quarta-feira, 30 julho, 2014. 13:08 UTC

Notícias / A Sua Saúde

Quase 170 milhões de anos de vida saudável perdidos para o cancro

O cancro provocou a perda de 170 milhões de anos de vida saudável no mundo só em 2008, indica um estudo alertando para as desigualdades entre pacientes de países ricos e pobres.

x
O cancro provocou a perda de 170 milhões de anos de vida saudável no mundo só em 2008, indica um estudo hoje divulgado, que alerta ainda para as desigualdades entre pacientes de países ricos e pobres.

O cancro provocou a perda de 170 milhões de anos de vida saudável no mundo só em 2008, indica um estudo hoje divulgado, que alerta ainda para as desigualdades entre pacientes de países ricos e pobres.

Publicado na revista científica 'The Lancet', o primeiro estudo detalhado a calcular o impacto global do cancro em número de anos de vida saudável perdidos pelos pacientes aponta para um total de 169,3 milhões de anos perdidos em 2008.

O número resulta de uma medida conhecida como "anos de vida adaptados à incapacidade" (AVAI) e reúne, não só o número de mortes devido ao cancro, mas também as consequências incapacitantes dos tumores não fatais (por exemplo, a mastectomia num cancro da mama ou a infertilidade num cancro do colo do útero).

Os resultados referem que em 2008 o cancro provocou a perda de 2.369 anos de vida saudável por cada 100 mil habitantes, a maioria dos quais (90%) resultaram de mortes prematuras e o restante de incapacidade.

Liderado por Isabelle Soerjomataram, da Agência Internacional para a Investigação do Cancro, em França, o estudo inclui dados sobre 27 tipos de cancro em 184 países, agrupados em 12 subrregiões e nos quatro níveis de desenvolvimento humano, e destaca grandes desigualdades no impacto da doença.
Quando dividiram os países consoante o índice de desenvolvimento humano, por exemplo, os investigadores concluíram que, embora a diferença pareça pequena a nível dos AVAI, há uma distinção entre o peso relativo das mortes e o da incapacidade.

Os resultados, explica Isabelle Soerjomataram, "refletem uma mortalidade prematura mais elevada nos países de baixo desenvolvimento humano e uma maior taxa de deficiência e incapacidade nos países de alto desenvolvimento humano".

Enquanto na África subsaariana, 96% dos anos perdidos se deveram à morte dos pacientes, na América do Norte essa percentagem baixa para 84%, exemplifica o estudo. Mas há casos em que a diferença é ainda maior, como no cancro dos testículos: nos países de desenvolvimento humano muito elevado, a mortalidade representa 38% do AVAI, enquanto nos de baixo desenvolvimento humano é de 96%.

Isto significa que os doentes com cancro nos países de baixo rendimento "têm piores prognósticos", escrevem os investigadores.

"O nosso estudo representa um primeiro passo para o estabelecimento de uma base de evidência (...) que é urgentemente necessária para estabelecer prioridades no controlo do cancro”, diz Isabelle Soerjomataram.

Freddie Bray, co-autor do estudo, sublinha que as conclusões "ilustram claramente como o cancro já é uma barreira para o desenvolvimento sustentável em muitos dos países mais pobres, o que tenderá a exacerbar-se nos próximos anos se o controlo do cancro for negligenciado".

O estudo sublinha que a prevenção primária tem um papel crucial na redução do impacto da doença, já que a melhoria do acesso a tratamentos de elevada qualidade não aumentou de forma significativa a sobrevivência nos casos dos cancros mais graves.

"Os nossos dados sustentam a necessidade de mais atenção à prevenção do cancro e a programas de tratamento nos países de baixo rendimento", concluem os investigadores, que alertam para o previsível aumento do impacto do cancro nos países em desenvolvimento.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Vilma Nhambi - Participante Yalii
X
30.07.2014 12:56
Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Vídeo

Vídeo Mamografias 3D revolucionam detecção do cancro da mama

Durante anos as mamografias desempenharam um papel vital na detecção do cancro da mama. Mas nem sempre conseguem identificar tumores perigosos. A tecnologia a três dimensões pode revolucionar a triagem e salvar vidas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 25 Julho 2014

Os títulos que encerraram a semana no continente africano. Dos ataques do Boko Haram à expansão do vírus do ébola
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 24 Julho 2014

Os principais acontecimentos que marcam a actualidade americana na penúltima semana do mês de Julho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Julho 2014

Os principais títulos que marcam a actualidade de África nesta Quinta-feira
Mais Vídeos