sexta-feira, 01 agosto, 2014. 11:51 UTC

Notícias / Angola

Autoridades tradicionais devem ser usadas para proteger património cultural - especialistas

Muito locais históricos em degradação

Praça da Independência, em Luanda
Praça da Independência, em Luanda
Agostinho Gayeta
Muitos lugares históricos na provincia angolana do Huambo encontram-se em estado de degradação pondo em perigo a herança cultral do país.




A província do Huambo é uma das mais ricas de Angola em tradição de monumentos e sítios histórico-culturais com 129 lugares e monumentos históricos que constam do inventário provisório dos bens culturais elaborado pela Direcção Provincial da cultura a fim de serem classificados como património nacional.

O Director provincial da Cultura tem esperança que grande parte deste património (cuja lista já está sob tutela do Ministério da Cultura) faça parte do inventário nacional dos bens culturais.

O Memorial Heróis da Pedra Candumbo, localizado no município da Chicala-Cholohanga, a aproximadamente 25 quilómetros a leste da cidade do Huambo. O local foi palco da batalha que culminou com a ocupação do território do Huambo por parte dos portugueses, em 1902, depois de vencerem a resistência dos autóctones sob comando do soberano Ndala. A montanha Alavala; O Atambo; A estátua do Rei Ekuikui II (na vila do Bailundo), as pinturas rupestres de Kaninguili, no município do
Mungo, a estação arqueológica de Feti (comuna da Calima), a Ombala do Huambo e os edifícios à volta da
Praça Agostinho Neto, na cidade do Huambo são alguns dos muitos monumentos históricos desta província que concorrerem para classificação como património nacional.

Pedro Tchissanga garante que ainda assim continua em curso o projecto de recolha de elementos imprescindíveis para classificação dos referidos monumentos como herança nacional por parte da Direcção nacional do património Cultural e da UNESCO.

A grande dificuldade neste processo prende-se com a ausência de fontes escritas para justificação da importância de alguns bens. Segundo o director provincial da cultura, na ausência de escritos e de publicações científicas os técnicos têm recorrido às fontes orais o que nem sempre basta para o efeito.

O apoio e a contribuição das autoridades tradicionais e administrativas têm sido essenciais, mas a divulgação do valor cultural dos locais e monumentos, feita pelos órgãos de informação, ainda não satisfaz o director provincial da cultura.

Do total de monumentos e sítios que aguardam a classificação a direcção provincial da Cultura, tem registado 12 monumentos de arquitectura civil, 26 arquitectura de arquitectura religiosa, 9 de arquitectura militar, 6 sítios arqueológicos, 18 sítios históricos, 11 zonas históricas, 22 zonas paisagísticas, 8 símbolos do poder tradicional, 10 cemitérios e 9 estátuas.

Grande parte destes lugares que constitui a memória colectiva do povo da região do planalto central encontram-se em estado avançado de degradação, para além estarem a ser invadidos por populares, colocando em risco a sua existência.

O Historiador Festo Sapalo entende que a protecção e a conservação dos bens e lugares sagrados da cultura cabe não apenas ao governo, mas também à comunidade e os meios de comunicação social.

O Historiador e Docente Universitário Patrício Batsikama diz ser preciso que hajam investigadores e centros de pesquisa em vários pontos do país. Para isso, alerta o académico, deve-se contar com o apoio do estado, que deverá promover bolsas de investigação.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos