sábado, 19 abril, 2014. 04:23 UTC

Notícias / Angola Fala Só

ANGOLA FALA SÓ - Antena Aberta: "Ouça o nosso grito" - apelo ao governo de Angola

Ouvintes queixam-se da pobreza e falta de qualidade de infra-estruturas em microfone aberto do Angola Fala Só

Tamanho das letras - +
A pobreza, corrupção e falta de infra-estruturas adequadas continuam a ser a grande preocupação dos ouvintes do “Angola Fala Só” da Voz da América que reconhecem no entanto ter havido um aumento na construção dessas infra-estruturas.

Muitos queixaram-se no entanto que a construção dessas infra-estruturas, como estradas e hospitais é de fraca qualidade ou então não é acompanhada, como no caso dos hospitais, do envio de pessoas especializado.

Durante uma hora a Voz da América manteve um diálogo em microfone aberto com vários ouvintes depois de ter falhado o contacto com aquele que deveria ser o convidado desta semana para o diálogo com os angolanos, nomeadamente o dirigente da FNLA Lucas Ngonda.

A Voz da América desconhece a razão porque falhou o contacto com o dirigente da FNLA já que pouco antes do programa começar tinha sido confirmado o telefone de contacto com aquele dirigente político.

O programa foi assim dedicado a uma conversa com os ouvintes que versou essencialmente a situação nas diversas províncias  onde foram contactados.

O ouvinte Basílio Victorino da Lunda-Norte disse que a situação na sua província tinha vindo  “a piorar”.

“As estradas estão péssimas, não temos nada,” disse.

“ A maioria dos jovens estão desempregados,” acrescentou.

Andre Kawenha  da Lunda-sul disse não haver intolerância política na sua província.
“Os dirigentes da UNITA circulam sem problema e muitos dirigentes do PRS são professores,” disse.

Essa opinião foi compartilhada  por outro ouvinte da mesma província, Mihola Vunge.
Contudo um outro ouvinte da Lunda-Sul, João Guedes, não concordou, afirmando que  “para se ter emprego é preciso ser do MPLA”.

Guedes disse que a construção de um novo hospital na sua zona não tinha qualquer significado.

“Não tem nada, não tem médico, não tem enfermeiro,” acrescentou.

Pepe Mbonjo do Moxico abordou também a questão da falta de cuidados médicos afirmando que na sua zona doentes tem que ser transportados de bicicleta para a Zâmbia para serem tratados.

Mihola Vunge da Lunda Sul abordou também a questão da corrupção afirmando que os alunos têm que pagar “10.000 ou 15.000 kwanzas aos professores do ensino superior para serem aprovados nos exames finais”.

“Que tipo de quadros se estão a formar?” interrogou.

Vunge disse que muitas das novas infra-estruturas construídas por empresas chinesas não têm qualidade e “são de pouca duração”.

“Tem que haver mais fiscalização da qualidade dessas obras,” disse.

O padre Afonso Mavitidi do Uíge disse que é “vergonhoso” e uma “miséria” o estado de pobreza da província e a falta de estradas.

“ A situação não vai para a frente nem para trás,” disse o Padre Mavitidi.

“Peço aos nossos governantes que ouçam o nosso grito,” acrescentou.

Vários dos ouvintes referiram-se também á questão dos veteranos das forças armadas que não recebem os subsídios ou reforma a que têm.

Um dos ouvintes era um veterano da batalha do Cuito Cuanavale.

“Os que combateram connosco no Cuito Canavale, os cubanos, os da Namibia recebem o que lhes é prometido mas nós não,” disse..

O ouvinte, Andre Kawenha da Lunda Sul também se referiu ao problema dos veteranos.

“Os militares desmobilizados estão a passar mal,” disse Kawenha que acrescentou que ninguém em Angola quer ver o país cair na situação semelhante à República Democrática do Congo ou da República centro Africana.

“Apelo ao general Kopelika que ouça este meu grito,” disse Kawaenha numa referência ao chefe da casa Militar da presidência da república.

Talvez o ouvinte mais critico do governo tenha sido  Samuel Puati de Cabinda que disse quer toda a riqueza desse território  “é só para o governo do MPLA, para os governantes”.

“os que estão no poder só cuidam com aquilo que é deles,” acrescentou acusando tropas governamentais de arbitrariedades e brutalidade.

“Há paz ou não em cabinda?” Interrogou para acrescentar: “O MPLA é como era no passado o colono”.


Clique no link abaixo para ouvir todos os programas
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: sonia manuel de: luanda
21.01.2013 20:22
vim por meio da minha provincia luanda gostaria que os dirigentes deste pais apostacem mais aos jovem dando mais emprego e diminuem as casas de festas...


por: kalusuekiko Aberto de: luanda
19.01.2013 10:52
Por mi o pensar do BD é isso que nós os angolanos que opinamos por que o presidente da república nunca publicou os seus bens, Também ninguém sabe do seu salário

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 18 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
18.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Mais Vídeos