quarta-feira, 02 setembro, 2015. 10:32 UTC

Notícias / Angola

Bento Bembe: Destruir o Monumento de Simulambuco seria "genocídio" do povo de Cabinda

Monumento do Tratado de Simulambuco, em Cabinda
Monumento do Tratado de Simulambuco, em Cabinda
José Manuel
A governadora de Cabinda Aldina Barros da Lomba estará a enfrentar o primeiro teste politico ao admitir a requalificação do monumento de simbulambuco, há muito regeitada por Luanda por aparentemente minar a unidade nacional, não obstante se ter reconhecido legalmente as especificidade do enclave.




E é na sequencia deste desiderato politico que o forum Cabindes para o dialogo mobilizou centenas de cidadaos, entre politicos e civis para celebrar o aniversário do tratado de simulambuco considerado como o marco historico da identidade dos cabindas como um povo distinto de Angola.

Ao discursar por ocasiao das celebrações António Bento Bembe disse aos presentes que não se pode inventar e deformar a história do tratado e todo aquele que ousar a destrui-lo estaria a cometer um genocidio ao povo de Cabinda.

"Destuir isto seria um crime no âmbito do direito internacional, semelhante ao genocídio de um povo. Por isso mesmo, ninguém ousou destruir este marco histórico", disse o político angolano.

Bento Bembe lembrou ser importante ensinar às novas gerações sobre a origem do território por forma a honrar os signatários do memorial de Simulambuco.

Não obstante os acordos de paz que assinou em 2006 com o governo angolano, o também responsavel governamental para os direitos humanos disse que os ideais do Tratado do Simulambuco não devem ser esquecidos e, independentemente do contexto politico, devem ser preservados.

Com a assinatura do Tratado de Simulambuco, Portugal reconheceu Cabinda como um povo segundo as suas leis e usos, prometendo-lhe auxílio e protecção.
Os príncipes e dmais chefes e seus sucessores declaravam, voluntariamente, reconhecer a soberania de Portugal, colocando sob o protectorado desta nação todos os territórios por eles governados.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: José António de Carvalho de: Cabinda
05.02.2013 14:24
Eu não sei se o amigo Kalunga tem mesmo senso. O amigo sabia que 80% do dinheiro que o executivo utiliza para desenvolver o país sai de Cabinda? E o amigo sabe quantos monumentos foram construídos e requalificados a nível de Angola com o dinheiro de Cabinda? Seja mais responsável amigo. Por outro, se o sr. Bento bembe teve a oportunidade de discursar como dia de assinatura do tratado, que eu saiba, esta data em Cabinda assinala a abertura da comemoração do 4 de Fevereiro. Os angolanos não querem que se continue falar do Tratado de Simulambuco. Para ludibriar a sua os que se alinharam na jogada de Banto Bembe, utiliza-se o local de assinatura do tratado para de dar abertura das comemorações do 4 de Fevereiro. Coisas de JES.


por: Carlos Chinguidi de: Luanda
05.02.2013 14:16
Mais uma vez, Bento Bembe, demonstrou que é um Grande Político, único entre os líderes políticos de Cabinda e muito raro em Angola em geral. Consegue fazer um brilhante discurso político de verdade sem ferir as diversas susceptibilidades de Cabinda ao Cunene. É uma figura não dispensável para Cabinda e Angola. Força ai ... para o bem de todos os angolanos. Viva o visionário Homem angolano de Paz!


por: Miranda de: USA
04.02.2013 16:14
Este jornal deve desaparecer dos USA, pois é contra a liberdade da imprensa. Puramente um jornal dos Angolanos contra as realidades Angolana, criado pelos grupos da UNITA e opositores do Presidente JEDSantos. Nos Estados Unidos não se aceita este instrumento da politica. Nos somos o espelho da democracia e direitos humanos. Neste vosso jornal, apenas se ve comentarios contra o Presidente Angolano, pois isto é estranho. Viva EUA e Democracia!...


por: ntota de: turquia
02.02.2013 23:18
Gostei do seu discurso Antonio Bento Bembe, espero que continues a ter mais visao das coisas ate no momento certo. forca ai e lhes mostra que tens amor a tua terra.


por: Anónimo
02.02.2013 12:53
isto e verdade , cabinda desde os primordiais do trespassado colonial foi considerado algo muito longe de angola , quem nao se lembra ate os conjuntos musicais CABINDA RITMO E SUPER COBA , nunca se expressaram em suas cancoes em portugues , os trajos de cabindenses eram como se diz " GENTE DO CONGO " hoje o petroleo de cabinda tornou o MPLA colonizador com a cumplicidade de portugueses racistas q agitam essa uniao intencional.


por: Kalunga Kampunda Mukulu de: Benguela
02.02.2013 08:03
Pais da confusão! Com tanto lugar importante e prioritário para aplicar as verbas, querem mexer no Simulambuco porque e para que?

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorquei
|| 0:00:00
...  
🔇
X
02.09.2015 09:15
Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorque

Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Setembro 2015

Milahres dançam no festival tradicional suazi
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 1 Setembro 2015

Ben Carson, um novo Obama?
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (II): Joel Almeida e a visita à Estátua da Liberdade

Esta é a 2ª partilha de Joel e como seria de esperar Nova Iorque não é um lugar fácil. A ida à estátua da Liberdade provou ao Joel que um GPS pode ser tudo na vida.
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (I): Joel Almeida e a primeira aventura em Nova Iorque

Joel Almeida, de Cabo Verde, é designer de jogos e tem uma start-up. Participou no programa YALI por 6 semanas e dentro da mesma iniciativa está entre os 100 escolhidos para fazerem um estágio nos Estados Unidos durante 2 meses. Joel está em Nova Iorque e aceitou o desafio de nos contar os seus dias
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Pontão na ilha do Sal

Vídeo gentimente cedido por José Manuel da Cruz, retratando a força das ondas por consequência da passagem do furacão Fred
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Ilha do Sal

Vídeo gentilmente cedido por Carlos Chaves, no Sal, que sofre com a passagem do furacão Fred pela ilha
Mais Vídeos