paciência e trabalho duro, quer da parte do povo quer por parte da liderança. O governo, notou, precisa de canalizar a energia para os jovens nas ruas.

Yasso diz que os jovens precisam de emprego. Precisam de esperança – esperança de uma educação, de terem cuidados de saúde, de poderem casar. Toda a juventude – sublinha – “deve sentir que há esperança.”

Para muitos jovens, a esperança surgida há dois anos com a revolução está ser agora profundamente testada.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos