sábado, 30 maio, 2015. 00:14 UTC

Notícias / África

Rebeldes e governo da República Centro Africana acordam em governo de unidade

Acordo alcançado com rebeldes a 85 quilómetros da capital

Redacção VOA
Na República Centro Africana o governo e forças rebeldes chegaram a um acordo para formar um governo de coligação.


O acordo foi alcançado em negociações no Gabão. O presidente François Bozize tinha proposto propôs um governo de unidade com a coligação rebelde que avançou para zonas próximo da capital e que pediram a sua demissão.

O acordo prevê a nomeação de uma primeiro-ministro pela oposição e a realização de eleições legislativas dentro de um ano.

Os rebeldes, conhecidos pelo nome de Seleka, estavam a apenas  85 quilómetros da capital e uma força multinacional africana está agora estacionada entre os rebeldes e as tropas governamentais.

A República Centro Africana tem sido cenário de rebeliões contra o presidente Bozizé desde 2005 e a Seleka afirma que o governo não cumpriu acordos assinados em 2007 e 2008.

A Agencia das Nações Unidas para os Refugiados, ACNUR, disse entretanto estar preocupada pelo facto de não ter acesso a dezenas de milhar de refugiados e deslocados da guerra no país.

A ACNUR saudou o cessar-fogo de uma semana mas um porta voz, Adrian Edwards disse que a organização está preocupada com o que poderá acontecer se a luta recomeçar.

“Recebemos informações de milhares de deslocados no norte e leste do país desde que o avanço da Seleka começou há um mês. Pensa-se que cerca de oitocentas mil pessoas viviam nas áreas afectadas. Estamos muito preocupados com a situação dos deslocados, muitos dos quais estão a viver em condições duras e em locais remotos. Estamos também preocupados com as condições de refugiados vindos de outros países como o Sudão do sul, Chade e a República Democrática do Congo,” disse o porta-voz

A ACNUR diz que há cerca de 17 000 refugiados de outros países a viverem na República Centro Africana.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"i
X
29.05.2015 15:05
Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Protestos em Bujumbura

O ambiente em Bujumbura continua sob muita tensao. Hoje foi dia de protestos na capital do Burundi
Vídeo

Vídeo Manchetes do Mundo 25 de Maio 2015

As imagens noticiosas do mundo
Mais Vídeos