sábado, 01 novembro, 2014. 04:38 UTC

Notícias / África

França vai ficar por muito tempo no Mali - analista

Desafio é saber se CEDAO poderá substituir a França

Soldado francês no Mali. Por quanto tempo?
Soldado francês no Mali. Por quanto tempo?
João Santa Rita
O envolvimento  militar francês no Mali vai demorar “no mínimo” vários meses e poderá estender-se por vários anos, disse á Voz da America o analista português Paulo Gorjão.




Gorjão, um especialista em questões internacionais no Instituto Português de Relações Internacionais e Segurança, disse que  “o grande risco francês” jaz em saber-se se a Comunidade Económica de Estados da África Ocidental, CEDAO, estará á altura de substituir a tropa francesa e de criar um exercito capaz no Mali.

“Nem o próprio presidente François Hollande acredita que o envolvimento francês vai ser limitado,” disse o analista.

Paulo Gorjão disse por outro lado que o recente ataque terrorista contra uma instalação de produção de gás na Argélia pode ser visto como “um sinal político que uma parte da comunidade tuaregue e islâmica na região do Sahel entendeu enviar á Argélia no sentido de limitar o envolvimento argelino no conflito do Mali”.

A Argélia, disse, “é um estado central neste processo e numa eventual resolução militar desta operação em curso liderada pela França” e tinha já iniciado uma participação indirecta permitindo á força aérea francesa sobrevoar o seu território para acções no Mali.

Paulo Gorjão disse que o súbito alastramento da violência nessa região é importante “em primeiro lugar pela noção que existe que a frente na luta contra o terrorismo de natureza islâmica se transferiu do Afeganistão para esta nova frente”.

Há também interesses de natureza económica da França e de outros países, acrescentou.

“O que se esta a passar é grave não só pela destabilização do Mali per se mas pelas consequências que isso pode ter para toda a região,” disse Paulo Gorjão sublinhando ainda haver o receio que “a queda do governo central do Mali teria um impacto devastador em termos da estabilidade política e social de toda a região”.

Por outro lado a França tem vindo a aumentar a sua visibilidade no Magreb e na região do Sahel desde o fim do mandato do anterior presidente , Nicolas Sarkozi, disse o analista que recordou depois as intervenções francesas na Líbia, o seu envolvimento na Síria e mesmo a sua intervenção na Costa do Marfim.

“Parece-me haver um afinamento da estratégia a longo prazo da França que vai desde do grande Magrebe até a região do Sahel e até ao Médio Oriente,” acrescentou Paulo Gorjão para quem inicialmente no Mali os franceses pensaram que o seu envolvimento seria de pouca duração e de preferência “um envolvimento de retaguarda”.

Mas os factos ultrapassaram todo o tipo de planeamento que a França estava a fazer e viu-se obrigada a intervir militarmente, disse Gorjão.

“Nós temos aqui no mínimo dos mínimos um envolvimento para largos meses senão até para vários anos em diferentes modalidades,” acrescentou afirmando ainda que se está agora a tentar criar com a CEDAO e a União Europeia uma frente unida “para se criar condições para a França progressivamente diminuir o seu papel e assumir o seu papel novo a CEDAO”.

“Esse é o grande risco francês se de facto a CEDAO vai estar ou não à altura das expectativas para substituir a tropa francesa no Mali,” disse.

“Eu não vejo aqui envolvimento mas sim para largos meses e por ventura por alguns anos,” acrescentou

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambiquei
X
31.10.2014 18:08
Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambique

Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 30 Outubro 2014

As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 28 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Levados pelo Boko Haram

O mundo espera para ver se a Nigéria consegue negociar a libertação das 219 raparigas da escola de Chibok, raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram em Abril. Activistas dizem que o Boko Haram já raptou centenas de jovens rapazes, mulheres e crianças, desde 2009.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Mais Vídeos