sábado, 01 novembro, 2014. 08:05 UTC

Notícias / África

Apesar do embargo da ONU munições iranianas circulam por África

unições de origem desconhecida têm circulado em algumas das mais zonas sangrentas em África e após anos de investigação concluiu-se serem iranianas

Durante anos, munições de origem desconhecida têm circulado em algumas das mais sangrentas zonas de conflito em África – Sudão, República Democrática do Congo e Costa do Marfim. Após uma investigação de seis anos, investigadores de armamento dizem ter concluído onde essas munições são fabricadas: Irão.

Num estudo publicado nos últimos dias indica-se que há munições do Irão a circular por África apesar das Nações Unidas terem em vigor um embargo de armamento ao regime de Teerão.

A descoberta que permitiu aos investigadores avançar verificou-se em 2010 – em Apapa Wharf, em Lagos, na Nigéria, as forças de segurança interceptaram 13 contentores com mais de 24 toneladas métricas de munições.

Mais tarde, o manifesto de carga dizia que os contentores tinham sido enviados do Irão, e descritos como contendo “materiais de construção.”

Os carregadores de munições eram idênticos a outros já vistos em África, primeiramente no Quénia em 2006. Mas James Bevan, um dos investigadores, diz que os carregadores não tinham inscrito a sua proveniência.

“Um fabricante coloca nos carregadores a sua marca – identificando a origem do fabricante e assim o país de fabrico. Mas esse não era o caso daquelas munições. Apenas tinham a designação do calibre e o ano de produção.”

Bevan diz que as provas sugeriam que as forças governamentais tinham usado aquelas munições no Sudão, Guiné, Costa do Marfim e Quénia.

“Os governos africanos adquiriram as munições do Irão para uso das suas próprias forças de defesa e segurança. Munições que aquelas forças usaram. E mais tarde aquelas munições são transferidas para grupos insurrectos em países vizinhos ou forças rebeldes – este é o padrão.”

Os grupos rebeldes usaram estas munições em zonas de conflito, diz Bevan, incluindo a República Democrática do Congo, onde nas últimas duas décadas de banho-de-sangue morreram milhões de pessoas.

Teerão ainda não comentou o relatório – e os investigadores dizem não saber quem dentro do Irão é responsável pelas transferências.

Um Tratado de Comércio de Armamento das Nações Unidas que deverá monitorar a venda internacional de armas ainda não foi finalizado.

A agência internacional de ajuda OXFAM quer que as munições sejam monitoradas como parte do tratado, apesar da oposição de vários países, incluindo os Estados Unidos.

A OXFAM diz que 12 biliões de balas são produzidas todos os anos – uma indústria que vale mais de 4 biliões de dólares. São necessárias novas regras, diz a organização, para garantir que as munições são seguras e a sua transferência regulamentada.

Martin Butcher conselheiro para questões de armamento da OXFAM diz: “O maior factor para reduzir as baixas civis, em particular, e diminuir o conflito é cortar o abastecimento de munições. Há governos e grupos armados por toda a África subsaariana que procuram adquirir munições. As munições são transaccionadas em larga escala no mercado negro e mercados ilícitos por forma a alimentar estes conflitos.”

Tropas internacionais confrontam-se neste momento com militantes islâmicos no Mali. No vizinho Níger, os Islâmicos têm usado, aparentemente, munições iranianas. O investigador Bevan indicou que a sua equipa vai deslocar-se ao Mali para saber se há munições iranianas a serem agora usadas em mais outra zona de conflito africana.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Alex Gomes de: Bahia-Brasil
22.01.2013 19:02
Como combater os conflitos sangrentos africanos motivados por questões políticas territoriais, se nem mesmo os governos locais não se esforçam para impedir que a munição iraniana seja comercializada ilicitamente nas zonas de risco?

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambiquei
X
31.10.2014 18:08
Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambique

Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 30 Outubro 2014

As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 28 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Levados pelo Boko Haram

O mundo espera para ver se a Nigéria consegue negociar a libertação das 219 raparigas da escola de Chibok, raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram em Abril. Activistas dizem que o Boko Haram já raptou centenas de jovens rapazes, mulheres e crianças, desde 2009.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Mais Vídeos