sexta-feira, 29 maio, 2015. 18:10 UTC

Notícias / África

Guiné-Bissau: PAIGC quer juntar-se a governo de transição

Mudança de posição atribuída a pressões internacionais e a risco de isolamento

Sede do PAIGC em Bissau
Sede do PAIGC em Bissau
Lassana Casamá
Numa mudança de posição o PAIGC decidiu juntar-se ao “pacto de transição”  e o “Acordo Político” saído do golpe de estado de Abril que o partido havia anteriormente condenado e que resultou na formação de um governo de transição.



Um porta voz do partido, Oscar Barbosa, disse que a decisão do PAIGC será transmitido á Assembleia Nacional Popular e que o partido irá fazer parte do governo de transição devido a pressões da “ comunidade internacional”.

Barbosa indicou que a decisão se deve também ao facto do PAIGC se arriscar a não participar num dialogo entre guineenses que leve ao regresso à ordem constitucional.

“Nós condenamos o golpe de estado mas temos que admitir e aceitar que o dialogo entre guineenses conduz a que obrigatoriamente o PAIGC não possa ser parte contrária ao entendimento nacional e que é necessário para se obter o retorno á constituição,” disse

Barbosa disse que “é a comunidade internacional que entende que é urgente e útil que o PAIGC assuma ou integre um governo de transição porque é o partido maioritário na assembleia e isso é a possibilidade de forma legal abrirmos as janelas para que a comunidade internacional possa dialogar com a Guiné Bissau”.
Desconhece-se
O PAIGC anunciou que vai realizar o seu congresso em Maio.

A decisão segue-se a dois dias de reuniões dos Órgãos internos do partido, durante os quais decidiram assinaram o Pacto de Transição e o Acordo Politico,

Trata-se de um congresso que promete ser muito renhido, em virtude de profundas divergências internas que marcaram e ainda marcam o partido, isto depois de eleições presidenciais de Maio do ano passado e que viria a resultar-se no Golpe de Estado de 12 de Abril.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"i
X
29.05.2015 15:05
Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Protestos em Bujumbura

O ambiente em Bujumbura continua sob muita tensao. Hoje foi dia de protestos na capital do Burundi
Vídeo

Vídeo Manchetes do Mundo 25 de Maio 2015

As imagens noticiosas do mundo
Mais Vídeos